zero


cinco graus e chuva fraca… se usasse mais do que uma palavra nos meus títulos.

À sexta escapam da clausura, trocam o cansaço e vestem a melhor coisa por umas cervejas, ou outra espécie. A menos de seis quilómetros vende-se, mas decidem uma rota mais audaz, ambiente melhorado, quase o triplo da distância. Entenda-se ambiente melhorado como sítio ocasionalmente frequentado por mulheres, sendo a noite de sexta o valor máximo da probabilidade. Calha ao maltês na sorte, o azar de trazer o carro, não haverá ressaca e o frio crava-lhe fábulas nos ossos.

Quatro graus e chuva fraca, queima como neve quando toca. É rápido. Nas traseiras dos depósitos, ao fundo depois dos banheiros, não há lençol amarrotado, somente frio e negrura infinita. É tão rápido que os olhos não se habituam, deslizam cegos um no outro agarrados pela cabeça, pouco da pele exposta é quente. Das bocas libertam-se arfados, ais em duas línguas, o ar em nuvens, não há vocábulos, os corpos comprimem-se, atravessam os poros.

Zero graus e chuva fraca. Chega silencioso, mais gelado e vazio, amor ordinário, metade do homem que escapou, sóbrio.


Touch by Sainer, 
acrylics on canvas 70x150 cm, 2012 ... more were

Comentários

  1. Vá lá, nem tudo está perdido, metade do homem escapou sóbrio!
    A noite fria, vazia e com muito grau de apatia não faz bem a ninguém Manelito.
    Beijinho Moço :)

    ResponderEliminar
  2. Meio afilhado, em meias sextas, meias sobriedades, meias temperaturas em ambientes meio escuros, meio escusos a que, nem meios amores se podem chamar. Outro meio que se move na lucidez. E assim se faz o mê afilhado mailindo quinté, que não há meio de dar volta a uma vida de meias tintas.

    Abreijo em TU afilhado mailindo

    ResponderEliminar
  3. Talvez metade da noite seja a lembrança do dia :)

    ResponderEliminar
  4. O amor ordinário chega sempre gelado e vazio. Mesmo quando servido a trinta graus.
    Bonito post.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sintomas associados: dispepsia e eructação de palavras.
      Obrigado Capitã!

      Eliminar
  5. Uma curiosidade do caneco - factual - de saber qual a tua idade cronológica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :D uma curiosidade do caneco... saber quantos me dás.

      Eliminar
    2. Factual: sou um desastre (conforme referi lá na hospedaria) a atribuir idades cronológicas. Do bebé ao avô (conforme o anúncio :)

      Eliminar
    3. mas se calhar até acertavas... pronto, são 37

      Eliminar
  6. Respostas
    1. caraças, devias ter dito um número... até podíamos ter feito um concurso :)

      Eliminar
    2. não brinques com os meus 17, à la totobola, ou levas uma canelada que nunca mais t'alembra a brincadeira dos númbaros. Eu é que m'alembrei dos númbaros, mazera só para saber, não para ganhar.

      ai.

      Eliminar
    3. pardon... já cá não está quem latiu... :)
      ai

      Eliminar
    4. já passou, agora queria saber da autoria do teu belo cabeçalho de pendor tão japonico :)

      Eliminar
    5. magellinadad.blogspot.pt/2012/04/japanese-woodblock-style-waves.html

      Eliminar
  7. Respostas
    1. nã pode ser sempre, ou qualquer dia fico sem figo... :)

      Eliminar
  8. E no zero também existe um todo que pode criar raízes.
    Digo eu, que já me chamaram niilista !
    Beijo Manel.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã será de todo impossível, mas o zero é ambivalente, dependendo se está à esquerda ou à direita... :) beijo, beijo, beijo

      Eliminar

Enviar um comentário