segunda-feira, 29 de agosto de 2016

mãe

Os seus dedos trazem tinta, sobretudo amarelos e verdes claros, com que me acaricia o rosto. Cheira a mãe. Quando nasci, ela diz que esqueceu tudo o resto e viveu para os dois, como se saído da sua barriga, juntos tivéssemos entrado noutra barriga, só os dois. Sempre imaginei uma barriga de baleia, decorada com os seus quadros pintados pelos dedos, cheia de histórias de adormecer que ela inventava, e o seu cheiro em cada poro. Estive dentro dela mais de nove meses, e depois mais vinte pelo menos dentro da baleia. Um dia tivemos de sair, outro dia fui para longe. Mas há qualquer coisa que suplanta todas as outras, uma invisibilidade que nos liga e a sua voz derruba a distância, afasta a infelicidade trancada nos olhos. E quando chora, que eu sei que chora, esconde as lágrimas num lenço que dobra em três partes. E então falamos das sombras das árvores, das velas dos barcos, do amarelo do trigo que cresce lá em baixo, da corrente do rio, do pó da terra que lhe comia a garganta. Quer que oiça o coaxar das rãs a meio da tarde. Quer que eu veja todas as cores num traço de preto. Quer que eu sinta as suas mãos que me amparam o rosto. Eu quero ouvir, ver e sentir. Eu quero o tempo em que vivíamos numa baleia.

Illustration by Ciaran Duffy

38 comentários:

  1. Manel, tão ternurento o teu texto... A tua mãe costuma ler-te?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não gostavas que ela visse?
      Escreverias da mesma forma caso soubesses que ela lia?

      Eliminar
    2. se soubesse que ela lia, tentava escrever coisas mais divertidas :)

      Eliminar
  2. Não há como comentar...
    Só deixar um beijo para ti e outro para ela.

    ResponderEliminar
  3. Não há como comentar...
    Só deixar um beijo para ti e outro para ela.

    ResponderEliminar
  4. Faz de conta que há uma baleia ainda maior que afinal mantém toda a gente junta dentro da sua barriga. :)

    ResponderEliminar
  5. fizeste-me chorar por tantas razões...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã era esse o propósito... até porque foste tu que me empurraste...
      :)
      nã chores...

      Eliminar
  6. És um filho cheio de mãe. Lindo! Espero que te leia.

    ResponderEliminar
  7. eu tambem tenho saudades de morrer do tempo em que estávamos os 6 dentro da baleia...
    (bela aguarela).
    anonima

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. na verdade somos só (só???) 4...mas quando penso nos manos...gosto de pensar no pai e na mãe tb. na família toda :):)
      anonima

      Eliminar
  8. Este é o lado real do mê afilhado mailindo quinté
    Este é o lado que o preenche e tantas vezes esconde, num lado obscuro, que não acredito existir.

    E eu adoro, ser madrinha deste puto :))





    ResponderEliminar
    Respostas
    1. toda a gente tem os dois lados, eu tenho pelo menos 9... :)
      o que seria de mim sem uma madrinha assim :)

      Eliminar
  9. Para lá de bonito :)

    Mãe é sempre Mãe, é a protecção eterna

    Beijoquinhas :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigado vizinha, andava a guardar as palavras da mãe...
      beijo

      Eliminar
  10. A propósito disto,
    Ela é aquele querido polvo de cujos tentáculos nunca escapamos completamente, mas nem no mais íntimo dos nossos corações desejamos que tal aconteça.
    Doddie Smith (1896-1990)
    estava até hoje convicta de que ter oito braços, era o meu ideal de mãe.
    Mas, assim, prefiro ser baleia — ainda por cima, azul.

    ResponderEliminar
  11. Tão intensamente bom ler-te, Manel.
    Eu, Mam'Zelle-bruta-ruim-e-insensível, me confesso. Emocionei-me.
    Nunca escrevi à minha mãe nada para além dos 'gosto de si' habituais, nos postais de anos. Agora, fiquei com pena de não ter escrito mais qualquer coisa, enquanto a tive cá para me ler.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pior serei eu que escrevo e nã lhe mostro...
      mas tens razão, devemos mostrar o quanto amamos, extravasar os afectos, sem receio do ridículo... beijo de oito patas querida Mam

      Eliminar
  12. Achamos sempre,ou pelo menos não pensamos muito no assunto, que aqueles que amamos não poderão desaparecer de um dia para o outro, sem despedidas, e fica tanto por dizer...(faço minhas as palavras de Mam`Zelle, último parágrafo).
    Lindo, o teu post, Manel.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigado Té, se calhar um dia temos de começar a dizer mais... se calhar hoje é o dia :)
      beijo

      Eliminar
  13. Eu continuo a falar com a minha embora não tenha a certeza se ela me ouve mas quero e preciso de acreditar que sim.
    Que texto bonito, Manel!

    ResponderEliminar
  14. Tão bonito.....
    Gostava que um dia um filho meu me escrevesse assim :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigado, se nã escreverem, acredito que pensem em algo assim :)

      Eliminar
  15. :)

    ______
    p.s. - estás perdoado pela merda do tarifário meteorológico por encomenda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ehehehehehe, mas eu para ti mando entregar de borla...

      Eliminar
  16. Há essa coisa íntima, invisível e maravilhosa que só uma mãe e um filho sabem como é.
    (tão lindo, Manel. quero pensar no meu filho assim)

    Beijos, Stormy boy :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. certamente será melhor filho que eu :)
      obrigado, beijos Tutu

      Eliminar