branco

Hoje chamaram-me branco privilegiado!
Se calhar sou mesmo um branco privilegiado que nunca tinha pensado nisso, pelo menos na parte de ser branco. Nunca me perturbou ser "branco" porque nunca fui maltratado por ser pálido, nem nunca me acusaram de um crime porque sou claro. Também nunca me diminuíram intelectualmente porque tenho menos melanina, nem nunca me chamaram branquinho, descolorado ou clara de ovo. Não tenho argumentos. Se calhar sou mesmo um branco privilegiado. 
O que me incomoda, é que a cor da pele não deve definir quem somos e se sou privilegiado pela cor que tenho por fora, é porque o mundo está errado. Assim, podes dizer que sou branco, mas não o deves associar a uma raça que não tenho.
Fala, branco privilegiado. É preciso que fales.
Diz-se que os gregos não descreviam as pessoas pela cor da pele porque não tinha nenhum significado útil. Para eles o que importava era de onde a pessoa vinha, ou onde vivia. As inscrições e a literatura no antigo Egipto raramente mencionam a cor da pele, embora os artistas prestassem atenção às diferenças, retratando os egípcios com pigmentos mais escuros do que os levantinos e líbios, mas consideravelmente mais claros do que os núbios. Os primórdios dos anúncios da Benetton. 
O termo "raça branca" terá surgido na Europa no final do século XVII. Sim, nessa altura usava-se perucas cómicas, espartilhos e aqueles vestidos que não passavam nas portas. Como é que alguém os levou a sério...
Estamos no século XXI. A moda mudou mas os preconceitos são mantidos pelos que tentam conservar a desigualdade social  numa "redoma" e dessa forma garantirem que as classes baixas continuam a produzir, com a expectativa de um dia alcançarem um nível de consumo equivalente ao das classes altas. O que nunca, ou quase nunca acontece. Pelo menos não com trabalho honesto e mal remunerado. Isto não é novo. A cor, o credo, o género são apenas pretextos, formas de justificar, de escolher os que estão no topo e os que estão na base. 
Não vejo solução enquanto existir propriedade privada. Não pode haver privilegiados, seja de que cor. O único caminho para a libertação e igualdade, é abdicarmos do individual para o colectivo, da cor para o amor.










Comentários

  1. Estamos em pleno século XXI e arrelia-me profundamente que ainda se tenham atitudes dos tempos primórdios.
    Excelente partilha musical.
    Dia bom, Manel

    ResponderEliminar
  2. A única vez que me senti diferente. "Branca". Foi um dia em que passeava no Mindelo, em Cabo Verde, sozinha. Não tinha viajado com ninguém próximo, e não se avistava na rua nenhum outro branco. Foi estranho - no sentido em que dei conta da situação. E não me senti hostilizada ou olhada de forma alguma. Senti a diferença. Não imagino como é quando essa diferença está associada a um estigma.
    Ainda temos tanto que andar....

    Ah... e os gregos...
    Falam de outra segmentação social tão ou mais importante que o racismo. Não?
    Distinguir pelo estrato / pela casta / pelo poder económico / pelo acesso à educação

    Enfim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é mais fácil distinguir pela cor da pele do que pelo estrato... mesmo que estejas a usar roupas caras e num automóvel topo de gama.
      boa semana

      Eliminar
  3. Tem toda a razão: o problema vai muito, muito para além da côr da pele.

    Nós, os animais racionais, não conseguimos deixar de pensar em termos de "ser superior" e "ser inferior", sendo que este problema é comum a todos os países.

    E quando parece que o Mundo está no bom caminho, que progredimos, vimos que afinal não.

    Boa escolha musical!

