estagnado

Sr. Polvo virou à esquerda e na rua seguinte de novo à esquerda e quando deu por ele, estava a caminhar em círculos por ruas onde nunca tinha estado. Quer dizer, primeiro nunca tinha estado, mas depois de virar várias vezes no mesmo sentido, acabou por passar por onde já havia passado. Tinha chegado ao fundo. Não ao fundo do oceano, mas ao fundo de si mesmo, que era ainda mais sombrio e tenebroso que o fundo de qualquer oceano conhecido. Já lá havia estado em certa altura, mas nunca lhe parecera tão lúgubre e abissal aquele local. Como é que tinha chegado aquele ponto em que parecia nadar numa pequena poça de água estagnada? Seria resultado da rara conjugação celeste dos dois maiores planetas do sistema solar? Ou os efeitos a longo prazo de um isolamento sem precedentes? Ocupava-lhe a mente várias preocupações, não era imune às tragédias, sofria tremendamente com actos de crueldade, mas parecia esquecer tudo quando ela surgia no pequeno ecrã e ultimamente não fazia outra coisa que não fosse procurá-la desesperadamente, vendo e revendo cada episódio como se a sua existência dependesse disso. Desenvolvera uma estranha obsessão por uma famosa Mobula birostris, jamanta para os amigos, com sete metros de envergadura e muitos mais de encanto. Ela nem sabia que ele existia, molúsculo insignificante de oito tentáculos, três corações descompassados, estagnado numa poça de marasmo. Os olhos encheram-se de lágrimas, mas ninguém se apercebeu porque debaixo de água era impossível observar esse fenómeno de profunda tristeza e desperdício.






Comentários

  1. Que dizer, Sr.Polvo, que dizer?...
    Dá cá um abraço, com esses braços todos, e esperemos ambos melhores dias...

    Beijos .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã há nada realmente... venham daí esses ossos :)
      beijos

      Eliminar
  2. Meu querido polvo raquítico e pneumónico, o amor mata te. Recomendo te um pequeno livrinho de seu nome Palavras Cínicas. Cospe na paixão, erguendo o cálice da vida 😈

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. cuspir na paixão... nunca me ocorreu mas consigo ver potencialidade :) à nossa!

      Eliminar
  3. O amor tem destas coisas. Nem sempre o objeto da nossa paixão está no mesmo cumprimento de onda, mesmo quando se tem três corações...
    Abraço saúde e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é uma tolice sem precedentes...
      abraço, muita saúde e continuação de boa semana

      Eliminar
  4. Como diria minha mãe: Há pessoas que têm os olhos inclinados à ramela, e por mais que façam não saem dela ahahahahah
    Limpa os óis, abre-os sorridentes para outras latitudes, muda de poça, pá!
    Beijinhos tantos, afilhado mailindo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. adoro a palavra ramela e nunca na minha vida a vi tão bem aplicada :)
      beijos madrinha, agradecido pela partilha

      Eliminar
  5. Apaixonaste-te pela Ministra da Saúde?
    Dizem que isso dos amores platónicos tem as suas qualidades... é aproveitar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Marta é gira e dizem que é uma querida, mas nã é ela :)
      Consigo ver várias qualidades realmente, como aquela de nã correr risco porque nã vai simplesmente acontecer :)
      olha, outra coisa, nã consigo ir ao teu blog...

      Eliminar
    2. mas porquê?
      Bom Ano de 2021! beijos

      Eliminar
  6. Estar apaixonado é um bem, mesmo que o faça sofrer um bocadinho, mas só qb. Já viu quanto encantamento há nesse olhar sobre um outro? Só os generosos se apaixonam.
    ~CC~

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário