sábado, 4 de fevereiro de 2017

Dulcineia

Todos os dias tenho perdido o autocarro da manhã. Independentemente da hora a que saio de casa, o autocarro passa por mim a todo o gás e fico a vê-lo ir, sem hipóteses de correr para o tentar apanhar. Já nem sei porquê que fiquei surpreendido, foi assim durante toda a semana, hoje sucedeu o mesmo. A consequência desta perda é que tenho de esperar pelo próximo, e não sou muito de esperar. Depois também acontece que chego tarde e abro a loja depois da hora, mas também não há clientes à espera desejosos de entrar, e os que por vezes aparecem, é por engano. Fico então toda a manhã a olhar para o aquário de nuvens, vendo-as flutuarem umas contra as outras numa atmosfera de azoto, enquanto bebo cinco ou seis chávenas de chá. Quando alguma coalha e fica espalmada contra a superfície, vou lá com o coador do leite e pesco-a. Depois do almoço costumo descer à cave e ligo o gerador de baixas pressões. Gosto de manter o stock cheio para alguma eventualidade. Em seguida verifico a carga das trovoadas das últimas prateleiras, agito os tornados e tufões, meço os níveis plúvios, confirmo os boletins meteorológicos e noticiários, ou acerto as comissões com a indústria de guarda-chuvas. A tarde passa num correr. Mas hoje não fiz nada disto, deixei-me ficar todo o dia a olhar para as nuvens, a bebericar chávenas de chá que gradualmente iam perdendo o sabor. Sinto-me cansado. Mas toda a gente diz que é normal, foi do trabalho, que realmente a tempestade é de categoria. Há quem pense que carrego num botão e sai da máquina uma ventania já empacotada, pronta a enviar. Mas não é assim, e quando são ventos ciclónicos, é de suar as estopinhas. Mas fiz tudo com muito gosto, esperando que seja do seu agrado, que lhe levante o animo e lhe arranque todo o mal para longe. Porque já lhe sinto a falta do sorriso e ela ainda aqui está. Mas também porque não quero que outros façam o mesmo. Quero que se sintam avisados. Tentem-me, e mando cair o céu. 

Prairie Rain Storm, by Min Ma





Dulcineia foi o nome que criei originalmente para a tempestade em questão, mas alguns entendidos acharam que Doris ficava mais no ouvido... divindade aquática... coisas de marketing. 

23 comentários:

  1. Tens trabalhado muito Manel... A nossa costa que o diga.
    Porque não descansas um pouco e deixas a Prima Vera fazer um pouquinho de concorrência. Não queiras o negócio só para ti, vá...
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. este mês ainda é meu... posso fazer com ele o que bem entender :)

      Eliminar
  2. tens feito umas belíssimas enxurradas e a chuva cai na direção certa, meticulosamente direcionada por ti, Manel. mas eu preferia que dedicasses mais tempo à escrita. a vida não é só trabalhar, Mau-Tempo :b

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. olha quem fala... a abandonante de aranhas órfãs... já se diz por ai que quem abandona aranhas, é capaz de tudo! Abandona-me e vais ver se nã faço um dilúvio... depois bato com os pés no chão, e um chinfrim, e uma manif... isto anda a precisar de manifs...
      :) gosto de ti, caso nã saibas)

      Eliminar
    2. tu tens é um coração de sol, rapaz :)


      e fica o menino a saber que Milu não tem dono/a, é uma solitária que partilha tecto comigo. isso de abandonar, sequestrar (ó Cucaaaaa!) é coisa para gente com tiques de bandidos...

      Eliminar
    3. ehehehehehe, tenho esses tiques... dou por mim sempre que entro num banco, a procurar pelas câmaras de vigilância...

