urze

A camioneta subia a encosta aos solavancos, rodeada de uma floresta antiga com longos cortinados de líquenes que pendiam dos troncos curvados. A natureza reclamara mais de metade do alcatrão e navegávamos sem bússola em ziguezague pela vegetação densa. A camioneta ia cheia, novos e velhos empilhados, mais velhos do que novos. Soltei uma das mãos para coçar na ilharga uma mordida branca de mosquito. Envergonhei-me, não por estar nu, mas por me coçar diante de todos. O condutor guinou o volante e desviou-se de dois velhos que pulavam na frente da camioneta. Usavam coroas de urze e mantos de pele de cabra. 

Comentários

  1. E depois Manel? Depois? Acordaste?
    Conta mais...conta!

    ResponderEliminar
  2. Definitivsmente, optaste por sonhar for ever & ever :)*

    ResponderEliminar
  3. um dia ganharás a tua coroa de urze e manto de pele de cabra e os mosquitos nunca mais ter morderão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. acho difícil nã ser mordido quando até nos sonhos isso acontece

      Eliminar
  4. Narcisos iam melhor com a estória, que mania de te sonhares nu...

    ps Essa coisa dos autocarros é interessante. Viste o Paterson?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu escrevi um post a sugerir o Paterson :)
      os autocarros são curiosos... por exemplo, o Magnus Mills era condutor de autocarro e tem uma escrita muito peculiar

      Eliminar
    2. ai, peço perdão pela desatenção. Como fui capaz de esquecer?

      Prefiro comboios, tenho páginas cheias de notas feitas em viagens de comboio ou inpiradas nelas...

      Viste o 'Lean on Pete'? Fiz um post sobre ele :)
      Vê, tem poucos autocarros mas é sobretudo um filme de viagem, de estrada.

      Eliminar
    3. Infelizmente é muito raro andar de comboio e nem as últimas viagens que fiz me inspiraram... há qualquer coisa que ficou pelo caminho :)

      Eliminar
    4. O post certamente ficou pelo caminho e o blog... mas podes ver o filme na mesma.

      Eliminar

Enviar um comentário