sábado, 27 de fevereiro de 2016

pardon

Como já disse, perdi a descrição do que me aconteceu naquele desafortunado dia. Eventualmente se alguém encontrar esse registo, pede-se que o devolva com a maior urgência ao vento. Mas tudo terá começado ainda bem cedo, depois de uma série de desentendimentos, o encarregado apareceu e disse para deixar os tijolos. Henri, o electricista francês, estava sentado numa cadeira de campismo, pés apoiados no gradeamento da varanda do terceiro andar, fingindo concentração nas palavras cruzadas. O encarregado barafustou e tornou a descer. Fui saudado com uma palmada nas costas e um irónico buongiorno principessa! 
A pequena revolta custou-nos tempo, fomos os últimos, já não havia luz do dia nem boleia. Uma chuva fina atravessava a pele como agulhas de gelo, a fome enrolou-se na forra do estômago. Lá veio o autocarro cheio, com as suas luzes fracas, abafado sobre o cheiro a gasóleo. Então o cansaço começou a devorar-me pelos tendões, o embalo das paragens chamou o sono sobre mim, ali em pé, seguro por uma mão consciente que guardava o equilíbrio. Quando de repente senti um guarda-chuva a pingar bater-me na cara, sem conseguir reagir, uma segunda velhinha no lugar seguinte, pisava-me o pé. Era sem dúvida um ataque coordenado, duas idosas em simultâneo lutando para saírem, aparentemente sem se conhecerem, donas da mesma urgência. Terão pedido desculpa, quase em uníssono, mas eu estava mudo, petrificado.

Arnold poses for the ladies, 1970
Nenhum animal ficou ferido ou foi maltratado durante a viagem... foi só perplexidade. 

29 comentários:

  1. (nunca te atravesses no caminho de uma velhinha com pressa! é regra universal e intemporal - pelo menos, desde que os transportes colectivos e as filas dos serviços públicos existem. elas dão-te (e não é que deram mesmo :) uma coça!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. cá para mim elas eram da máfia russa e tudo nã terá passado de uma manobra de diversão... digo eu, que ando a ver muitos filmes de espionagem e coisas assim...

      Eliminar
    2. não te fies nisso. a máfia russa (ora se não acreditas, pergunta à Palmier) tenta imitar-lhes os tiques (e os golpes), mas falta-lhe o pêlo no buço... muitos anos a virar frangos na multidão, percebes?

      Eliminar
    3. foi muito rápido, nem consegui ver se tinham pêlo... quando me tentava desviar, já tinha outra em cima de mim, e o mais grave é que ninguém me acudiu, nem uma alminha...

      Eliminar
  2. (sómeapetecedizertevoltaparacasatrovisco)

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. paracasaondeomarceloépresidenteeosbancossãonovoseasvelhinhasnãmedãoporradamasasnovasétodososdias...
      :D

      Eliminar
  3. As velhinhas são teimosas e gostam de atingir rapidamente os seus objectivos :) têm sempre pressa :)

    Beijoquinha :) o sol continua aqui!

    ResponderEliminar
  4. Foi a Smilenska, (andas a dormir muito, Polvo) coordenada comigo! A flor fugiu na zurrapa e deixou-nos nos transportes. Escusas de exibir a musculatura, ó schwarzenegger, que nós já nã vamos nisso, dá mas é um morro no Trump.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. podiam ter esperado mais uma paragem, ando a dormir mal...
      ando tão desligado que nem sei como anda isso, achas que ele ganha?

      Eliminar
    2. acho que infelizmente pode, a nã ser que tu...

      Eliminar
    3. se os destinos do mundo estivessem nas minhas mãos... estávamos todos perdidos :D

      Eliminar
  5. Respostas
    1. daria, se a oportunidade aparecesse :)
      agora surgiu-me uma dúvida, porquê que vocês andam disfarçadas de velhinhas?

      Eliminar
    2. Eu não; é só a Smilenska :) estratégias de espionagem e lugar nos transportes.
      polvo com batatas a murro, será que ele já provou? :)

      Eliminar
    3. podemos ficar só pelas batatas? nã quero que ele me prove...

      Eliminar
  6. As velhinhas são muito perigosas e suspeitas. Da próxima vez leva o sabre na mochila.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. cuidado com os carteiristas...a Cuca "sabre" muito!

      Eliminar
    2. lembrei-me logo daquele cruzeiro com a excursão de velhinhos nórdicos, que nos abalroaram no estreito de Kvarken... se calhar estavam a tentar vingar o pai natal...

      Eliminar
  7. Ah, são estas velhinas?
    Manel, toma cuidado porque têm um ar suspeito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. acho que andam disfarçadas, e até nem são velhas, é um sobressalto, esta vida... :)

      Eliminar
  8. Sou muito bem mandada, às vezes, encontrei-o e atirei-o ao vento.
    Conclusão: tu tens andado a enganar-nos, não tens?
    (velhinhas... pfff... tá bem, tá )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu? digo quase sempre a verdade, mesmo que seja mentira :)

      Eliminar
  9. Ufa, agora a madrinha descansou, e tu? foste descansar depois?

    :)

    ResponderEliminar
  10. Isto sim, são umas velhas bem aproveitadas.
    ;)
    As velhas dão bons textos.

    ResponderEliminar