química


A mulher e o homem encontraram-se com uma desculpa esfarrapada. O ambiente era estranho, tenso, cheio de uma química que sublimava dos corpos, para depois condensar rente ao tecto. Ele sentia a falta das palavras, do ritmo do coração, do calor que ela exalava. Ela sentia falta do cheiro a tinta, das mãos largas, do chá que ele fazia. Mas apesar da falta e do vazio, nenhum dos dois tocava nessa aresta, contornando o ângulo pelo seguro. Ocasionalmente arranjam motivos para se encontrarem, ficam sem saber sobre o que falar, onde largar as mãos, olhares a dispersar pelo horizonte. A química subsiste, resiliente e resistente, brota dos poros, empesta o ar. Ele então ocupa as mãos e faz um chá, ela pergunta como foi o dia.

Comentários

  1. quando eu não entendo, eu fico e volto.

    ResponderEliminar
  2. Está mais para física, fora química e já no tecto passaria uma aurora boreal :-)

    Beijo, afilhado mailindo quinté

    ResponderEliminar
  3. ...tanto tempo desperdiçado! A química que, resiliente resiste, ainda se esgota e depois ficam ambos sós. Não percebo esses afectos que se deixam perder por inércia... Mas, gosto de ler estes teus desperdícios, Manel. :)

    ResponderEliminar
  4. Manel, para além de gostar de olhos com uma pitada de triste (toda a gente sabe que os olhos bonitos têm de ter uma pitada de triste), também me 'comove'(/apaixona) um certo fio de timidez.

    ResponderEliminar
  5. Vivi desses amores impossíveis de passar à química nem eu própria saberia dizer porquê, por isso compreendo muito bem. Contudo, não se aguenta muito tempo esse "clima do vai acontecer mas não acontece", com o tempo é um desgaste e acabamos por fugir.
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, fuga com volta, é o ponto da situação, até ser só fuga...

      Eliminar
  6. bom dia, MM-T, este, não será o espaço adequado, mas fiquei de relatar a experiência "Jojo Rabbit", peço desculpa de o fazer em local onde a "química" impera, e os olhares falam mais que as palavras e as mãos tecem rodeios que prendem, mas eu e Jojo Rabbit, também faiscámos. Vi-o duas vezes. Um dia a seguir ao outro, por isso , se calhar, cabe aqui um escritinho, - isto sou eu a querer evitar uma reprimenda por vir aqui desviar o assunto - mas depois, gosto de cumprir promessas. Nesta química não me vou imiscuir, tem demasiadas fórmulas, e a mistura, aparentemente calma - o chá também ajuda - vai crescendo em ebulição. Posso dizer: não deixes arrefecer?
    boa semana,
    Mia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. oh finalmente alguém que também gostou :) tem sido muito difícil falar do filme, parece que toda a gente o evita... enfim. quanto à química, está tudo um pouco congelado, quem sabe a Primavera nã arrebita as coisas :) obrigado, bom fim de semana

      Eliminar

Enviar um comentário