quinta-feira, 11 de agosto de 2016

fora

... ou zebu elevado.

"a mulher que tem memórias fora do tempo, inventa um abraço onde se aninha e recorda poemas esquecidos. o homem que viaja nos mundos sussurra-lhe na alma 'não importa que vidas tenhas vivido. o que importa é agora'. a mulher que tem memórias fora do tempo, inunda os olhos de mares que falam de saudades da recordação do outro pedaço da sua alma.
e então no agora, o abraço desinventou-se, a mulher perdeu as memórias fora do tempo, nudificou-se, solidou-se."  



daqui


14 comentários:

  1. maravilhosa ana. atravessar carapaças, a mais difícil travessia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada, Teresa. é mesmo, atravessar carapaças...

      Eliminar
    2. é o que falta a um polvo, uma carapaça :)

      Eliminar
  2. deixaste-me sem jeito, Manuel...
    (caranguejo é o meu signo ascendente. uns passos para a frente, outros tantos (muitos mais) para trás)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. também o meu, ana. não podíamos sair juntas. :)

      Eliminar
    2. caranguejo é o meu signo, ascendente diria que é macaco... nã sei :)
      os caranguejos andam de lado... nunca para trás... andar de lado é uma virtude... é atravessar :)

      Eliminar
    3. andaríamos na mesma direcção, certamente, Teresa :)
      caranguejo é um bom signo...:)

      Eliminar
  3. há na tristeza das suas palavras, uma escrita tão bela.
    a ana é linda! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é sim... tivesse ela oito braços e era perfeita :)

      Eliminar
    2. vocês são tolos :)
      mas oito braços, davam-me jeito. davam, davam...

      Eliminar
  4. lindo ...e triste ao mesmo tempo.optima escolha:)
    anonima

    ResponderEliminar