    Um abraço do Algarve,

    Sandra Martins

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã há evolução... e de facto todos evoluímos do mesmo ancestral que nasceu em África...
      abraço, boa semana

      Eliminar
  4. Então? Agora, metes-te em discussões de facebook? :)
    O tanto qur se podia dizer acerca da forma como gregos e romanos tratavam os estrangeiros... não são um bom exemplo!
    Espero que o repúdio que muitos exprimem, agora, pela discriminação e racismo não esmoreça daqui a uns dias na primeira oportunidade de comentário que encontrem acerca do RSI da comunidade cigana, na primeira oportunidade que tiverem de mandar um brasileiro para a sua terra, ou ao mudarem rapidamente de lugar visivelmente incomoddos com a presenç de pessoas de outra cor ou provenientes de bairros menos favorecidos nos transportes públicos...as manifestações públicas nas redes sociais são importantes mas não chegam, é no dia-a-dia que estas coisas se combatem, sem violência

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã me parece que seja uma discussão restrita ao facebook :) até porque já nã sei lá ir... é uma discussão universal, sem resolução à vista, tão antiga que até custa acreditar no pouco que se evolui
      boa semana

      Eliminar
  5. Como sou totalmente contra tudo o que seja discriminação, seja lá qual for, desde a cor da pele ao extrato social, passando pela arrogância dos que se julgam superiores só porque na hierarquia profissional se encontram no topo na pirâmide , não entendo essas tretas da cor da pele, muito menos essa associação a 'privilégios' .... Haja sentido de justiça e mais igualdade, respeitem-se as culturas e tradições dos povos, usemos de mais solidariedade para com quem necessita de um pouco de carinho e apoio, e o mundo será melhor para todos...
    Em suma: sejamos menos egoístas!!

    Bom, bom... foi deleitar-me com a música e a voz de Nina Simone. :)

    Beijos, Ciganito! :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A voz da Nina é como uma luz de esperança em dias melhores... mais humanos... mais irmãos
      beijos, boa semana Janita

      Eliminar
  6. Sim, sim.

    E estou a recordar uma revolta enorme da filha da Nina Simone (precisamente) quando um cineasta, escolhendo uma actriz para a "recriar", optou por uma quase mestiça & de feições mais, digamos, regulares....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã sabia, há um mundo a passar-me ao lado :)
      boa semana

      Eliminar
  7. Caramba, cai na mesma fatalidade comentar e fui chamada de ignorante ... enfim.. nem direito a opinião podemos ter, acaba por ser irónico que alguém que diz que defende a causa contra o racismo ( que aliás também defendo, mas contra todos e não só contra uma raça ), não seja capaz de aceitar ideias diferentes... eu sou a favor da humanidade... só isso... não vou em correntes...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. no facebook? a mim chamaram-me na cara, mas foi pacífico :) tenho dificuldade em argumentar sobre este assunto... mas entendo que nã o sinta na pele, por isso nã o sinto da mesma forma...
      boa semana

      Eliminar
  8. Continuo a não entender porque a cor destingue e diferencia pessoas. Só mesmo os humanos para conceberem uma ideia destas, porque nos restantes animais, vacas, cavalos, cães etc, há - os de diversas cores e todos são cães ou são cavalos. Há quem goste mais, dos pretos ou dos de pêlo comprido, mas também há quem prefira os castanhos de pêlo raso. Cão é cão, cavalo é cavalo. Porque não homem é homem??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. porque quanto maior o cérebro, maior é a estupidez...

      Eliminar
  9. Somos todos a mesma raça: a Humana. Temos é etnias diferentes.

    ResponderEliminar
  10. Pano para mangas essa questão da propriedade privada...todos os regimes que a tentaram anular não criaram sociedades melhores...mas a verdade é que nascemos já desiguais em tantas coisas, às vezes penso muito em como poderia ser diferente esta sociedade se houvesse pelo menos um tecto a partir do qual a riqueza não se pudesse acumular...isto porque a etnia gera discriminação mas a coisa que mais gera é mesmo a pobreza.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é isso que sinto... muito bem sintetizado pela CC :)

      Eliminar

Enviar um comentário