Kałamarnica


Era uma vez um Octopus vulgaris que vivia nos arrabaldes da bonita cidade de Cephalopoda. Todos os dias o Octopus vulgaris, ou como era conhecido por todos: o Sr. Polvo, entrava num transporte público a transbordar de sardinhas e outros animais mal cheirosos, para conseguir chegar ao centro de Cephalopoda onde trabalhava. O Sr. Polvo fazia de tudo um pouco e em simultâneo devido aos seus oito tentáculos, e por isso os seus serviços eram muito requisitados. Apesar disso o Sr. Polvo não era feliz. Ele sonhava em mudar de vida, deixar Cephalopoda e dedicar-se à criação de ovelhas-do-mar num local mais tranquilo. Também estava triste porque os seus três corações estavam descompassados e sentia-se muito sozinho. 
Curiosamente, e sem nunca se dar conta, todos os dias o Sr. Polvo partilhava o transporte com Histioteuthis reversa, mais conhecida por Menina Lulinha. Mas o Sr. Polvo já sofria das vistas e a Menina Lulinha gostava de jogar ameijoas crush no telemóvel, por isso nunca os seus estranhos olhos em linha se tinham cruzado. Foi num dia de muito trânsito, havia jogo da selecção de tentáculoball e ambos ficaram apeados na paragem sem transporte à vista. Conversaram sobre tudo um pouco, o tempo seco, as ameijoas que se encaixavam no jogo e explodiam, o novo filme da guerra das estrelas-do-mar, as greves dos caracoll centers, as derrotas do sportentáculo… uma infinidade de temas interessantes. O Sr. Polvo nem tinha notado que já passava das dez da noite e estava sem jantar, quando um ronco vindo do seu único estômago os interrompeu. A Menina Lulinha riu baixinho. 
No dia seguinte, de manhazinha muito cedo, lá ia o Sr. Polvo no transporte público, de óculos postos e olhos bem abertos. Sim, um polvo pode usar óculos, desde que os segure com um elástico. Entrou a Menina Lulinha, duas paragens à frente, sem olhar para as ameijoas, também ela atenta. Era o início de um belo romance, pensava o Sr. Polvo, ainda havia esperança. Mas com a Menina Lulinha entrara também um choco encorpado, prai um metro e noventa e seis todo ele riscas. Sepia zebrina, apresentou a Menina Lulinha, o meu noivo.

ver aqui a versão muito melhorada da madrinha mai linda!
ver também aqui nos comentários outros desfechos, todos mais optimistas...



Comentários

  1. seria o Sr. Polvo demasiado vulgar para a Menina Lulinha? ainda por cima, com oito braços para abraçar...

    [uma ternura , a história] :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sr. Polvo é a criatura mais vulgar que existe, nem com dez braços ele a impressionava...
      obrigado

      Eliminar
  2. Caracoll Centers é muito bom. Muito bom.
    Adoro essa personagem da Menina Lulinha, só acho mal que jogue no telemóvel em vez de o aproveitar para ler blogs.
    Desconfio que esse Sepia tem os dias contados. E o polvo sabe disso, a excitação deixou-lhe os três corações tão deaconpassados que já largou por aqui tinta...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ehehehehee, por momentos imaginei-me a deixar um rasto de tinta onde quer que fosse... ainda bem que gostaste do caracoll centers, foi dedicado à tua luta, obrigado, volte sempre.

      Eliminar
    2. Eu percebi, obrigada!
      Depois conta o resto. Estou curiosa com o desfecho disto. As lulas costumam ser um bocadinho escorregadias...

      Eliminar
    3. acho que é só isto, um daqueles casos em que achamos que vai dar choque e só dá choco...

      Eliminar
  3. Synchiropus Splendidus, a bela peixa mandarim, cansada de peixes e moluscos que apenas lhe gabam a beleza e desejam o prazer carnal, sonha com um amor marinho maior, alguém que a ame pelo que pensa e sente e diz. Quem sabe, um dia destes, Synchiropus Splendidus não deixa a bicicleta em casa e apanha o metro apinhado.... (to be continued...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. por favor tu continua isto, essa Splendidus parece-me Splendida! porquê que só me aparecem lulas mal amanhadas? muito bom!

