sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

napastnik

Os dias de fevereiro parecem morrer como o mês, exíguos. O sol cruza o céu por detrás de uma cortina de nuvens; na frisa ao nível do palco, esperas que se apartem, nem que seja na hora em que descansas os ossos e sacias a fome. Mas a cortina congelou, permanece estática nas suas pregas engomadas.
O proprietário polaco cedeu-me roupas velhas, por cima coloco o colete reflector com o nome da empresa. O encarregado estende-me um capacete gasto (noto que ninguém está a usar capacete, ou colete) e chama um dos novos que percebe estrangeiro.
Łukasz fala pelos cotovelos, escreve o nome no pó que cobre as vidraças, faço o mesmo com o meu, mas ele teima em chamar-me Ronaldo. Amanhã vamos abrir uma porta naquela parede e entretanto fui seleccionado para o jogo no domingo; diz-me que estão com falta de um ponta-de-lança, mas eu sempre joguei no banco. Nem imaginam a desilusão que os espera.




No alfabeto polaco, para piorar a coisa, existe a letra Ł, (que não é mais que um L traçado) que supostamente não se lê, de modo idêntico ao que se passa com o w em will ou were, no inglês. 

9 comentários:

  1. Se não conseguires marcares golos, leva a baliza para casa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. parece-me uma justa proposta... ponderei levar também alguns mancos, tens falta deles?

      Eliminar
  2. Não te preocupes, quando se chega ao estatuto de Ronaldo, parece que se pode fazer tudo, desde pôr o pé na poça, até não jogar nada de jeito
    eheheheh

    ResponderEliminar
  3. Manel Ronaldo, então? Estás a treinar para amanhã?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a treinar? era preciso? estive a ver o Macbeth, acho que aprendi alguma coisa de táctica...

      Eliminar
  4. Posso juntar-me a ti? Eu tropeço nos meus próprios pés, não me parece que consiga ir muito longe também. :)

    Um beijo, Menino Tempestade. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ainda nã sei como nã fui ao chão, aquilo era mais um lamaçal do que um campo, mas sabes, fiquei a pensar nas tuas palavras... a tropeçar também se vai a algum lado, pelo menos nã se fica no mesmo sítio, até é menos monótono, se pensarmos bem :)
      beijo, rapariga dos pés leves!

      Eliminar