terça-feira, 26 de abril de 2016

fateixa

Já estavam sentados à espera do pedido quando um casal entrou e os cumprimentou amistosamente. Agradava-lhe isso. Aquele gesto de simpatia, um olá sem conhecer a pessoa de lado nenhum, e assim vindo do nada, a troco de nada. Admirou a cesta das lagostas que balouçava suavemente por cima da sua cabeça. Alguém aprisionara pequenos barcos coloridos de papel no interior. Bebeu mais um trago da cerveja ruiva. Lá fora o sol ainda não se lançara no mar, mas já se sentia o frio nas pedras da parede. Dali onde estavam sentados não via os rochedos, mas sabia-os mais abaixo, a terminar no azul límpido. Ela tinha os braços a descoberto carregados de sal, o cabelo penteado para o lado pelo vento. E ria, sem horas para voltar. Varreu com a palma as migalhas da madeira, ela própria dilacerada pelo tempo, quebrada em vários sentidos, como se fosse feita dos barcos que oscilavam junto à costa. Podia morrer aqui, terá dito, vezes e vezes sem conta.

gentilmente oferecido por uma amiga... 


22 comentários:

  1. Eu até podia comentar, mas tu não acreditas em mim, por isso não digo nada.

    ResponderEliminar
  2. Fateixa é ancora que apenas amarra canoas.

    ResponderEliminar
  3. Também ficava já aqui esperando o sol se pôr mas lembrei-me que ele já se deitou e irei atrás dele.
    (adorei o texto, Manel!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. também já estou na minha hora :) fartinho de bocejar.
      obrigado.

      Eliminar
  4. Pode-se morrer onde se vive um momento de felicidade. Morre-se feliz, ao menos!

    Beijocas, Stormy :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. morrer feliz é viver feliz, nã? :)
      beijos Tutu

      Eliminar
  5. Manel,
    Ganhaste uma foto tão bonita.
    E o teu texto é tão calmo e doce...

    ResponderEliminar
  6. Olá.
    Gostei de estar aqui ancorada.
    Agora vou pedir a conta e sair, para ver o mar.
    Obrigada, Manel.
    P.S. Cuidado com as insolações. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a conta é sempre aquela coisa aborrecida... eu é que agradeço.

      Eliminar
  7. Marcas de sal e de sol ficam encrustadas no corpo e na alma até que a noite chegue. Gostei para la de muito ^)

    ResponderEliminar
  8. E rir, sem horas para voltar. Como gosto de ser!
    Tudo dito,quero ser fateixa.
    A foto é magnifica.(Espero que o polvo esteja seco)
    Beijinhos Manel:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. lá no fundo todos queremos ser fateixas.
      beijos Fava Fateixa :)

      Eliminar
  9. E há gestos que são âncoras. Gostei de navegar no texto :)

    Um beijinho, Manel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é o desejo de ficar amarrado... beijo Miss Smile :)

      Eliminar
  10. Ninguém devia prender barcos em cestas. Ou pássaros...

    ResponderEliminar
  11. A imagem está tão boa! Mas tão boa :)

    Dizias tu que os textos não estavam bons, és tolo qb. Muito bom, algo romântico :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. algo psicótico...
      tenho amigas que me mandam coisas giras... e vizinhas que dizem que devo cheirar mal.

      Eliminar