órbita

Cruzei-me com a mulher que canta no coro. No meio de tanta gente foi como se as nossas órbitas sofressem o efeito de atracção de um astro maior e sem controlo, colidimos. Caminhava contra o vento, o cabelo bastante mais curto, a pele beijada pelo sol. Ainda mais perfeita, cada vez mais distante.


Comentários

  1. tens uma atracção por distâncias e impossibilidades. como a dona fernanda.

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Sim, claro, mas de onde? Da igreja?

      Eliminar
    2. até pode ser, mas nã me parece religiosa...

      Eliminar
    3. Ah! Então será a pseudo menina do coro, tá bem tá!

      eheheheh
      Beijo

      Eliminar
  3. Como assim, distante? Pois se até colidiram. :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. as colisões quando muito intensas têm esse efeito :)

      Eliminar
  4. Se ela já está habituada a cânticos, tu, que até és parecido com o Sandokan, cantavas-lhe esta melodia do bravo TIGRE DA MALÁSIA.
    verias como ela não se distanciava...Deixas fugir uma mulher que sabe cantar?
    Faz-te audaz, Manel... Se elas não vêm a ti vai-te tu a elas...

    Beijos, bom FDS. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. estás coberta com um soberbo manto de razão... sou mesmo parecido com o Sandokan... e sim, uma mulher que canta merece que gaste toda a réstia de coragem que me sobra :)
      beijos, Janita

      Eliminar
  5. Os movimentos elípticos são tramados ;)

    ResponderEliminar
  6. Cabelo curto, bronzeada da praia...serei eu? Nâ, não frequento coros...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário