domingo, 22 de maio de 2016

gruta

Para que conste (e assim possam entender a dificuldade que tenho em decifrar o que escrevem por essa bloga fora, culpa minha, claro):

Não leio jornais, nem digital nem de papel; os livros que tenho são todos antigos, quem os escreveu já morreu, e quando compro, são usados, e acabo por escolher escritores que conheço e por isso sei muito pouco sobre os mais recentes; não ouço rádio, toda a música que me chega vem do mesmo sítio e quase toda foi composta na segunda metade do século XVIII e o início do século XX; não vejo televisão, nem séries (desde que o Poirot deixou de passar na rtp2) e agora que o meu portátil quase deu os últimos suspiros, não vejo filmes ilegais, nem pornografia. Também deixei de ir ao cinema, assim como deixei de beber café. Não fumo, quando posso compro uma garrafa de tinto, e a cerveja é da mais barata. Também não fodo, não como fora, não vou ao teatro, nem a museus. O meu telemóvel é antigo, dá para fazer chamadas e mandar mensagens; a minha roupa está fora de moda e não consigo enumerar nenhuma marca; também não consigo falar de nenhum restaurante fantástico, nem sei que modelos de automóveis saíram no último ano. Até à cinco minutos atrás desconhecia que algumas funcionárias do diap tinham dançado no varão, que a Dilma já não é presidenta e que pode haver vida na Europa de Júpiter. Também não me dei conta que a Áustria pode virar para a extrema-direita... e que o benfica ganhou a taça da liga. Algumas notícias parecem inventadas, e até parece que fui eu que as inventei. 

E agora vou voltar para a minha gruta, deixo o Borodin porque é o Borodin. Já chega por hoje. 



46 comentários:

  1. Serei estranha por achar que há uma indiscutível beleza em estar ausente do mundo? :))

    Deixo-te um beijo, Menino Tempestade. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. se tu achas, então é porque existe :)
      beijo, bela desperta!

      Eliminar
  2. Mas acabaste de revelar o modo de vida da tripulação deste navio!!! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. isso explica o efeito de ondulação que sinto por baixo dos pés... pensei que estava a precisar de óculos!
      :)

      Eliminar
  3. Manel, mas como consegues saber tanta coisa?... Até que o Benfica ganhou. Olha que se não fosses tu andava mesmo a zero.
    As do DIAP no varão? As coisas que tu sabes... Se me descuido ainda ficas a saber que faço lap dance.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro, Manel!
      Se não fizesse não diria e talvez até mostrasse o rosto ali no meu avatar.

      Eliminar
  4. Eu não descuraria a música composta entre o século XV e a primeira metade do XVII.
    (Perder-se-iam Pergolesi, Tomas Luis de Victoria, Biber...).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Biber, Justin, o mundo está mesmo perdido, com homens feitos escutando Biber :P

      Eliminar
  5. Gosto da tua gruta e gosto de ti assim, tipo diamante em bruto.
    Fica um beijo moço bonito.

    ResponderEliminar
  6. bem me parecia que não é à toa que gosto de ti :)

    ResponderEliminar
  7. Poderá ser essa a receita para a felicidade?
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. desconfio que a felicidade nã é como os bolos... por experiência, nã, nã é este o caminho!
      :)

      Eliminar
  8. Vendo bem, ainda assim, sabes muito mais que eu afilhado. Em que planeta ficará a minha gruta?

    Beijinho afilhado mailindo quinté :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. desconfio que sabes muito mais do que aquilo que dizes saber...
      :) beijos, beijos, super madrinha!

      Eliminar
  9. Já agora acrescenta aí à tua (minha) lista que uma tal de Adele não sei das quantas esteve ontem no Pavilhão Atlântico e começou por dizer Hello em modo cantado, claro, e fartou-se de pedir desculpas. Foi só o que percebi. Era para ti, Manel?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã, nunca a vi mais gorda... seria para a Conchita?
      :)

      Eliminar
  10. Como é que alguém vive sem café?
    És estanho, homem de Malta, és muito estranho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. entre mau café e nenhum...
      :)
      queres que te vaze as gotas?

      Eliminar
    2. Dava-me jeito, uma mão amiga que não tremesse

      Eliminar
  11. Dasse! É do Mau Tempo, só pode. ehehehe
    Mas olha, eu que passo a vida a pedalar e muito, quase tudo, me passa ao lado, ainda te encontro por aí na tua gruta, é na serra?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. avisei que nã íamos ter primavera, mas ninguém me dá crédito...
      uma vez ia a pedalar e alguma coisa me desviou a atenção e nã passei ao lado do asfalto... aliás passei com os dentes, foi muito humilhante...

      Eliminar
  12. Primeiro achei o tom ameaçador, quase trovejava :), depois percebi que não. Eu é que me atrasei. Só depois dos cinquenta consegui tal proeza, e sem o mesmo êxito. Portanto os meus parabéns.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. acho que me expressei bastante mal... nã há aqui nenhuma proeza :) êxito então... nem cheiro.

      Eliminar
  13. Manel, há luz nessa gruta? Não gosto nada do escuro. Não adormeças aí dentro pá..se for preciso fazemos sinais de fumo! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. claro que ainda há luz, lá no fundo, mas sempre vai havendo :)

      Eliminar
  14. Essa gruta deve ser um lugar seguro :)

    ResponderEliminar
  15. Eu só saí da minha (gruta) para ler o teu post :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. quanta honra :)
      nã sou merecedor, sério que nã...

      Eliminar
  16. Credooo pah... Tens a certeza que vives neste século? Temos em comum o não fumar e o não ver televisão.

    Sai da gruta. Há mais vida na terra para além dos morcegos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. posso estar a viver noutro sem saber... quem sabe? :)

      Eliminar
  17. Respostas
    1. com isso também claro...
      mas com a propagação de polvas e lulas e chocas por esses mares fora... já pensaste bem? leste a notícia? ora... francamente...

      Eliminar
    2. oh céus! já vi, o mundo finalmente é nosso! :)

      Eliminar
  18. o café e as séries as outras cenas ainda aceito. mas uma garrafinha de tinto de vez em quando, M-MT. isso é que não pode ser...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. de vez em quando, muito de vez quando há e nã é caro... :)

      Eliminar
  19. Há aí muita coisa na qual me revejo. Agora há uma ou outra - essencialmente uma, para ser totalmente sincera - que não faz sentido algum. É que uma pessoa tem as suas necessidades, que tem (e não, não vou especificar nada, que sou moça recatada).
    ;)

    ResponderEliminar
  20. Há lugares onde se está tão bem
    Voltemos então a Prince Igor

    ResponderEliminar