terça-feira, 16 de agosto de 2016

orçar

O barco oscilava a algumas milhas da costa, as suficientes para que os guarda-sóis coloridos no areal fossem pequenos pontos tingidos. Um pássaro castanho quase pousa no meu ombro, cansado, confundido com um pardal, tem umas longas patas estranhas. Todos se admiram com a visita, até o capitão que leva muitos anos de mar, diz com entusiasmo que nunca viu nada assim. Volta a levantar voo, roda em torno do barco pousando perto de cada tripulante, como se pretendesse avaliar o nosso estado. Retoma logo a viagem em direcção à praia, desaparecendo tranquilo com os nossos corações. 
Maravilhados, voltamos a bordo e às tarefas, na voz de comando do capitão de poucas palavras. Ajusto o leme para onde me aponta, sempre com os olhos colados na vela de estai. Dou por mim a pedir vento a um céu de nuvens altas paradas. A ondulação quase não se sente, o mundo afasta-se e um silêncio ensurdecedor vai enchendo a vela grande. O mar é imenso a estibordo, vai daqui até ao rebordo da terra. É uma massa cinzenta que respira em longos arfares, que nos engole, se essa for a vontade. 
-Orçar, diz-me o capitão. Izabela leva a vela caçada e um sorriso tímido nos olhos. Quando o capitão não está a olhar, faz-me caretas da proa. 

Cliffs and Sailboats at Pourville, Claude Monet, 1882 




18 comentários:

  1. caretas, que cousa bela ! :)

    ________
    (a sedução é tão mais bela quando não obedece ao aval dos códigos devidamente carimbados :)

    ResponderEliminar
  2. Manel, se sabes que gosto tanto de mar, barcos, coisas ligadas à navegação... porque razão não me convidaste? Não me está a parecer nada bem...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tudo aconteceu num repente, quando dei por mim era o homem do leme :) mas numa próxima, prepara-te!

      Eliminar
  3. o que mais gosto no mar, é estar com os pés em terra...

    ResponderEliminar
  4. orcemos portanto, que o vento há-de vir :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mandei-o de férias por uns tempos, mas depois ele faz-me falta :)

      Eliminar
  5. Genoa, chama-se no mar à vela grande. Gosto quando o vento sopra e inflama as velas da vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã tinhamos genoa, só de estai :) também nã tínhamos grande vento, mesmo assim foi divertido :)

      Eliminar
  6. Continua, Manel-Sem-Vento, tenho a certeza que daria uma bela história. :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã sou dado a continuidades :) tenho de começar a treinar

      Eliminar