kajillion

O homem acorda sozinho. O lençol enrolou-se durante a noite e parece uma liana despedaçada no fundo da cama. Levanta-se para fazer café e volta ao calor que o edredon manteve. Tem de apontar o último sonho, aquela realidade alternativa que parecia mesmo estar a acontecer. Outra vida, noutro mundo, uma abertura entre as dimensões e o homem espreita. Lembra-se do cansaço, do apartamento pequeno. A tv ligada é apenas um ruído de fundo sem sentido. Ela vai sair mais tarde do trabalho, disse ao telefone. Está farta daquele trabalho, daquela gente. Sinto pelos silêncios entre as palavras que está prestes a chorar. Não sei onde estamos depois, talvez à porta, junto a uma cabine telefónica. A criança que não é minha tem uns seis anos. É a cara da mãe. Tem frio e sono e é leve como uma pluma. Quando abre os braços é impossível negar-lhe colo e acaba por adormecer. Também tem fome. É disso que estamos à espera, mas não há comida. O apartamento de uma assoalhada, frio, cinzento, com o ruído de fundo da tv, parece um daqueles motéis baratos dos filmes onde alguém foi assassinado. Há também uma cama onde todos dormimos atravessados, até o pequeno gato preto. Estou cansado. Adormeço encolhido por cima da roupa e quando acordo, ela já voltou e está a dormir com o cobertor puxado até ao nariz. Todos dormem à minha volta, até o gato. 




Comentários

  1. Oh, Manel...este teu sonho é tão deprimente que até deprime e a depressão.

    Se mal estava pior fiquei...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. oh! sinto muito, mas nã era essa a intenção... fiquei deveras animado com este sonho, uma primeira incursão ao multiverso :)

      Eliminar
  2. Estão juntos...e isso importa.
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. exacto! acho que o meu subconsciente faz palestras :) e nesta acho que me quis dizer que o mais importante é o amor.

      Eliminar
  3. Mais uma vez não sei se estou a interpretar correctamente as suas palavras.

    Se estou, parece-me que o sonho é até muito fácil de interpretar.

    E, correndo o risco de parecer ingénua, não achei nada triste nem deprimente. Até gostei da presença do gato.

    O que me entristece é perceber que, ao que parece, ninguém de carne de osso e próximo consiga perceber o que este sonho transmite e introduza o tal calor humano que está a faltar, não é "Mau-Tempo"?

    As imagens estão fantásticas!

    "Abreijo" e resto de boa semana!

    Sandra Martins

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. acho interessante o modo como cada pessoa lê e que sentimentos isso provoca, e também perceber como podem ser tão distintos e contraditórios:) há tristeza no sonho, algum desespero, amor, até um gato... parecia real e muito pacífico, principalmente quando todos dormíamos :)
      nã há motivos para preocupação :) boa semana ou fim-de-semana, beijos

      Eliminar
  4. Nem sempre é fácil compreender o que se esconde por trás do filtro transfigurador dos sonhos mais intrincados. Até os mais simples evocam um sem número de sentidos. Às vezes sonho que perco os sapatos e sou então acometida por um sentimento de indómita aflição, não só por os ter perdido, mas também por, na minha incessante busca, não os conseguir encontrar em parte alguma. E não há nada que possa mitigar o meu desespero. Ontem, mudei de acessório. No lugar dos sapatos, sonhei que tinha perdido a máscara… :)

    Ah, e também durmo com o édredon puxado até ao nariz e, às vezes, com um ou dois gatos em cima de mim.

    Um beijinho, Manel. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. já reparei que nã há máscaras nos meus sonhos... o que é bastante agradável. O que me acontece muito é perder as calças e às vezes a roupa toda, mas só por acaso é que dou conta que estou na rua ou em algum evento público e fico aflito. Qual será a probabilidade de isso acontecer? :) porque será que perder acessórios ou peças de roupa é assim tão importante?
      beijos Miss Smile

      Eliminar
  5. Ainda bem que não sonho, ou se sonho não lembro. Para ter sonhos assim, mais vale sonhar acordada, sempre os pinto nas minhas cores. :-)

    Beijinho, afilhado mailindo
    Vê lá se aprendes a dormir, duma vez por todas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) se calhar nã descrevi como devia... apesar das partes menos boas, o sentimento era de paz, de entrega, amor incondicional... em contraste com a frieza do ambiente, havia o calor humano... e isto pode ter muitas outras interpretações... mas acho que fez-me mais agradecido pelo que tenho :)
      beijos madrinha

      Eliminar
  6. Nos tempos em que eu me lembrava do que sonhava, sempre havia um sentimento, uma ação, uma preocupação que tinha a ver com a realidade que eu vivia. Se acontecer o mesmo consigo, então quer dizer, que apesar de todas as suas preocupações , sejam elas quais forem, de todas as insatisfações que a vida lhe trouxe, de tudo o que gostava de ter ou ser, não se pode nem deve considerar-se infeliz, pois tem aquilo que só alguns privilegiados conseguem, e que é a coisa mais importante da vida . Um grande amor .
    Abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E amor é tudo o que precisamos :) que ninguém duvide disso
      bom fim de semana, ou melhor, bom domingo e abraços

      Eliminar

Publicar um comentário