quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

fraticídio

No dia em que me deu para andar a fazer limpezas, fechei a porta do armário com três dedos da mão direita lá dentro. Precipitei-me para a casa-de-banho e deixei a água fria correr até a sensação ir pelo ralo. Tenho uma colecção de dedos inchados, o médio pisou junto à unha, mas estão inteiros. 
Uma vez fiz algo semelhante no automóvel, era cedo e estávamos a subir para a serra. A mão esquerda apertou o comando eléctrico para fechar o vidro, enquanto a direita abandonava as suas extremidades do lado de fora da janela. Na altura lembro-me que havia alguma neve a derreter na beira da estrada e gritei para ela parar o carro. Ao primeiro ficou preocupada, depois quando entendeu o que tinha acontecido, riu-se imenso, até lhe doer a barriga. Conto isto quando quero animar alguém, mas nem hoje consigo achar piada, nem quando me recordo da minha triste figura, acocorado na beira da estrada, aliviando o sofrimento na neve suja.
No fundo tudo se resume ao alívio, e desde que a mão direita se tornou a minha melhor amiga, temo que a ínvida esquerda se queira ver livre dela. 


18 comentários:

  1. Também nunca me dá vontade de rir quando alguém se magoa.

    Gosto tanto de te ler, Manel. (as melhoras)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. também gosto muito de te ler Susana, mas ao contrário de ti, eu fico com vontade de rir, dependendo do grau de dor, é claro :)

      Eliminar
  2. Manel, escolheste uma belíssima imagem.
    A resolução das dores é muito semelhante ao amor: por vezes é preciso que venha outra para anular a anterior. E não, não vais ficar sempre com dores. Toma para ti a "minha dor" como algo metafórico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. encontrei uma imagem de dedos cortados de uma estátua, mas depois como achei que era um pouco impressionável, resolvi colocar o David do Michel, que fica sempre bem :)

      Eliminar
  3. Respostas
    1. a versão original desta história era um pouco diferente, pois assim que trilhei os dedos no armário, a primeira coisa que me ocorreu foi: como é que vou bater punhetas?

      Eliminar
  4. a minha mão direita dá-se muito bem com a mão esquerda. já o relacionamento do ouvido esquerdo com o direito, é mais complicado, assim como da perna direita com a esquerda, e além disso, a cabeça cortou relações com o coração.
    depois desta reflexão, começo a entender alguns porquês...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ui, isso anda complicado, cá em casa só as mãos é que andam desavenças, tudo o resto anda mais ou menos a toque do estômago :)

      Eliminar
  5. ahahahahah
    ahahahahahah
    ihihihihihihi

    desculpa afi... ahahahahahah lhado, sempre me parto a rir nestas coisas ahahahahah

    beijo
    eheheheheh

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ma dri nha - era o que querias ter escrito, certo? eheheh

      Eliminar
    2. nem imaginas o quão vingativo posso ser...

      Eliminar
    3. Nem tu sabes quanto cresço, quando me zango :))

      Eliminar
  6. Olha, tenta com a esquerda. Vais acabar pro eheheh

    ResponderEliminar
  7. Até isso te copiei. Dois dedos no armário, hoje.

    ResponderEliminar
  8. Pronto, se te serve de consolo, tenho uma queimadura no indicador da mão direita. Malditas rabanadas!

    Beijocas, Stormy, e as melhoras :)

    ResponderEliminar