domingo, 1 de novembro de 2015

ważka

Querida ex-Musa

Como tens passado? A princesa vai bem na escola? Estará crescida, linda como a mãe, provavelmente não a reconheço. E os teus pais, os teus irmãos?  
Escrevo para agradecer, embora tardiamente, a tua última mensagem. Naquele dia faltaram-me todas as palavras, os meus dedos congelaram dois centímetros acima do teclado, só te peço que esqueças o que não disse, olvida em absoluto o meu silêncio. 
Não sei até que ponto ficaras satisfeita por saber que procuro quem te substitua, coloquei anúncio no jornal, mas até ao momento não recebi qualquer resposta. Talvez tenha elevado um pouco a fasquia, ou temo ter assustado as mais sensíveis com as minhas obscenidades. Lembro-me do quanto gostavas das palavras que usava, mesmo as que os outros escutavam como estranhas ou sujas. 
Não devia reler o passado. Quanto mais distante me colocar, ao contrário das leis da física, menor é a queda. Mas sinto-me agrilhoado no presente, encarando por horas e até dias as linhas deixadas em branco, arredado do doce odor de um parágrafo novo, desfiando lentamente um abismo mortal entre mim e a caneta. É um suplício, atormentado sem assunto, alui-me o ânimo. Tu sabes como fico, conheces as minhas crises, de forma impossível conseguias sempre arrancar-me do marasmo das águas paradas. Agora só me resta ficar aqui estagnado, compondo o vulgar à espera de uma musa que me inspire, nem que seja em part-time ou a recibos verdes.
Da minha parte posso garantir que nunca te esquecerei, nem diluirei da memória os teus sonhos nos quais me permitiste entrar todas as noites e perseguir-te rio acima, seguindo as pegadas frias que deixavas nas rochas, até à nascente de tudo que é belo. 

Espero sinceramente que sejas feliz.


Teu, para sempre 

Acrylic painting 'wAżka' by Justyna Jabłońska


18 comentários:

  1. o título/nome da tela é um nome próprio ou comum?
    a tela é uma beleza (e eu, que nem aprecio tatuagens, em geral, achei esta deveras encantadora) e o texto idem. Por outro lado, esta tua coisa com as musas revela uma preguicite aguda, não? cadê a inspiração que brota das calçadas, dos líquenes, do aroma que o café exala pela manhã, do sorriso de uma estranha que jamais reencontrarás, de uma personagem de ficção, eu sei lá, de tanto sítio, tanta gente, tanto momento?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. comum... como a tatuagem responde à primeira pergunta, a outra nã sei responder... acho que se gastou.

      Eliminar
    2. Lazy-Weather seria sempre o teu nome, foras tu um índio :)

      Já te passou pela cabeça (qualquer delas :) que as musas se cansam da trabalheira da pose? Há muitos, muitos anos, no tempo em que os animais falavam, referi-me um dia num daqueles blogues implodidos por obra e graça da minha excelsa vontade, às musas, com a expressão Musa Tusa Lusa. Diz muito, tanto quanto não diz.

      Feet-on-the-ground também não te assentaria mal de todo, em regime de experiência a tentar :p

      Eliminar
    3. Alexandra, a Grande! neste momento em nenhuma delas se passa grande coisa... e esse será o "major problem" :)
      quanto aos pezitos no chão... talvez um dia, dizem que o juízo pode crescer, mesmo depois dos dentes do siso.

      Eliminar
    4. bah, Lazy-Weather :)

      já eu, sofro do exacto oposto, tudo para mim é inspiração, não necessariamente transposta para a escrita, mas essencialmente para os meus humores; na época de transição de estações, então, fico praticamente imparável com tudo em redor, tão estimulante.

      não deverias tentar sair um pouquito que fosse de dentro de ti, para regressares mais, digamos, regenerado?

      :)

      Eliminar
    5. é bem possível que tenhas razão... mas neste momento sou imprescindível de mim :)

      Eliminar
    6. um óbvio exagero, de tanto beijo que deixaste ali abaixo :)

      (não te preocupes, mas o normal entre as pessoas com pila é que raramente aguentem muito tempo "imprescindíveis de si" (adoro traduções :))))

      Eliminar
  2. Vês?! É assim que penso também. Escudas a tua preguiça mental na musa, que ora não tens, ora não te inspira.
    "Teu para sempre"
    Magano mentiroso, para sempre não existe :=)

    Tua madrinha até que dê ehehehehh


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. já sei, já sei... e sim, tens novamente razão, sou mentiroso, compulsivo :)

      Eliminar
  3. Ficção ou não gostei muito de te ler Manelito:)
    Há sempre alguém que nos motiva, mesmo que ausente.
    Beijinho moço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. faz diferença que seja ficção? :)
      beijo, beijo e beijo Sandra!

      Eliminar
    2. Não faz diferença não, quem faz a diferença és tu :)
      :) :) :)

      Eliminar
  4. Acho que estás a precisar de umas consultas de marketing. Se isso do anúncio não resulta não é por falta de musas, tu é que não estás a vender-te muito bem...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mas que excelente ideia me acabas de dar... adoro-te anónimo(a)... bah... o que fores, beijos, beijos, beijos.

      Eliminar
    2. Assinar dá muito trabalho...

      Ó menina

      Eliminar
    3. logo vi que eras tu que estavas no atendimento :) sugestões aceitam-se...

      Eliminar
  5. Não te vendas... nunca!
    Posso enviar-te um diabo daqueles que nos inspiram mas que não nos roubam as recordações.
    Bom dia, bom dia Mau Tempo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tou tão mal cotado nestes dias que até ia por uma sopa de favas :D Dou-lhe uma, dou-lhe duas, dou-lhe três, vendido aquela senhora com o chihuahua!
      Bom dia, bom dia menina das dez.

      Eliminar