domingo, 13 de março de 2016

nictalope

Não sei onde deixei a minha vida. Terá ficado algures, esquecida por entre páginas nunca lidas. Já tentei lembrar-me onde a posso ter deixado, como quando vamos tomar café e inadvertidamente pousamos a chave do carro, e quando chegamos ao estacionamento, automaticamente o nosso cérebro nos recorda do balcão. Já não tenho chave do carro, nem o hábito de tomar café. Terei perdido a vida por não lhe dar uso, ou terá sido porque vivia outra vida, às vezes tende a acontecer, uma suplente. Mas hoje acordei com falta da vida, da original que veio de fábrica. O copo de água que deixei a meio não saiu do sítio, continua meio, garantia de que não terei acordado durante o sono, sequioso. Os bolsos estão cheios de tristeza e nas gavetas já sei que não a vou encontrar. Não a perdi nos últimos dias. Foi coisa de algum tempo. 

algures da net

13 comentários:

  1. Manel, a nossa tomada de consciência das mudanças da vida, as boas e as menos boas, é mais lenta do que a mudança real do estado das coisas. Muitas vezes só nos apercebemos passado um bom tempo e talvez isto aconteça por a natureza ter dotado a nossa memória de mecanismos de protecção.
    De vez em quando tenho a sensação que agora tão bem relataste e também penso nestas coisas... Penso muito nestas coisas, como já deu para perceber. :)
    Talvez precisemos destes períodos de pousio para semear de novo.

    ResponderEliminar
  2. Lá nas tuas buscas se por ventura encontrares a minha avisa, é já revirei os armários todos. Levou sumiço como as calças.

    (adorei o texto)

    ResponderEliminar
  3. Lá nas tuas buscas se por ventura encontrares a minha avisa, é já revirei os armários todos. Levou sumiço como as calças.

    (adorei o texto)

    ResponderEliminar
  4. Estará na hora de a chamares a ti, e tomar-lhe a rédea de novo, com mão firme.

    Abreijo afilhado

    ResponderEliminar
  5. Será meu gêmeo, senhor Manel?! :))

    Mas eu sei, que dentro de uns meses, eu vou ter "mais" uma ... nova vida! :)

    Boa semana senhor Manel!

    ResponderEliminar
  6. Se os bolsos estão cheios de tristeza é altura de tirar as calças para lavar! :)) e mudar tudo, ou pelo menos tentar alguma mudança :)

    Deixo-te uma beijoquinha

    ResponderEliminar
  7. Muitas vezes, aí por volta dos quarente volta-se a encontrá-la.
    Por essa altura deitaram-se fora as chaves, desfizemo-nos das calças e as gavetas já nem as abrimos. Anima-te rapaz :)

    ResponderEliminar
  8. Venham novos ventos e que tragam novos alentos.
    Venham novas memórias e que tragam novas histórias.
    Venham apenas e te encontrem.
    Um abraço forte!

    ResponderEliminar
  9. vem daí. é só lavar, se há tristeza, há vida. eu mostro-te.

    ResponderEliminar
  10. A vida tem a mania de nos fugir em silêncio manel. Corre atrás dela, tenho a certeza que ainda é tempo :)

    ResponderEliminar
  11. Ela está aí, a parva! Tem é a mania de jogar às escondidas!

    Um abraço apertadinho, Stormy :)

    ResponderEliminar
  12. Não te preocupes. Ela (a vida) encontra-nos sempre.

    ResponderEliminar
  13. Não parar para pensar muito e sobretudo agir. Agir contra a tristeza. Mudar a rotina dos dias, apostar tudo em viver. Descobrir novos mundos, novas pessoas, novos detalhes que nos fascinem. Vai por mim, sei o que é recomeçar vezes sem conta, sei o que é a dor de perder, sei o que é não desistir de acreditar que um dia(algum dia) o que eu quero muito para mim vai ser possível.

    Beijinho Manel Tempestades

    ResponderEliminar