morno

dois dias a batalhar com palavras e nem preenchi uma página. riem de mim quando não estou a olhar, consigo sentir. o que me falta em tempo parece sobrar no espaço em branco que se vai depositando lentamente, como placas de esferovite a boiar no mar. insisto e esgravato a superfície dura, fazendo saltar a ordem, o alinhamento, aumento a distância e a ilusão de que sou capaz. não sei escrever. nunca soube. bebo o leite morno esquecido, antes que os olhos fechem.


Comentários

  1. A crise, invade tudo, até as palavras, ontem fáceis, hoje... , vês? não consegui acompanhamento para o "hoje" , talvez, quando chegar o sol, a crise se desvaneça.

    Beijinho afilhado mailindo, gostei de ver-te :)

    ResponderEliminar
  2. boa semana. se for morna, há que ver as circunstâncias. sou eu a dizer, que ando fora do mundo e gosto de opinar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. boa semana, pouco morna por aqui, espero que melhor por ai :)

      Eliminar
  3. Olá, Manel!
    Contrariamente à ideia generalizada de que as coisas boas da vida têm de ser escaldantes, eu sempre pensei que a vida, tal como o leite, deve ser consumida devagar, ser morna...e doce. Assim, como as tuas palavras...:)
    Feliz por te ver de volta.
    Beijos, Cigano.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. devagar é coisa que nã sei ultimamente... mas faz-me falta
      beijos, tenho saudades de aqui

      Eliminar
  4. Com a idade chega a hora de largarmos falsas modéstias que parecendo-nos úteis para realçar humidades vãs são desnecessárias pois não as devemos a quem quer que seja.
    Como assim? Nunca soubeste escrever? Deixa-te disso, cigano de Malta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o que para mim parecia, descobri com algum sofrimento que nã era...

      Eliminar

Enviar um comentário