segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

ouro

enquanto escrevo reparo que me faltam dois pedaços de carne em cada dedo da mão direita, logo abaixo da unha. quase jurava que ainda ontem estava completo, salvo aquele órgão desconcertado que deixei preso no prego. o frio interrompe as vias de transmissão nervosa e continuo a escrever, apertando com força a esferográfica que teima em desafiar a ordem e sair da linha. não tem fim este caderno, a cada nova folha que preencho com tinta, brotam cinco ou seis viçosas de nervuras alongadas que se seguram à capa pelos agrafos. o que me salva são as linhas, principalmente as descosidas e os buracos nas meias que engolem o universo. mas sei que foi mais um reflexo que um acto pensado, um impulso, ter olhado para as mãos dela à procura na união dos dedos por aros em ouro.


21 comentários:

  1. Confirmei hoje que és um romântico :) bonito o que escreves :)

    ResponderEliminar
  2. Não me digas que também róis unhas e dedos...
    :)

    ResponderEliminar
  3. Quando terminei de ler o que escreveste, senti-me de tal maneira preenchida que o meu cérebro se recusa a pensar em algo coerente para te dizer, em resposta ao que acabei de ler.
    «Ficção...ficção...ficção» é a palavra que repercute na minha mente, à qual tento contrapor: «Perfeição...perfeição...perfeição». Aquieto a alma dizendo para os meus botões: "Esta pessoa não existe, é tudo invenção...invenção...invenção__minha ". Depois respiro mais tranquila...:)

    Bom dia, Manel.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. depois do que dizes nem sei o que dizer... mas sim, numa parte tens razão, é tudo invenção :)
      boa noite Maria, dorme bem

      Eliminar
  4. E eu gosto tanto de mãos, Manel. :)

    Deixo-te um beijo. :)


    ResponderEliminar
  5. gosto tanto...
    mas não me venhas falar outra vez em buracos que engolem o universo, senão faço com que apareça ouro nos dedos dela.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. se consegues fazer, faz... e de uma vez por todas arrumo o assunto :)

      Eliminar
  6. Uau, Manel.



    (Mam'Zelle, em modo despedida por hoje)

    ResponderEliminar
  7. Ainda bem que vim aqui, para me lembrar porque gosto de te ler...
    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. agradeço o gosto mas tenho noção que o prazo de validade às vezes expira :)
      abraço

      Eliminar
  8. Tenho a mania das mãos, acho que é a particularidade física que noto primeiro. Antes disso o olhar e o sorriso: o que pode deixar pistas da alma que a pele esconde. Os aros de ouro são um corte cruel na eternidade redonda do que podia ter acontecido. Tu ainda estás safo, ao que parece ;)
    Bom dia, Manel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. hoje em dia nã quer dizer nada... há tanta gente que nã usa, há quem use até nas falanges mediais... e depois há o ensaio, e no próximo mês pode aparecer um aro bem luzente... isto nã está com boa cara...
      bom dia Olvido

      Eliminar
  9. também roo os dedos e fiquei roída de inveja da boa com este texto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. em tempos disse que queria roer a minha mão até ao ombro... como se para com isto, fazes ideia?

      Eliminar
  10. Gosto muito de mãos que falam, que expressam sentimentos, palavras, alegrias e tristezas. Tenham aros de ouro ou não, gosto de mãos.
    Manel, vê lá se páras este frio :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. se os deuses me forem favoráveis, eu adianto-te a primavera...
      :)

      Eliminar