sábado, 21 de janeiro de 2017

vongole



Caríssima Vieira Pecten maximus

Encontrei a sua página de correio sentimental na rede e não hesitei em pedir-lhe ajuda. O meu nome é Gamba, camarão Gamba, e vivo na secção de congelados de uma grande cadeia de supermercados cujo o nome não vem agora ao caso. Estou com um sério problema relacionado com bivalves, e não é intoxicação de mercúrio. Tudo começou em meados de novembro, quando fui abandonado por uma mexilhão de bisso longo. Achei que ela nutria um sentimento especial por mim, mas ela só me quis para mudar de concha, e assim que o fez deu-me com os pés. O problema é que ainda gosto dela e tenho feito de tudo para a esquecer, inclusive inscrevi-me num torneio de patinagem em algas, corridas de chocos eléctricos e lições de faquir com ouriços. O que aconteceu é que numa destas actividades conheci uma amêijoa vongole e estou a começar a gostar dela. Mas eu não sei nada sobre esta amêijoa, não sei se há um amêijo na sua vida, se vai ficar por aqui algum tempo, nem sei mesmo se estará interessada em mim, ou se é apenas uma daquelas amêijoas simpáticas. Tem ainda outro problema, não fosse eu como um íman de problemas, ela, a amêijoa trabalha na mesma secção de congelados e ainda por cima, está umas prateleiras acima da minha embalagem. E o que acontece é que nos estamos sempre a encontrar, e já a olhei bem nos olhos, mas não tenho coragem para a convidar para um chá de fitoplâncton. Entretanto a mexilhão que eu pensava estar apaixonada pelo búzio do seu chefe, voltou a mostrar interesse em estar comigo, e isto tudo porque estou com o poder sedutor em alta, coisa dos astros e afins… Na verdade ainda sinto os bigodes eriçarem quando ela me liga, mas cá dentro sei que me vai dar com os pés outra vez, ou com o pé, que os mexilhões só têm um pé. Agora e se esta atracção pela amêijoa for só uma forma rápida de descartar a mexilhão da minha cabeça? Para esquecer um bivalve, qual é o tempo médio que se deve manter de afastamento? Não seria mais sensato conhecer percebes ou uma ostra? Agradeço desde já a sua atenção e se puder responder-me, era muito importante para mim ter o conselho de uma profissional. 
Atentamente, 

Gamba


28 comentários:

  1. Encontrei a vieira nas redes de pesca do Andhrminir (de vez em quando pescamos). Transmitiu-me o alerta daquilo da toxicidade dos mexilhões fora de época. Também me disse qualquer coisa sobre a caldeirada provocar azia, mas isso já não percebi.

    ResponderEliminar
  2. Olá, Manel.
    Vejo que este canarão Gamba está metido num grande berbiga(o)cho.
    Fosse eu a conselheira sentimental aconselharia que ele esquecesse a mexilhõa e a ameijoa e se dedicasse mais à conquilha...ehehehe
    Beijos (envoltos no cheiro da maresia)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. berbigacho foi muito bem aplicado :)
      se calhar tens razão, talvez seja melhor o gamba dedicar-se à arte de se fazer de morto... beijos

      Eliminar
  3. para esqueceres um bivalve, come-lo e evacuas...
    (sorry)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito. Mas que queres?...é sábado e tal...
      (lá se foi a minha reputação)

      Eliminar
    2. o que te salva é a reputação... e por ser sábado... e o frio!

      Eliminar
  4. Tu, afilhado mailindo quinté,és um camarão gamba muito volúvel - se bem que, aquela mexilhoa que vem e vai e volta a ir, é bem pior que tu. Será que tem mais umas tábuas (salvo seja) do IKEA para montar? ou o tal chefe afinal saiu-lhe índio? Quanto à ameijoa, tu vê se a senhora é comprometida, como saber? perguntando, ora! Mesmo assim, eu cá aconselhava-te a ires mais pelas berbigoas.

    Madrinha garoupa :-))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. oh céus, o gamba tem uma madrinha garoupa... que rica caldeirada, sem dúvida! vou ver se sei por portas travessas se a amêijoa tem amêijo, tiro de uma vez por todas a teima. obrigado madrinha! beijo

      Eliminar
  5. Historinha mais linda num congelador de supermercado, numa mais olharei para a arca congeladora do marisco da mesma maneira:)
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. quando a inspiração é morta pela preguiça e congelada pelo frio, nã fica espaço para mais... :)

      Eliminar
  6. Escolhe antes uma ostra. Vai que tem pérola... :)

    ResponderEliminar
  7. E não pode uma gamba se apaixonar por um pedaço de carne de cozer ou uma picanha, ou até uma maminha? sei lá sempre era diferente e deixava a secção dos congelados ... viaja para conhecer outros mundos ...


    (gostei da ideia da ana) :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. que ricas amigas vocês me saíram... vou relevar, mas só porque sei que nã estão habituadas ao frio... e uma maminha nã digo que nã, embora duas nã fazem mal a ninguém!

      Eliminar
  8. Recomendo três doses de documentários do Painlevé para resolveres este dilema.
    Não vejas o 'O Polvo' é perigoso para estados depressivos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. devia ter escrito para ti em vez da senhora dona Vieira... vou ver o que isso é, a minha cultura geral só me permite saber o que é "O Polvo" :)

      Eliminar
    2. são documentários acerca dos seres das profundezas o do Polvo deixar-te-ia triste com os teus antepassados mas procura, são filmes giros.

      Eliminar
    3. vou procurar sim, agradecido pelas propostas... em troca deixo-te a previsão para os próximos 5 dias... frio.

      Eliminar
  9. Vê lá bem a validade desses bivalves, cheira-me que está a passar, tu vai masé aos frescos que todos os dias chegam novos. Encontrarás certamente por lá algo mais suculento. Boa sorte :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mas nã quero frescos... quero bivalves, das prateleiras acima, amêijoa da boa... congeladinha!

      Eliminar
  10. toda essa tensão vivida no seio de tanta concha enregelada em nome de um bem maior, ainda há de dar motivo a uma visita da asae. aí, não há paixão, nem olhinhos, nem segundas oportunidades, caso o faro treinado dos agentes detetem alguma biotoxina, nem que seja do tamanho de uma partícula prima do bosão de higgs. cuidado. agora, para terminar, desaconselho o interesse por percebes, estão sobrevalorizados. já o lingueirão...estreitinho, não ocupa muito espaço, elegante...quem sabe?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a lingueirão é demasiado afiada pro meu gosto, quando fica com os azeites é menina para capar lagosta, quanto mais gambas... mas é capaz de ter razão, é muita tensão, já nem sinto as barbatanas da cauda, disseram-me para tentar a sorte no sector da carne nã embalada...

      Eliminar
  11. querido gamba ("querido"?...enfim é para dar mais ênfase à coisa),
    e dos livros que primeiro deve-se curar a ressaca, antes de tomar uns valentes copos novamente.
    embora saiba e seja muito saudável, ir olhando para as "garrafas", antes de tomar novos copos e nova bebedeira)
    anonima

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. há quem diga que a ressaca deve ser evitada a todo o custo com contínuos estados de embriagues... mas na actual conjuntura económica, só chega mesmo pra olhar as garrafas e ficar a babar na montra!

      Eliminar
  12. O sentimentalmente correcto diria que tens de estar completamente curado de uma maleita do coração para o abrires de novo a nova conquista. Eu, até que diria o mesmo. Pois acho que é realmente o melhor a fazer. Mas, depois, há aqueles casos em que se encontra, de facto, uma pessoa que parece valer demais a pena e não apetece deixar passar a oportunidade. Se for esse o caso, pois que já não digo nada. :)

    ResponderEliminar