sábado, 22 de outubro de 2016

menisco

Tento tudo para a manter distante mesmo querendo-a sempre por perto. -Sexta à noite tenho jogo. Disse-lhe sem ela perguntar. Sorriu e respondeu: -Fazes bem. E como disse que ia, fui, levado pelas pernas surdas ao que o coração gritava. -Liga-lhe! Vai, convida-a para jantar! Esquece esse estúpido jogo. Mas as pernas, que mais tarde se iriam arrepender, fizeram o que a cabeça pouco ajuizada mandava. E assim que começamos todos a aquecer em círculos rectangulares em redor do campo, foram os pés os primeiros a lamentar. Depois o coração resignou-se, ofegante, calou-se sem se emocionar. A cabeça falhou duas bolas, os pés ainda apanharam algumas perdidas, o desempenho no geral era medíocre, por isso a bola só vinha na minha direcção por azar. Os adversários alegravam-se com os meus falhanços e celebravam cada ponto com grande entusiasmo. Eram jovens, pirralhos com idade para serem meus filhos, cheios de energia, músculos em forma, passes perfeitos, velocidade estonteante. Queria ser jovem outra vez, correr sem sentir que a densidade do ar era como estar submerso em lama, os músculos tensos, os ossos a saltarem das articulações doridas, pulmões gastos, um coração martirizado. Ao lado deles parecia ter uns cinquenta anos a mais, depois fiz um bom passe, e foi o ponto alto da minha noite. Reuni à saida toda a energia possível para voltar a pé para casa, estômago a reclamar ao passar diante de alguns restaurantes, onde casais jantavam à luz das velas. Liguei-lhe, ainda podia ir a tempo de a convidar para jantar, mas já era tarde demais, estava a jantar, algures, não disse com quem. O coração entrou em modo silencioso.


notificação de última hora: menisco direito está dado como desaparecido desde ontem. Residente num belo joelho com 38 anos, mede apenas alguns centímetros, fibrocartilaginoso e já teve melhores dias. Foi visto pela última vez ontem por volta das 19 horas. A perna e restante corpo pedem a quem possa ter alguma informação que contacte a polícia, os bombeiros, ou a Rádio Condestável. Obrigado

27 comentários:

  1. O teu programa pessoal tem a sua legitimidade e o seu mérito, mas Stormy, bolas!, depois não digas que te falhou, não o músculo, antes a noção quanto ao músculo prioritário...


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é tudo um desperdício, até mesmo escrever :)

      Eliminar
    2. fica sabendo que te combaterei enquanto persistires nessa onda a dar para os 'terrores pessoais do milénio', que é sabido que és muito melhor que isso que retratas, ok?

      Eliminar
    3. :) nem melhor nem pior, só tempo perdido...
      nã percas também o teu, please.

      Eliminar
    4. ei :)

      eu faço com o meu tempo o que bem entendo, até nas horas que assinei para trabalhar por conta d'outrem, como recusar-me a ser filmada durante os eventos, pois diz que, legalmente, a minha imagem pertence, nas ditas horas, à entidade patronal. Ok, processem-me :) Se quiseres, processa-me tu também, por "perder tempo" com uma pessoa que destila inteligência da boa :P

      Eliminar
  2. Manel, há lutas doridas, como essa que contas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. isto nã é uma luta, é simplesmente admitir a derrota :)

      Eliminar
  3. há aí muito desperdício, mas escrever não é, seguramente...
    chove que deus a dá... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã é da minha responsabilidade essa chuva, só mandei meio litro :)

      Eliminar
  4. o que me custa - pois a gente acredita sempre no que lê -, é que quase sou capaz de jurar como ela sabe perfeitamente que estás de beicinho caído.

    um abraço, Mau-Tempo.

    ResponderEliminar
  5. tonto! faz-te bem, sofrer um bocadinho para reflectires sobre as tuas escolhas...

    ResponderEliminar
  6. Olha afilhado, tou furiosa - sabes que mais, antes o teu pai tivesse feito um quêjo.

    :(

    ResponderEliminar
  7. Ora batatas, Stormy!!! Fáxabor de escutares o coração, óbiste???

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. queijo, batatas... já começo a sentir um ratito... pena o estômago nunca entrar em modo silencioso :)

      Eliminar
  8. Não será talvez não te sentires seguro de ela gostar de ti e procurares esquecê-la em actividades com os colegas?
    Em minha opinião devias tentar o seguinte: acompanhá-la num passeio ao fim da noite até casa debaixo de um valente aguaceiro e com um daqueles guarda-chuvas minúsculos de senhora, passares na roulote e comprares duas cervas e pedires para só abrires uma, a dela. e depois, à sua porta entabulares um diálogo humanista sobre qualquer tema trendy, e por fim, quando ela estiver pensativa a olhar para ti, tu dizes «tenho de me ir embora» e roubas-lhe um beijo rápido mas cheio de energia e viras costas dizendo até amanhã, se ela gostar de ti dirá qq coisa como «esse foi um beijo roubado!».
    Aí saberás qual a tua resposta, mas se fosse eu sorriria e diria «são os melhores <3»

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. trendy? moi? ehehehehe, sou do mais parolo que existe... deixo essas tácticas para os entendidos... mas obrigado pelo conselho :)

      Eliminar
  9. O coração faz mais falta que o menisco.

    ResponderEliminar
  10. É só problemas sr Manel! Veja lá se ... se entende e não dramatiza tanto! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Engordou? :))
      Aguento-o muito bem, mas se quiser deixo de aguenta-lo.
      Eu gosto de dramas e o sr Manel é especialista em dramas! :)
      E a afastar pessoas também! Cada um especializa-se naquilo que quer!

      Boa noite sr Manel, boa semana.

      Eliminar
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar