deriva

às vezes tenho estes vazios de esperança originados por colapsos existenciais e desilusões colossais. 
é comigo que estou desiludido, embora o silêncio afecte toda a humanidade.
com excepção da senhora da caixa que hoje estava mais simpática do que nunca. e a minha mãe.


 eu faço vozes divertidas, mas só a minha mãe as ouve.


Comentários

  1. Manel,
    desiludido?! Atão, nã me digas que o míldio atacou a horta e nem um tomate ou pepino para amostra[risos]. Prontos brincadeiras à parte, não desperdices o teu precioso tempo, a vida não espera.
    A foto é um must!
    Bora lá descabelar o resto da tarde com sorrisos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. os tomates até estão jeitosos, mas os pepinos nem vê-los! é esse o mal, o desperdício… e parece um disco riscado:)

      Eliminar
  2. E quem não tem? Quem nunca vai ao tapete?

    Eu ando sem conseguir levantar-me do tapete, parece que apanhei uma tareia.

    A fotografia está colossal, cheia de luz! Um guaxinim? Não são estes meninos que reviram caixotes de lixo e fazem estragos? Aqui parece um santinho!

    Alento, Manel! O Verão está mesmo nas "cascas", como se diz por aqui.

    Um abraço do Algarve,

    Sandra Martins

    ResponderEliminar
  3. Toda a gente tem dias mais ou menos bons, e este tempo estranho que vivemos mais contribui para isso.
    A foto é espetacular.
    Abraço, saúde. e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, sim, eu sei… nã me queria queixar, mas parece que ando com os sentimentos envoltos em pelicula aderente
      boa semana, saúde

      Eliminar
  4. Nada disso, Manel...o que tu tens é os genes desse bicharoco que está aí esparramado, sobre a cerca iluminada com luzes natalícias e dá pelos nome de : PREGUIÇA. :-)

    Beijocas, moço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã é disso, a preguiça já faz parte... isto é outra coisa, como desligar emoções… beijocas

      Eliminar
  5. Voltei "Mau-Tempo". Tornei a ler o post e a olhar para a fotografia.

    E, não sei porquê, "as vozes divertidas" lembraram-me as que, volta e meia, também tenho há 36 anos.

    Quando parece que não vem ajuda de mais lado nenhum, essas conversas ajudam e aliviam.

    Mas, há sempre quem mais perto oiça e goste das vozes divertidas. Espero ter compreendido o

    sentido das suas palavras e ter conseguido transmitir as minhas.

    Boa semaninha!

    Um abraço do Algarve,

    Sandra Martins

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. acho que é mesmo isso :) embora seja mais importante o que cada um decide entender do que entenderem exactamente aquilo que quis dizer :) porque na verdade, a maior parte das vezes, nem eu sei...
      ultimamente sinto que falhei e que nã faço outra coisa que nã seja falhar, principalmente com os outros... e neste momento nã sei como resolver, mas a Sandra disse e muito bem, as conversas ajudam :)

      Eliminar
  6. Interessante é podermos saber (cada um de si e das suas vozes, que das suas bastam-me os trovões) quem cabe no lugar “mãe” em cada momento da vida.
    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ainda bem que os trovões te bastam :) é uma pena que nem toda a gente pense assim

      Eliminar
  7. Eu curtia bué, (sim, bué!) ouvir isso.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário