bailarinas

O risco que usava nos olhos era estranhamente longo e não combinava com a túnica e calças azuis de enfermeira. Cleópatra, decidi chamar-lhe na falta de nome, com todo o cuidado, fazia o meu sangue correr para o interior de um tubo. E enquanto o fazia, distraia-me com palavras amáveis e um sorriso convincente. Concentrei-me no tecto rachado, afastando-me o mais que podia da agulha. Cleópatra é bonita, talvez demasiado jovem, olhos cativantes que se estendem num traço negro. Os lábios não estão pintados, nem as unhas. Não há pulseiras, anéis ou brincos para que a atenção disperse. Os olhos são suficientes para me encantar. E a voz. Às vezes desmaio, digo-lhe, pondo-a a par das minhas fragilidades. Ela torna a sorrir e sinto que lhe podia contar todos os meus problemas. Aconselha-me a deitar e obedeço. Se tivesse uma cauda ela estaria agitada de um lado para o outro em sinal de contentamento. Sinto a agulha a atravessar a pele, a pulsação dispara e lá vou eu. Veias bailarinas, diz, mas eu quase não escuto. É natural que sinta mais dores, não somos todos iguais. Eu tenho fobia a palhaços, confessa, enquanto me endireito e procuro a porta para fugir. 

Cleópatra, John William Waterhouse




Comentários

  1. Tu tens medo de agulhas? Quem diria- Estou a brincar, és um de muitos. Também não gosto, mas não desmaio :-)
    Ainda bem que há olhos bonitos com traços demasiado longos-
    Ponto já passou, anda cá que a madrinha dá beijinho no dói dói :-))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã é medo, é mesmo pavor... até fico a transpirar... nem olho, nem a cor do sangue vi, ela podia nem ter tirado nado...

      Eliminar
  2. belo truque o teu, cigano :) sabes que as mulheres não resistem a um homem "sensível" :)))

    ResponderEliminar
  3. Veias bailarinas!! É mesmo esse o termo usado para as veias que se movem e que tanto trabalho dão, a quem faz a colheita de sangue, como dores provoca à/ao paciente. É preciso muita perícia...que a Cleópatra, se calhar, não tinha.
    És um Cigano digno de letra maiúscula...mesmo de cabeça à roda ainda reviraste os olhos para a menina da agulha em riste!! :)))
    ( palhaço ? Isso queria ela...ehehe)

    Beijos, Manel!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã foi das mais brutas e deitar fez toda a diferença. talvez fosse jovem, mas eu dava-lhe as minhas veias e artérias para treinar... se ela quisesse...
      beijos, Janita :)

      Eliminar
  4. Vou ter de roubar isso da cauda. Sempre pensei que gostaria de ter uma cauda. Faz-nos falta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. preferia ter uma de macaco, ou de chita, para me dar mais estabilidade...

      Eliminar
  5. Também desmaio, às vezes, e tenho veias bailarinas. Tenho um recorde de 12 picadas, mas nunca fugi! Fraquito...pfff

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 12??? morria nos braços dela se passasse das 5... só fugi depois, deixei lá o sangue, acho, que nem sequer o vi...

      Eliminar
    2. Então, como sabes que te corre algo nas veias?

      Eliminar
  6. Agulhas?? Medo nenhum, medo tenho é das pessoas que as têm na mão viradas para mim :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário