terça-feira, 8 de março de 2016

nu

… ou triste sina de um ladrão aposentado em jeito de episódio.

Não sei se te contei mas sempre que subo a um escadote, sinto uma pequena dor que parte da virilha e se espalha até ao ego. Quando o francês apontou para as armaduras, sabia que o meu dia estava amaldiçoado, só que desta vez não corria o risco de rasgar pelos fundilhos, pois as calças apesar de velhas, eram largas. A única preocupação é que me caíssem pelas pernas abaixo. E lá estava eu, pendurado num escadote que já tinha conhecido melhores dias, a furar o maldito tecto, coberto de pó, quando o encarregado apareceu, ele e dois polícias fardados, e atrás deles, a directora da escola muito corada. Perdeste um bonito espectáculo. É que estava completamente surdo com o ruído da broca, e não me apercebi que tinha público, e os boxers à mostra. Quando chegaste já tinha sido revistado pelo teu “cão de fila”, a minha mochila revirada, os cotões de estimação desalojados.  
Se calhar cheirava a suor, sei que olhaste para as minhas mãos, estava sujo, sentia o pó entranhado, acumulado no cabelo e nas pregas dos olhos. Tinha uma t-shirt com uma publicidade qualquer a cerveja, a gola esbambeada, ruça de gasta. Que bela impressão terei causado.
Quando já não tinhas mais papéis para me evitar, voltaste a tua atenção para  a mochila vazia com a roupa limpa, o porta-moedas e o caderno, tudo empilhado. Não tocaste na roupa, talvez com receio de apanhares alguma coisa. Abriste o porta-moedas e despejaste os poucos zlotys na secretária, o suficiente para meio litro de cerveja nacional e um bilhete de autocarro.  
8 zlotys – disseste, 8 zlotys e uma coisa estranha! Acrescentaste. E entre o teu polegar e o indicador direito vi que seguravas o meu amuleto da sorte. Um caroço de tâmara!
Já tinha explicado a história do caroço pelo menos umas dez vezes, em várias línguas, em nenhuma delas, julgo, fui considerado normal. Quem é que anda com um caroço de tâmara nos trocos? Há tanta coisa que precisas saber sobre mim. É que dizem que dá sorte, atrai dinheiro, mas não pode ser um caroço qualquer, para receber a distinção de amuleto, é necessário que possua um pequeno círculo. Mostrei-te o umbigo do caroço, as nossas cabeças aproximaram-se, os teus olhos eram mesmo da cor do céu e pela primeira vez sorriste. Deste até uma pequena gargalhada. Fiquei desnorteado. Sofri uma síncope. Sentado, perdi o equilíbrio, como se o mundo tivesse parado de modo abrupto.
Tenho a clara sensação que fomos feitos um para o outro. Enquanto falavas, pensava em mudar-me para tua casa, escrevia durante a manhã que é quando a minha veia está mais inflamada. Sim, para além de acordar com o meu frondoso membro inflamado, também me acontece isso com a veia que escreve, mas pode ser porque tudo é mais nítido, os sentidos mais apurados, sem as contaminações da rotina. Depois acordava-te com o pequeno-almoço na cama e uma amostra do que te esperaria mais tarde, quando voltasses do trabalho. Não quero que vás muito sorridente. Podia então passar o dia a escrever para ti, dormia uma sesta após o almoço e quando chegasses, dava-te banho e de comer. E se não der para viver daquilo que escrevo, o que não será surpresa nenhuma, posso fazer uns part-times em joalharias, farmácias, bombas de gasolina, supermercados, bancos até se ainda tiverem dinheiro, desde que tu me ilibas depois ao fim do dia. Pensa no quão felizes vamos ser, como o Poirot e a condessa Rossakoff nunca conseguiram, mas ao contrário,

A couple lying in a small boat together, looking up at the sky. Photograph by David E. Scherman. United Kingdom, 1942.



29 comentários:

  1. O desnorte só pode vir de uma paixão, das fortes :)
    E o que pode mais querer um apaixonado do que viver à mercê da sua paixão?! :)

    Beijoquinha polvo-poeta-romântico :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. essa da mercê da paixão é boa... vou roubar, pro futuro! :D

      Eliminar
  2. Lai lai lailai

    https://www.youtube.com/watch?v=_EVjq-D1caM

    :))

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Ana, Ana, onde deixaste a tua lembrança? :)

      Eliminar
    2. Se me chamas Ana com maiúscula parece que estás zangado comigo e entristeço...
      Está chuva e os pardais não penteiam as penas...

      Eliminar
    3. nunca me zango com anas :D está no contrato...

      Eliminar
  4. Manel, o amor é mágico. :)
    Duvidas? Toma: https://www.youtube.com/watch?v=x7ttyQYBvXQ

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ehehehehe, vou andar o dia de amanhã a cantar isto... o francês até vai bater mal :)

      Eliminar
  5. sleeping with the enemy, dear octopus?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Keep your friends close and your enemies on the bed :D

      Eliminar
  6. Que saudades ... do amor!!! E de ter olhos azuis ... :)

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. Essa cabeça não pára de andar é roda Manel. Olhos azuis são paixão :)

    ResponderEliminar
  9. Mulher de coração duro!
    Dá-lhe com um tentáculo no... (ia escrever rabo, mas não sei se é uma sugestão muito decente. hesito...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carla, fizeste-me lembrar os povos de anime... Olha que são do piorio! :p

      Eliminar
    2. Aiiiii... eu uma vez vi uma BD dos Piratas das Caraíbas e aquilo também metia tentáculos e... do piorio, Maria!!! Do piorio! ;)

      Eliminar
    3. tentáculo no rabo... e eu é que leio muito anime...

      Eliminar
  10. Não precisamos de muito para sermos felizes, basta aquela pessoa. :)

    O teu texto fez-me sorrir. :)

    ResponderEliminar
  11. Quase a certeza que foste feito para ela.
    Ela talvez ainda não tenha descoberto ou então faz como a condessa Rossakoff mas ao contrário. ;)

    Olha, Manel, lembrei-me desta, toma: https://www.youtube.com/watch?v=yOnXe8ttmjY

    ResponderEliminar