      Eliminar
  4. Numa manhã como tantas outras, Octopus vulgaris, mais conhecido por Senhor Polvo, agiganta-se na luta por sair de um transporte público a transbordar, seguindo em direção a Cephalopoda center, local onde os seus serviços são esperados, não sem deitar um último olhar de relance para Histioteuthis reversa, uma menina lula que lhe deixa os seus três corações a pulsar mais forte, sentada ao lado de um Sepia zebrina, um corpulento six pack choco todo ele às riscas.
    Octopus vulgaris abana a cabeça como quem abana sonhos de uma vida, faz por reagir e avançar, quando uma voz de sereia o surpreende em busca de direções.
    Olhos que se cruzam, tempo que parece parar, um imenso oceano que acabou de ficar vazio num encontro a dois.
    A French Angelfish, delicada como uma modelo acabada de entrar para uma sessão fotográfica, de parar o tráfego marítimo, qual atriz em noite de óscares, negra como a noite, com traços de ouro, delicados e bem definidos.
    - Desculpe, nasci noutras águas, estou meio perdida, necessito de ir para o centro – de voz melosa e um sorriso que ilumina, mantendo movimentos delicados e graciosos.
    - Se não se importar de me acompanhar… vou para lá agora mesmo…


    (não tenho tempo para mais, mas não quis deixar de apoiar um texto tão magnifico como esse… gostei muito)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a maior parte das vezes nã sei o que fica na ideia de quem lê, mas imagino que seja diferente de pessoa para pessoa, consoante o estado do tempo, o humor daquele momento, a experiência de cada um... neste caso raro tenho o prazer de ver diferentes desfechos e é sem dúvida uma agradável surpresa. Muito bom, obrigado.

      Eliminar
    2. Também gostei muito do texto do Sam :) como vês, polvão, é só uma questão de ajeitar os óculos e olhar para os lados. :)

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Madrinha, nã consigo decidir que parte mais gosto, se é do chuchar nos tentáculos ou do rodeados de pequenas ovelhas-do-mar, com tentáculos do pai e rabo da mãe! Fabuloso! Adorei.
      Beijos com beijos.

      Eliminar
  6. Xiiiii...eu sei, sempre soube, que tu és o maior Mr. Polvo, o melhor Escriba da blogosfera.
    Ninguém escreve melhor do que tu...nem que se pintem!!!
    Espera por mim, Cigano dos belos tentáculos, mais logo voltarei aqui para te aplaudir...
    Beijos. :)

    ResponderEliminar
  7. Ora viva, Senhor Octopus , vai perdoar-me a entrada intempestiva de há bocado, em que, no calor do súbito entusiasmo, disse práqui umas coisitas algo vulgaris,, mas sinceras e sem má intenção.

    Bela história de amor não correspondido -, para não fugir à regra - pelos vistos. Mas enquanto há vida há esperança. Esse tal Sepia zebrina, pode ter quase dois metros de altura, mas a verdadeira estatura não se vê, sente-se...esperemos que a Menina Lulinha descubra o tesouro que tens guardado nesses teus corações.... :)

    Um abraço, com dois braços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ehehehehehe, cigano de belos tentáculos foi do melhor que já ouvi... se fosse só um tentáculo, isso sim, podia causar alguma tossiqueira!
      Continuo a ver, ocasionalmente, a menina Lulinha, mas nã me parece que alguma vez ela me tenha visto como pretendente. Às vezes entendo mal a simpatia e acho que é interesse.
      um atentaculo (que é um abraço de polvo)

      Eliminar
  8. Octopus Man, olha que não há como a Portuguese Sardine... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. essa é que é essa! nã há Histioteuthis reversa, French Angelfish ou Synchiropus Splendidus que superem a Sardinops sagax!

      Eliminar
  9. Lindo, lindo...tenho pena que bichos com muitos tentáculos não sejam o meu forte:)
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. isso nã é desculpa... está tudo contagiado com a bicharada marinha, toca lá a dar a tua versão!

      Eliminar
  10. não sei se o fundo negro me deixará enxergar o protagonista da história, uma vez qua a arte da camuflagem pode ter sido aqui utilizada com grande benefício para o próprio, digo eu, que tento deixar aqui umas palavrinhas sem sucesso, já há alguns dias. larguei tudo em tinta branca, espero que dê para ler.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dá sim para ler e muito bem! Obrigado. Não sei o que se passa com isto, já outras reclamações chegaram engarrafadas pelo oceano. tentei abrir todas as escotilhas, mas o problema mantêm-se. enviarei uma missiva aos governadores disto.

      Eliminar
  11. Respostas
    1. nã querendo chamar elefante à minha ou qualquer mãe, mas são olhos maternais, nã?

      Eliminar
    2. (são!)

      Manel, responde ao email que te mandei, sff :) é apenas uma dúvida, para avançar do teu pedaço de prosa marítima :b

      Eliminar
    3. respondido. sempre às ordens. disponha.

      Eliminar

Enviar um comentário