Langerhan

Faltava-lhe o contacto humano e não sendo uma máquina, parecia que os sentimentos estavam adormecidos, como quando nos sentamos em cima de um membro e ao fim de algum tempo deixa de nos pertencer. Nada lhe pertencia e em resumo, ele não pertencia a nada. Não pertencia a uma seita, a um partido politico, a uma religião, nem sequer pertencia a uma associação ou comunidade. Pelo andar da carruagem, em breve nem à humanidade pertenceria, se é que alguma vez tivesse feito parte dela. Tanta pele e ninguém a quem tocar. Queratinócitos, ninhos de melanócitos e células de Langerhans gigantes e com prolongamentos membranares. Devia ter nascido máquina. Pensava, enquanto observava com minúcia as fendas dos nós dos dedos. As máquinas nunca estão tristes. 

 Charles Kazilek/Gene ValentineHandmade paper from Artichoke Thistle (Cynara cardunculus)

Comentários

  1. Andas a dizer umas coisas esquisitas. Econtraste algum livro de medicina abandonado no metro? Foi? Não devias ter ficado com ele...
    Devias doar esse livro à ciência e aparecer mais vezes.
    Bom dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mas nada mais ocorre dizer... é como se tivesse esgotado todos os assuntos.
      bom dia. sabes dizer-me onde encontrar assuntos?

      Eliminar
    2. conta-me a tua memória mais antiga. eu conto-te a tua no meu blog, depois. Quero saber qual é a memória mais antiga de cada pessoa que se cruza comigo, podes colaborar. Eu peço, por favor.

      Eliminar
    3. combinado :) mas sem certeza que seja realmente a mais antiga... nem precisão de quantos anos teria.

      Eliminar
    4. *conto-te a minha no meu blog.
      Obviamente.
      só agora vi que estava a combinar a coisa mal... comento a tua e conto a minha.

      Eliminar
  2. Quantas vezes não nos sentimos assim, obrigada por o descrever tão bem. Já tive esses buraquinhos de desligar na minha vida e por isso os reconheço. Mas há sempre um caminho para nos conectarmos. Vai daqui um abraço com pele.
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é como se o trilho tivesse sido marcado com migalhas e durante a madrugada os pardais o devorassem... obrigado pelo abraço, faz toda a diferença quando nã há pontos cardeais.

      Eliminar
  3. Sr Manel, anda a sonhar com a minha vida e a escreve-la!!! :))
    Eu deixo, até porque me esforço para me integrar. :)
    Um abraço, sr Manel!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Senhora Dona Flor, se calhar ando :)
      mas o que sinto é que me esforço pela distância que quero maior a todos.
      um abraço Senhora Dona Flor.

      Eliminar
    2. Sr Manel, eu já sabia que o sr Manel é um dramaturgo, furioso. Pensei ... que era só uns sonhos seus, não a sua realidade, de certa forma.
      Que se faça Luz nos seus circuitos cerebrais. :) " O passado É passado, ponto."
      Olhar o presente, e a vida com entusiasmo e ver o que ela oferece.
      Eu estou num renascimento em pleno meio seculo de vida. Não é nada fácil, mas, ninguém disse que a vida é fácil, só não a vamos complicar, porque a vida de um todo, é difícil sim.
      Um abraço sr Manel, deixei de saber o que é carência, a minha travessia no deserto é pra lá de quinhentos e dezoito dias ... mas é a vida. :)

      Eliminar
    3. gostei muito dessa parte: "que se faça Luz nos seus circuitos cerebrais." É isso que faz falta, iluminação :)

      Eliminar
    4. :)))
      Eu, continuo em curto circuito de vez enquando!! :)) mas a tendência é para serenar.
      Apetece me "dizer-lhe" só assim:
      Crie a realidade que quer para si através da escrita ... Mas "bote" fé na "coisa".
      Que se acendam as suas luzes todas cerebrais :) e já mais, as deixe apagar. É só uma questão de manutenção. :))

      Um beijinho :)

      Eliminar
  4. Olha, Manel; máquina não poderias nascer nem nunca poderás ser.
    És demasiado sensível e terno. Há tanta humanidade em ti, que mesmo quando queres disfarçar, sentimos que dentro do teu peito bate um coração sedento de dar e receber amor.
    Também digo: tanta pele (a perder o viço) e nada de mãos que a cariciem...:))
    Porca miséria de vida esta...

    Beijos, Manel.
    ( queres rir um bocadinho, para espairecer? Vai lá ao meu canto. )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. porca miséria :) mesmo... e por falar em porcos, lembras-me aquela história que um engenheiro lisboeta que se deparou com um compadre que segurando um porco acima da cabeça, andava de azinheira em azinheira, a levar o porco de bolota em bolota.
      O engenheiro foi ter com o compadre e disse:
      — Amigo, tive uma ideia que talvez lhe interesse: porque não sacode as bolotas da árvore? Depois punha o porco no chão e com isso poupava imenso tempo...
      O homem parou, tirou o porco de cima da cabeça, reflectiu durante uns momentos, voltou a por novamente o porco à cabeça e respondeu com um encolher de ombros:
      — Que é o tempo para um porco?...

      Eliminar
    2. Caraças...esta vai ser a terceira vez que respondo e o comment desaparece...queres ver que aqui não gostam de porcos nem de bolotas?

      Eliminar
    3. Ah bom...assim já posso dizer que ainda há quem diga que os alentejanos são preguiçosos. Este até carregava à cabeça com o dele para comer as 'boletas'...:)

      Eliminar
    4. como é que nã? todo o mundo gosta de porcos... coisa mai linda!
      desculpa as piadas com pouca piada, mas ultimamente o meu sentido de humor nã contribui para o bem estar geral. Bom fim de semana, beijocas

      Eliminar
    5. Não, Manel! Tu estás com tudo em cima... até o sentido de humor. :)
      Eu é que já estava sem grande vontade de me rir por causa dos comentários que me fugiam todos....nada a ver contigo, não!
      Na próxima sexta aparece novamente para te divertires com uma poesia na Língua de Cervantes...:))

      Beijocas e inté, Cigano! :)

      Eliminar
  5. Estás a precisar de contar estrelas

    ResponderEliminar
  6. a seres máquina, que sejas de escrever.
    gosto tanto de te ler, Mau-Tempo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. oh isso seria perfeito... engolir folhas brancas, andar com a cabeça de um lado para o outro, mastigar a fita nos dias de mau humor :) mas feliz por sentir uns deditos a empurrar as teclas...

      Eliminar
  7. Nada de tristezas Manel! Pois se até está mau-tempo e tudo. Ainda agora choveu. É chato, mas se ficares mais alegre com isso, não te acanhes e manda trovões e relâmpagos também. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ia referir isso, que nem estas temperaturas negativas e o céu coberto me dão animo, mas nã queria ferir susceptibilidades... em breve mando algum sol, prometo.

      Eliminar

Enviar um comentário