imaginários

 A improbabilidade e a chuva arrastaram-nos para debaixo do mesmo toldo naquele fim de tarde inóspito. Ele já tinha sonhado com ela, ela nunca o tinha visto e continuava sem ver, apesar da curta distância que os separava. Ele não tinha guarda-chuva, ela tentava sem sucesso recuperar a estrutura do seu. O homem teria pelo menos duas centenas de diálogos no seu arquivo de imaginários, quase todos desenvolvidos durante o banho ou na espera do transporte público, contemplando as mais diversas situações e inusitados lugares com que daria início à conversa se alguma vezes a encontrasse. Até tinha imaginado uma conversa algures no sul de Espanha, em que ela o confundia com um habitante local e ele muito prestável, oferecia-se como guia, inventando factos históricos e curiosidades aleatórias à medida que iam explorando a cidade.  É claro que aquele encontro fortuito, potenciado por uma pequena tempestade de chuva e vento, não constava do seu manancial de imaginários e agora que pensava nisso, lastimava-se de não o ter previsto. Tinha de agir rapidamente, ninguém fica abrigado da chuva com um desconhecido por mais de cinco minutos. Concentrou um grama e meio de coragem no pé direito e avançou para a mulher com um “posso?”, tirando gentilmente das suas mãos os destroços do que minutos antes tinha sido um dispendioso e pequeno guarda-chuva. 


daqui


Comentários

  1. Um chapéu de chuva em destroços é a analogia perfeita para o início de um amor.

    ResponderEliminar
  2. De improviso terá resultado muito melhor :-)

    Beijinhos, afilhado mailindo

    ResponderEliminar
  3. «Quero morar numa cidade onde se sonha com chuva. Num mundo onde chover é a maior felicidade. E onde todos chovemos.»

    Mia Couto

    Essa chuva foi planeada, Mau-Tempo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. foi apenas imaginada, nunca choveu assim :)
      gosto muito do Mia

      Eliminar
  4. Ora, Manel...não imagines, concretiza.
    Para quê pequenos e dispendiosos guarda-chuvas?
    Repara como uma sombrinha, comprada numa loja do euro, proporcionou ao fotógrafo Rui Palha, sem precisar de ir ao Sul de Espanha, um intantâneo maravilhoso.

    Beijinho aplicado na tua bochecha, que imagino barbada, mascarada... 😷
    mas macia. 😘

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã há margem de manobra para concretizações desta magnitude :)
      beijos...

      Eliminar
  5. Quando a fantasia é muita acaba por estragar real.
    Mas nada como mãos habilidosas para colmatar o silencio das palavras.... :)))
    Com ou sem guarda-chuvas!

    ResponderEliminar
  6. Em situações de crise , sempre se esquecem as artes estudadas.
    Abraço, saúde e bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nada nos preparou para isto :)
      bom domingo, abraço e muita saúde

      Eliminar
  7. E aposto que é linda de morrer, como a Charlize Theron!

    O resultado?

    Lá vem ele, sem se importar com a chuva, cantando o "Singing in the rain" e sorrindo!

    Mas, "Mau-Tempo", porquê só no imaginário? Não me diga que via uma senhora a precisar de

    ajuda e não se oferecia para ajudar?

    Ás vezes há situações bem caricatas. E depois... nunca se sabe.

    "Abreijo" Gene Kelly!

    Sandra Martins

    ResponderEliminar
  8. Esqueci-me de dizer que esse encontro podia ter sido na 6ª, aqui para as minhas bandas.

    Parecia um dilúvio!

    Sandra Martins

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. lá vem ele tentando responder a todas as dúvidas... já parou de chover?
      nã, nã é tão linda como a Theron, porque mesmo no meu imaginário já é difícil que uma mulher que nã é assim tão linda fale comigo, quanto mais uma deslumbrante...
      next: ajudar senhoras aflitas depende muito das senhoras, da idade da senhora e do tipo de situação... essa coisa do cavaleiro andante está fora de moda, as donzelas nos dias de hoje se precisam de ajuda ligam a alguém...
      next: nada disto aconteceu, nem a chuva :) foi só um exemplo do que vai na minha cabeça

      Eliminar
    2. Sorrisos para essa das "donzelas". Eu até podia contar duas ou três histórias em que esta "donzela" precisou de ajuda. Poder, podia mas não o farei.

      O cenário não é idílico e, mais uma vez, pareceria estar a apropriar-me do seu espaço.

      Boa semaninha Manel! (Por aqui, de sol. Que bem que sabe e que falta fazia! Eu já tinha bolor até na ponta do nariz).

      Sandra Martins

      Eliminar
  9. Mas, e o resto da chuva, demorou
    passar ou, deitados na King Sise, não
    se deram por isso?
    Um abraço; estou te seguindo. Siga-
    me se achar que mereço.

    ResponderEliminar
  10. Hellllloooo...
    Agora que a Primavera está chegando lembraste-te de hibernar, Manel?
    Não me digas que deixaste de sonhar? Não acredito!
    Anda que isto sem ti não é a mesma coisa.
    Bora lá... :-)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário