domingo, 9 de outubro de 2016

falha

Falta-me o ar. É uma falta sem faltar. Respiro fundo e os pulmões enchem até quase rebentarem, sem muco espesso a entupir o nariz ou tecidos inflamados obstruídos. Mas o ar escapa, vaza por furos invisíveis, minúsculos orifícios laterais e falta-me. 
Foge-me o chão. Foge sem fugir. Como nos sonhos em que o precipício abre as suas goelas negras e caímos numa espiral contínua de olhos fechados. Mas de pouco adianta abrir os olhos. Continuo em queda, enjoado na espiral, muito distante do sonho. 
Falham-me as palavras. Não uma quebra ou uma lasca, mas uma omissão. Uma falha em acertar na palavra certa. Um tempo perdido, uma quebra desnecessária na linha, um espaço deixado em branco. E não me canso de mergulhar vezes sem conta nos livros cheios, emergir com palavras coladas à pele, como uma segunda pele. Sou página em cada mergulho, pedaços de mim são letras, palavras. Mesmo assim elas falham-me, faltam-me, fogem como os pássaros que deixam os céus no inverno. 


25 comentários:

  1. Respostas
    1. que exagero Teresa... tu é que és bela, absolutamente bela.
      :)

      Eliminar
  2. A tua falta de palavras é uma falta sem faltar. Tal como acontece com o ar. Elas, as palavras, estão lá / cá. Felizmente, digo eu.
    Tu escreves tão bem, Manel! Gostei tanto, tanto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. falta, sinto que falta, se nã são palavras é qualquer coisa... é como ter a alma empacotada... Nã te mereço :) obrigado, és uma querida.

      Eliminar
    2. Talvez devas começar a acreditar, que escreves mesmo bem, muito bem. Dito por mim, não terá peso algum, que a mim faltam-me muito mais que as palavras, falta-me o espaço, falta-me o jeito, mas essa sehora, e algumas mais, vão-te dizendo isso mesmo - escreves muito bem afilhado - acredita nelas, que sabem o que dizem, acredita especialmente em ti - e deixa que a madrinha compre um livro teu, num qualquer escaparate :))

      Beijinho afilhado mailindo quinté

      Eliminar
    3. acredito e aceito o que dizes :) mas as palavras nã me chegam para livros... nã vale a pena viver com ilusões. Nã é falsa modéstia, nã é menosprezar a tua opinião, mas para mim simplesmente nã chega :)

      Eliminar
  3. Eu para a falta de ar tenho Ventilan Inalador :)) vendem certamente aí numa farmácia. Até agora resolveu-me muitas "faltas de ar"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As outras não sei, só mesmo sei resolver "faltas de ar"

      Eliminar
  4. Ooooh sr Manel, quantos lamentos. Quero dizer:lamento profundamente.

    Continuação de bom domingo e uma boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã lamente, tudo é passageiro, mesmo as falhas :)
      boa semana Florzinha

      Eliminar
    2. Tá bem sr Manel, atão, lamento menos um bocadinho, por tudo ser passageiro, e eu não me lembrar disso :)) que tudo é passageiro!

      Eliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. eu tenho medo que nada me falte. depois o que me segura os pés na terra?...

    ResponderEliminar
  7. Tens de ir comigo um dia destes subir a serra de bike, vais ver o que é falta de ar e de palavras e de tudo:)))
    Agora fora de brincadeiras, pelo menos palavras belas não te faltam e ainda bem. Um gosto te ler :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. acho que me faltava o ar e as pernas :) já vi as tuas subidas, decididamente sou mais de descidas :)
      obrigado, és uma querida.

      Eliminar
  8. Quando te faltam essas coisas todas, ganhamos nós.

    ResponderEliminar
  9. Eu não digo que o céu fica triste no inverno? Os pássaros deixam de querer fazer-lhe companhia, como tão bem o referiste.
    Quanto ao resto, às falhas de que te queixas, aproveita todas.
    Essas 'fragilidades' podem ser-te tão favoráveis. Claro que sabes como. A mim não me enganas tu, Manel. ;)

    ResponderEliminar
  10. Falta-me o ar e faltam-me as palavras... Fico a perder, vês?

    Beijocas, Polvinho :)

    ResponderEliminar