quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

jugular

Já me tinha esquecido do chão.
Segui o grupo escada acima, como um visitante silencioso de língua estranha. Conhecia todos os cantos daquela casa, sabia a perpendicularidade das sombras, os fluxos de ar, o ranger das tábuas, o que habita para lá das portas. A oeste da escadaria, os jarrões estremeceram. Meio dia sem ponto de fuga, era aqui que perseguíamos a luz. Alguém se aproxima, uma figura delgada, negra tingida. Quando fala, a boca não mexe, borrão de tinta, vem buscar-me. Despeço-me, dois beijos que nem se tocam, sem pele, sem carne.
A rapariga inacabada na árvore olha para mim, abandonada no tronco. Ausente, distante. Morrerei em breve à sua frente, ainda jovem, sem a terminar.

Wet Girl and Octopus Illustration

29 comentários:

  1. Olha e o polvo?

    Li duas vezes, além dos beijos da Imprópria não me ocorre mais nada. Não percebo porque a boca dela não mexe. Ficarei com a dúvida :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. lamento o engano, mas desta vez é para mim que escrevo :)

      Eliminar
  2. A única mulher que "conheço" cujas vestes negras lhe tapam a figura cadavérica,sem pele nem carne, que nos fala à mente, e por isso, a boca não mexe, é a morte. Fria, sempre aparece quando temos coisas para acabar. É uma desmancha prazeres

    :))

    ResponderEliminar
  3. A palavra jugular tem um efeito muito especial em mim porque me remete sempre para um misto de sensualidade e de dualidade vida / morte. Talvez pelo pulsar e pela zona em que se situam tais veias.

    ResponderEliminar
  4. tubaraslhasteme octopus...ou antes, prefiro não entender.
    põe-te fino e lambareiro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. agora que eu estava a gostar do teu pescoço e a deixar vir ao de cima os meus instintos vampíricos...

      Eliminar
    2. é castigo divino...octopus for ever :)

      Eliminar
  5. Manel, isto está da cor do tempo, cinza escuro, quase negro.

    ResponderEliminar
  6. Estamos sempre inacabados, mesmo com chão.
    Aqui chove!
    Beijo:)

    ResponderEliminar
  7. Não sejas preguiçoso! Mãos à obra! Acaba lá isso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã está nas minhas mãos, são nuvens mais altas...

      Eliminar
  8. Manelito, isto está um pouco sombrio. Ou será o polvo que está a largar tinta?

    Deixo aqui um abraço de oito braços, com ventosas e tudo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a falta de palavras é a pior das ressacas...
      abraço, Miss Smile.

      Eliminar
  9. Temos que ir buscar o Sol para o Manel! :)

    Eu cá não me importo nadinha de ficar com a chuva. Sou boa pessoa, não sou? :)

    Deixo-te uma abraço, Menino Tempestade. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. aqui esteve sol... também prefiro a chuva :)
      beijo Castiel, menina bonita

      Eliminar
  10. Adoro estas fases noir!
    Um rum debaixo de chuva, achas que ajuda?

    ResponderEliminar
  11. Bora aí lançar os tentáculos a algo encorajador. Tenta inspirar-te na BD japonesa... :p

    Boa noite, Stormyzinho :)

    ResponderEliminar