Zellige

A organização mundial dos deuses unidos reunia todos os anos num magnífico palácio reservado para a ocasião, junto à foz do rio Cebu. São cento e cinquenta quartos, duas piscinas interiores, duas exteriores e mais de dez mil metros quadrados de jardins exóticos à disposição, de forma a tornarem a tarefa um pouco menos fastidiosa. Durante uma semana todos os deuses ficam enclausurados nas muralhas que cercam o palácio, com a finalidade de debaterem os problemas do mundo. Mais de metade do tempo é gasto em discussões absurdas e quezílias sobre quem tem mais poder, quem governa sobre o quê, ou que deus é mais admirado pelos mortais. É também um concurso de egos, por isso o espaço amplo é de extrema importância para manter uma certa ordem.

O secretário maioral pedira máxima descrição a todos os participantes e por isso fui um dos últimos a chegar, classe supereconómica, já a lua tinha subido no céu limpo e frio. Acordei um dos poucos funcionários que permanecem no palácio nesta ocasião e encaminhou-me por arcadas e riades menores, fontes e pequenos jardins interiores até aos meus aposentos. Fico sempre deslumbrado com os tectos trabalhados, as madeiras de cedro, os mosaicos cerâmicos coloridos com arabescos ou padrões geométricos perfeitos. Era espectável que num ambiente assim sonhasse com a perfeição, o universo finito e os elementos.

O salão do conselho é decorado com frescos, mármores claros e vidros de Murano. A assembleia está sentada num quadrado em poltronas de veludo verde baixas, rodeadas de um segundo e terceiro quadrado, aberto por um corredor de tapetes corados com flores de papoila. Wōdanaz destacava-se imponente no centro, em pé, dirigindo-se para toda a assembleia. No extremo oposto, na segunda fila, Tanit acenou-me discretamente. Ao seu lado estava Vishnu que lhe oferecia uma porção de rapé no sulco da mão. Tanit aspirou e deixou a sua mão sobre o braço de Vishnu. Pareciam íntimos. Procurei Hécate entre a segunda e a terceira fila, a deusa das chaves podia ajudar-me com as contracturas. Acenei-lhe, mas ela não me viu. Levantei um pouco mais o braço, os olhos claros da deusa encontraram-me, mas Wōdanaz foi mais rápido. “Desejais pedir a palavra, Tlaloc?” Perguntou o representante máximo da assembleia. “Nã, nã… Oh grande!” gaguejei “foi apenas um espasmo!”

Hécate, a deusa tríplice, ria do meu embaraço. Vishnu pediu a palavra e tomou o lugar de Wōdanaz no centro do salão. A minha atenção estava toda concentrada em Hécate a quem propunha, em linguagem gestual, um negócio favorável à deusa em troca das suas habilidades como massagista. Ela revirara os olhos várias vezes, mas eu estava seguro que ia ceder. Não ouvia as palavras caras de Vishnu quando ele sugeriu que se retirassem os poderes sobre os elementos a certos deuses, a respeito das alterações climatéricas que colocavam o planeta em risco. Wōdanaz interveio. “Esclarece-me Oh magnífico Vishnu! responsabilizas os deuses dos elementos pelo aquecimento global dos últimos cem anos?”. A partir daqui comecei a prestar atenção. “Oh Grande, Supremo Wōdanaz, só responsabilizo um, que me parece pouco consciencioso do poder que detém, já que só ele reina sobre as nuvens e todos os ventos.” Toda a assembleia se voltara nas poltronas e me miravam expectantes que eu tomasse da palavra e a usasse como uma lança para ferir Vishnu, o deus dos mil nomes.  Levantei-me e dirigi-me a Vishnu, no centro, com a coragem a transudar. “Oh sublime Vishnu, permite-me saudar-te e alegrar-me com o teu reconhecimento, eu que sou um deus menor, um súbdito do grande senhor dos mil nomes, usares as tuas mestras palavras para me enalteceres perante todo o panteão. Estou-te tão agradecido, oh sublime!” Levei os joelhos ao chão numa vénia, não por devoção, mas porque a coragem já se tinha escoado e as pernas falhavam. A assembleia ria do espectáculo, com excepção de Vishnu que sofria de falta de humor. O deus estava a ficar azul quando Wōdanaz pediu silêncio e aborrecido deu a sessão por terminada.  

Hécate apareceu no meu quarto mais tarde, quando a lua já estava a descer. Havia uma tensão estranha, tinha muita vontade de a beijar, o cheiro dela deixava-me tonto, mas permaneci a cinco metros de distância enquanto as negociações decorriam. Aceitou em livrar-me das contracturas. Em troca terei de lhe regar as plantas e passear o cão. Durante um mês.



Comentários

  1. Cruz, credo!!! Ainda bem que eu, enquanto filha de um Deus Menor, não fui convidada para essa orgia... ou forró ou lá o que é isso.
    Já disseste à Hécate para comprar cactos?

    Belo texto, Manel... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ias gostar, nem que fosse só pelos jardins :)
      Se Hécate tivesse cactos, eu teria ainda mais contracturas nas costas... é verdade que está carregada de defeitos, mas tem umas mãos de ouro :)
      Obrigado, Janita!

      Eliminar
  2. Respostas
    1. nã viste as minhas costas... acredita, eu tenho jeito para o negócio:)

      Eliminar
    2. Olhe que não, olhe que não!
      És o unico cigano do mundo que não sabe negociar. Saía-te mais barato recorrer a um fisioterapeuta!

      Mas melhor para nós que ficamos com o texto. Obrigada.
      ps Vi o '1917 ' e é muito bom. Vai ganhar o Óscar.

      Eliminar
    3. este fim de semana vou ver o Jojo, depois no outro talvez veja esse...

      Eliminar
  3. Lindíssimo, consegui ver a assembleia, com a ajuda das minhas memórias de Roma, bastante plausível:) . Também fazia esse negócio, ainda que passear o cão não me seja familiar.
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até um crocodilo passeava, só para me ver livre desta dor nas costas...
      Senti-me muito em casa em Roma, noutra encarnação devo ter sido muito feliz por lá :)

      Eliminar
  4. Por mil deuses ou mil macacos! Erga-se o Olimpo de novo! (tão bom, Polvo das Trovoadas!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Olimpo e o Osujo, tudo no mesmo episódio!
      Obrigado Flor

      Eliminar
  5. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário