domingo, 21 de fevereiro de 2016

Macbaca

... ou três bruxas na zundapp, em duas cenas e um único acto!


ACTO I 
Cena I 

Lugar deserto, ali na Trafaria. Trovões e relâmpagos. Entram três bruxas (vindas do salão de chã, depilaram tudo menos o buço). 

PRIMEIRA BRUXA — Quando estaremos à mão com leite, bife e carteira? 

SEGUNDA BRUXA — Depois de calma a baralha e vencida esta batalha. 

TERCEIRA BRUXA — Hoje mesmo, então, sem falha (desrespeitar a ética universalmente aceite de não atacar aos fins de semana)

PRIMEIRA BRUXA — Onde? 

SEGUNDA BRUXA — Da charneca ao pé (no Alentejo abissal). 

TERCEIRA BRUXA — Para encontrarmos Macbaca, acho que a vi numa rede social...

PRIMEIRA BRUXA — Cellerini, não faltarei. 

SEGUNDA BRUXA — Holstein-Frísia, sua patega. 

TERCEIRA BRUXA — Depressa, ou perdemos os saldos! 

TODAS — São iguais o belo e o labrego; andemos da névoa, quem é que vai no meio? (Saem montadas na zundapp, descabeladas, um assombro). 



 Cena II 

Um corsário algures nos trópicos. Alarma dentro. Entram Capitã Cuca, Andhriminir, Reboredo, Polly e pessoas do séquito. Encontram um polvo ferido. Andhriminir afia a faca.

CAPITÃ — Quem é esse indivíduo ensanguentado? Pelo que mostra, pode dizer algo sobre o estado recente da revolta. 

REBOREDO — É o polvo que, como bom e intrépido soldado, se infiltrou no campo inimigo. Salve, valente amigo! À Capitã relata quanto sabes da luta até ao momento em que saíste dela.

POLVO — Duvidoso era o desfecho, como dois cansados nadadores que um no outro se embaraçam, a arte prejudicando mutuamente. As impiedosas bruxas, dignas em tudo de serem mesmo umas rebeldes — que as inúmeras vilanias do mundo em torno delas como enxames esvoaçam — suprimentos das ilhas do oeste receberam, entre elas a nossa sagrada Macbaca. Mas tudo isso foi tornado público, porque as redes sociais são assim mesmo. E assim desdenhando a fortuna, de aço em punho, a fumegar da execução sangrenta, tal como o favorito da bravura, aqui este vosso soldado soube um caminho abrir até postar-se bem na frente da zundapp, e como as bruxas que eram três não sabiam onde era o freio, descoseram-me de alto a baixo. Com a estrada cheia de pernas, nem as bruxas se aguentaram na motoreta, duas partiram a cabeça, a mais feia deslocou a anca. 

CAPITÃ — Oh bravo primo! Que digno gentil-polvo! 

POLVO — Como nascem tempestades terríveis e arrebentam pavorosos trovões do mesmo lado em que o sol principia a levantar-se: da mesma fonte, assim, de onde o socorro parecia manar, surgiu o alarma. Presta atenção agora, Capitã dos sete mares: mal havia a justiça, redobrada pelo valor, quando as bruxas se endireitaram por magia, tendo percebido a vantagem, com cera quente e pinças afiadas recomeçaram o assalto. 

CAPITÃ — E porventura que sucedeu à Macbaca? 

POLVO — A Macbaca está irreconhecível, magra, parece um dálmata. Para dizer o que houve, terei de relatar que a mandaram pastar bites no farmville. Assim elas mantinham a fachada de salão de chá, banhavam-se em rios de dinheiro, do que cobraram no face, a quem pagava para conseguir subir de nível, não sei dizê-lo. Mas temo desmaiar; minhas feridas reclamam por socorro. 

CAPIT× Teu relato te orna tão bem como esses ferimentos; lídimo sabor de honra eles revelam. Ide buscar um cirurgião para ele. (Sai o polvo, acompanhado.) (Entra Gualtiero, o representante dos amantes abandonados) Quem vem aí? 

 REBOREDO — O muito digno Gualtiero. Nos olhos dele, quanta pressa! O olhar assim teria quem nos viesse dar notícias de factos muito estranhos. (Reboredo procura os óculos, afinal estava a ver mal, parecem boas notícias, mas do representante dos amantes abandonados nunca se sabe!)

GUALTIERO — Que Neptuno proteja a Capitã Cuca. 

CAPIT× Mui digno pirato, de onde chegas? 

 GUALTIERO — Grande Capitã, venho da Trafaria, onde capturamos com dignidade a Macbaca. As três bruxas foram derrotadas, essas pérfidas, que deram início a um conflito pavoroso. Mas a vaca é nossa, foi um defrontar-se em combate singular, espada contra espada, braço contra braço rebelde, e fez que seus espíritos altivos se curvassem. Em conclusão: a vitória pendeu do nosso lado. 

 CAPITÃ — Grande felicidade! (bate palminhas!)

 GUALTIERO — De tal medo que Smilenka, a primeira bruxa, paz nos implora. Mas não a deixamos reabrir lá o salão de chá, sem que antes dez mil euros houvesse pago para nossa caixa. 

CAPITÃ — Jamais de novo há de trair o nosso afecto. Sem delongas manda Andhriminir cortar Macbaca às postas, hoje temos bife. 

GUALTIERO — A mim tomo esse encargo. 

ANDHRIMINIR— Aaaarrrrrr! (Saem).

as três bruxas na zundapp
plagiado de MACBETH de WILLIAM SHAKESPEARE

23 comentários:

  1. Palminhas! Palminhas! Palminhas!
    Cumpriu-se a tradição! Nós ganhámos e a vaca foi morta.
    (Uma arca de diamantes, é o teu insuficiente prémio)

    :))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mui agradecido pelo prémio Capitã, já tinha amantes, diamantes ainda nã!

      Eliminar
  2. King Saul Boulevard será devidamente informado, por despacho de Reboredo, ortopedista diplomado, das obras valorosas aqui narradas e que -- diga-se -- estão ao nível das melhores praticas lá ensinadas. Aguardai RSVP para visita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quantas honras... nã serei digno... mas se nã for inconveniente, Reboredo podia dar uma vista de olhos aos meus 8 joanetes... desde já mui grato!

      Eliminar
    2. (não acredites Trovisco, o Reboredo é um endireita...)

      Eliminar
    3. jura? e tanta estima lhe depositava... um endireita! ele que fique sabendo que serei sempre de esquerda, por muito que tentem, com ou sem joanetes, esquerda até morrer...

      Eliminar
  3. um brinde aos delírios do polvo-poeta!

    [não fosse esse tentáculo para as letras e uma imaginação tão gelatinosa, e marcava já um ajuste de contas, com naifa de ponta e mola, à porta do salão de chá. havia de voltar para o convés da sua Pirata, feito em saladinha de entrada...]

    a bruxa da zundapp agradece. um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. muito lhe agradeço Bruxa, por me poupar a níveis de salada... :)

      Eliminar
  4. A minha alma está parva!

    ( nem consigo fechar a boca, tal é o espanto )

    ResponderEliminar
  5. Piiiiii-rata, Polv-eco, eco, eco, ninguém ganha o que nunca teve. Assim que eu recuperar da displ-azia da anca, processar-vos-ei por infâmia. Como ousaram denegrir a nossa reputada imagem dizendo que não fazemos o buço?!?!! Isto é grave, muito grave. Entretanto, a Mumu (a genuína) manda beijinhos. Lamento dizer-vos, mas parece que cortaram mesmo o dálmata de alguém às postas. Otários!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre a mesma desculpa, arranjam uma vaca nova e dizem que foi engano... já perdi a conta a quantas Mumus inventaram! cuidado com a reputação, bruxas sem buço... onde já se viu!!!

      Eliminar
  6. Nos bastidores [Manel, obrigada por este excelente texto. Simplesmente, maravilhoso. Cuca, Flor e Teresa, obrigada pela vossa companhia espirituosa e divertida. Gosto dos nossos recreios:) beijinhos]

    Esqueçamos, agora, este breve momento de fraqueza e voltemos à normalidade, isto é, às quezílias...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A vaca já nos deu esta peça de teatro maravilhosa. É a magia da blogosfera.

      Eliminar
    2. eu é que agradeço, sem personagens tão inspiradoras, e um bom texto pro plagio, nunca teria conseguido :D

      Eliminar
  7. Bom polvo à casa torna, com os anéis e os dedos, diamantes, segredos, amantes, joanetes, Macbeths, Reboredos. Três Bruxas sem eastwick, Grã Capitã, soldado ladrã, o pirata Gualtiero, Smilenska na despensa, Andhriminir afia a faca, a zundapp é que não escapa, Macbaca do Big Mac a baca, obistes, faz o buço ó pequena, sejas loira, ruiva ou morena, alma de polvo nã é serena, mas isto vai com calma, é tudo bem roubado, só preciso de um bife mal passado, e isso nã é pecado, já nadei um bom bocado, a minha vida é um perigo, sempre do lado do inimigo, a Cuca bate palmas, são um assombro as vizinhas, dividimos o dinheiro, e compramos novas palas e barretes com caveiras, nos mares não há fronteiras, para as nossas ladroeiras.

    Maravilhoso golpe de mágica. Muito bom, Dom Polvo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Terei ouvido bem? Passam as bruxas por piratas com novas palas e barretes, com caveiras ou sem elas, passam assim num toque de mágica... antes eram inimigo, agora são aliado! mas que perigo, que alarma, lançai-vos ao mar mesmo que haja tormenta, perder a vida que seja, em filetes ou assado, tudo será preferível a findar meus dias a depilar pernas, virilhas, axilas e buços!!!

      Obrigado Dona Teresa, belíssimo comentário :)

      Eliminar
  8. meninos e meninas, atenção!

    Caros Senhores, Madames e Mademoiselles,

    cocheiros, aguadeiras e criadas de copa,

    pirataria, máfia russa, des/herdeiros de leste, multidão em geral,

    a história que aqui vos deixo​, delirium tremens à lagareiro,

    foi ouvida numa tasca borrasca, sem grande ostentação,

    não fosse o Polvo-poeta um monstrengo de estimação

    e a dita palavrosa acompanhada de muita zurrapa espiritual.



    falou de três belas bruxas,

    santa tríade da zundapp,

    e de uma vaca leiteira,

    que salvaram de ir para abate,



    depois, entre rodadas de bota(s) a baixo,

    findadas em copos vazios,

    misturou rum com gin,

    e toda a noite passou a espasmaçar,

    (rezando para não gregoriar).

    juntou-se-lhe um inglês mal-cheiroso

    que declamava poesia enrolada em cigarros de maconha

    e arrotava a frutos do mar.



    Sir William, de seu nome,

    deve ter iludido o Polvo poeta, que não era pateta, mas se deixou cair na peta,

    da pirata mulher,

    e eis a razão pela qual,

    cigano maltes,

    assombrado de mau-tempo,

    decidiu inventar,

    uma história de pasmar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. estou a aplaudir em pé! muito bom! :)
      (arrotar frutos do mar... brilhante!)

      Eliminar
  9. É MELHOR IR VER
    O QUE A FLOR ANDA A FAZER
    RETIROU OS COMENTÁRIOS
    PARA FORA DOS ARMÁRIOS
    :)))

    ResponderEliminar
  10. Venham bruxas,piratas e corsários se fazem do polvo escritor de valor!

    ResponderEliminar