      Eliminar
  3. O mês de Fevereiro é o meu e apesar de pertencer ao Inverno não arrogo os meus direitos sobre ele. Peço antes delicadamente que me deixes ver o sol, preciso tanto de luz. Em troca ofereço-te um despertador.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. colocas-me numa situação complicada... segunda dou uma folga às nuvens, só porque me pedes com delicadeza :)

      Eliminar
  4. Aqui, da minha cabana distante, abrigada do dilúvio, bebo um chá quentinho e sorrio. O que encontramos uns nos outros, enquanto o céu desaba sobre o mundo, é sempre a promessa de uma nova primavera. E isso, faz-nos, de certa forma, ser hóspedes das nuvens :)
    Muito obrigada, Manel.

    Um abraço apertado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o seu sorriso dá-me alento para continuar, mas prometo que vou ser mais moderado nas tempestades :)
      eu é que agradeço, Miss Smile, um abraço sincero.

      Eliminar
  5. Olá, Manel!

    Parece-me que vieste até aqui visitar-me. Este som da chuva e do vento é música para os meus ouvidos...Lol
    Podes mandar ventos ciclónicos, granizo, tufões, se quiseres; arranjei uma couraça que me defende das intempéries...Chama-se sonho!...:)

    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já me esquecia.
      Gosto do nome 'Dulcineia',.
      Pois não foi ela a amada, daquele que viveu lutando contra moinhos de vento?

      *-*

      Eliminar
    2. Finalmente alguém que me compreende :) É ou nã é o nome perfeito para uma tempestade?
      beijos querida Janita, já mandei tudo o que tinha em mente, de agora em diante é só mesmo o inverno :)

      Eliminar
  6. Eu até consigo que os autocarros passem com um ligeiro atraso para não os perder...desde que pare de enviar as tempestades, mesmo que com um bonito nome. Ou pelo menos umas tempestades mais africanas, dessas que trazem chuva e sol no mesmo dia.
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é possível que se consiga aqui um entendimento... a partir de segunda conto que cumpra a sua parte, eu tratarei da minha :)

      Eliminar
  7. voltaste, cigano duma figa...o que faço aos pesadelos e às horas não dormidas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ehehehehehee, mete tudo numa caixa e manda cá para cima que eu trato deles...

      Eliminar
  8. Ó afilhado, por favor, tem cautela com os ventos, é que ainda hoje, manhã cedo, quando menos esperava levei com a saia nas trombas. Ora saia é para andar voltada para baixo, não para cima - maneira a coisa afilhado.

    Beijinho da madrinha
    Gostei do nome Dulcineia :_))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mas... mas... mas... isso nã pode ser... vou já apanhar o bandido... já os avisei vezes sem conta que nã se levanta saias às madrinhas... os sacanas... nem sei o que lhes faço quando os apanhar...
      beijos, do afilhado...

      Eliminar
  9. Ah!!! Afinal foste tu que arrancaste a laranjeira e puseste aquele ror de laranjas espalhadas pela estrada! Malandro!

    Fáxabor de parar, está bem?

    Beijocas, Stormy :)

    ResponderEliminar
  10. Foi uma tempestade para ninguém pôr defeito. Uma categoria!

    ResponderEliminar
  11. "Ulisses e os seus companheiros foram parar à Ilha Eólia, onde reinava Eolo, o Rei dos Ventos. (...)A certa altura, enquanto Ulisses dormia, abriram o saco…e … a desgraça aconteceu! Os ventos soltaram-se e uma terrível tempestade começou."
    Creio que está tudo dito. Estamos perante um descendente de uma figura mítica que se disfarça entre os mortais a andar de autocarro (com pouca competência, parece-me :)))). guardo segredo. não quero arruinar a vida de ninguém.
    boa noite, MM-T.

    ResponderEliminar
  12. Manel, tens trabalhado com afinco e profissionalismo, atributos que muito prezo, mas, mas... não descansas aos fins de semana? Eu e a minha bike hoje e ontem quase fomos abalroados por esta ventania louca, na minha rua voam papeis e lixo de vizinhos porcos e a minha buganvília acabou de ficar nua e depositou folhas e mais folhas no meu Djardim. descansa um pouco que faz-te bem :)

    ResponderEliminar