sábado, 3 de dezembro de 2016

dom

Quando nasci dizem que uma das bruxas da região nos visitou e ofereceu-me o dom do esquecimento. Na altura todos acharam que era um dom trivial, vulgaríssimo e de pouca utilidade, principalmente para quem ainda não tinha memórias, mas ninguém ousou interpelar a bruxa e assim cresci com o dom de tudo poder esquecer. É claro que, como qualquer dom, só me foi revelado no dia do meu décimo oitavo aniversário. Não me recordo da totalidade desse dia, uma das vantagens do meu dom, mas lembro-me que fiquei um pouco decepcionado. Era jovem, tinha pouco para esquecer, mas muito por onde desapontar. Foram precisos alguns anos para entender o potencial deste dom, foi preciso sofrer, e desejar esquecer o sofrimento. Podem pensar que se trata de uma das minhas invenções, mas o diabo seja cego, surdo e mudo como tudo aquilo que vos digo é a mais pura das verdades, e a minha esposa foi o primeiro dos meus esquecimentos. 
Casei muito novo, depois de um acidente de automóvel. Talvez o acidente tenha sido a primeira coisa que esqueci, mas sempre atribuí esse esquecimento à pancada que sofri na cabeça. Depois de esquecer o acidente casamos, sem grandes planos, uma viagem e muitos endividamentos. Não ficamos muito tempo. Afinal não tínhamos nada em comum, a não ser o gosto por pimentos padrón, e ela isso fazia muito bem. No decorrer de um ano consegui apagar quase todos os vestígios da sua existência na minha vida, em apenas três anos não sabia o número de telefone, datas de aniversários, caras e nomes dos seus familiares. Dez anos e não consigo deslindar as suas feições, sinais do corpo. Não me lembro se gostava de café, que músicas ouvia. Nem me recordo de alguma vez a ter apresentado como esposa, que é isso do esposa? Terá mesmo ela dito que sim? Às vezes esqueço-me do primeiro nome e alguém por bem mo recorda. 
É um dom. Consigo mesmo fazer desaparecer aquilo que não desejo recordar. Apagar para sempre. Ou pelo menos aprisionar nas catacumbas do cérebro, numa zona pouco acessível. Não me recordo de ter vivido aqueles anos, parece que foi algo que li num livro ou vi num episódio qualquer da vida de outra pessoa. Sinto que nunca fui casado, porque não existe a pessoa com quem casei, não existe uma aliança que deixei no prego, não há sequer memória de dias felizes. E lembrei-me disto porque esta semana comprei pimentos padrón, e ficaram fantásticos salteado num fio de azeite, só com sal.  

41 comentários:

  1. Não ficaram amigos comuns com quem partilhar conversas. Se deixamos de falar das coisas elas apagam-se como se vivessem das e nas palavras...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, ainda agira te escrevi um comentário...

      Ando com falta de tempo e apetites. Comecei a estudar cinema vou ter uns módulos de argumento pode ser que me anime, outra vez

      Eliminar
    2. Que dramático... falta para quê?

      Eliminar
    3. Isto por acaso está um bocadinho soturno, está...depois, aparece uma arco-íris certo?

      Eliminar
    4. hoje é difícil, já mandei cancelar todos...

      Eliminar
    5. malvado! andas a comer demasiados pimentos ...

      Eliminar
  2. Boa tarde, seu dom é fantástico, contribui para mais anos de vida, certamente que ao acabar o ultimo paragrafo, já não se lembrava do primeiro.
    Bom fim de semana,
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. só esqueço o que quero esquecer, por enquanto :)
      obrigado e bom fim de semana

      Eliminar
  3. fazes-me lembrar da mulher que só sabia viver para a frente. sofria de incompatibilidade com o passado.

    ResponderEliminar
  4. Ainda assim, é um dom seletivo. Lembraste-te dos pimentos.
    :)

    ResponderEliminar
  5. É o mais invejável de todos os dons. Compro-te. Faz o preço.
    Também andas a escrever coisas maravilhosas, o que prova que os pimentos padron, ou lá o que isso é, fazem bem à escrita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ah! finalmente algo que invejes :) nem imaginas quanto tempo esperei...

      Eliminar
  6. Respostas
    1. só calafetei as janelas e baixei os estores...

      Eliminar
  7. Respostas
    1. passaste do mar diurno para o bosque nocturno, e ficaste com muito mau aspecto...francamente, como queres que ela goste de ti assim?

      Eliminar
    2. ela nã gosta nem assim nem assado...

      Eliminar
    3. Se ela nã gosta, nen assim, nem assado, porque raio gostas TU? Usa o dom afilhado.

      Beijinho em TU

      Eliminar
    4. acontece às vezes gostarmos sem que gostem em troca :)
      vou usar, sim, nã me lembrei só por causa dos pimentos...
      beijos

      Eliminar
  8. o teu dom é fantástico.
    adorei o azul do blog.
    adoro chegar aqui e nunca saber o que me espera :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e eu adoro que adores :) as críticas estavam a ser devastadoras, tu salvaste-me!

      Eliminar
  9. O teu novo avatar tem... força.

    As cores estão bem escuras, poderosas!

    ResponderEliminar
  10. Faltando juntar uns dentes de alho esmagados ao azeite, os pimentos perdem metade (pelo menos) da piada. Digo eu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã nego à partida uma ciência que desconheço :)

      Eliminar
  11. A mim é que ninguém me dá dons desses...

    Por acaso, não me faria grande falta, esse do esquecimento. Se fosse possível, escolhia outro mais proveitoso.
    É que, a bem dizer, nunca sofri desse mal que chamam de decepção amorosa. As perdas que tive até agora não foram por vontade, nem de um lado nem do outro. Por isso, por mais que doa um tico recordar as minhas pessoas que partiram, não quero por nada esquecê-las.

    Eu gosto bem do novo décor. Por mim, está aprovado, Manel. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. se pudesses escolher, que dom seria o teu? :)
      tenho ideia que já tive um decór idêntico, mas só me lembro do último :)

      Eliminar
  12. E bom ter memória selectiva. Agora esquecer o q não se quer é f****o
    anonima

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. por enquanto ainda posso escolher, mas esse pode ser um preço :)

      Eliminar
  13. olha, esqueci-me do que ia escrever. Ah! Pimentos padrón e o dom do esquecimento, quero! Ambos os dois :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã queres nada, esquecer também tem as suas desvantagens! há tantos dons, escolhe um :) ou ambos os dois.

      Eliminar