sábado, 3 de outubro de 2015

repost

"Uma acalmia contagiante espalhou-se pelo parque ainda a tarde estava no início. O vento aligeirou para brisa, apaziguando as folhas caídas junto aos degraus gastos esverdeados de musgo, os pássaros resistiram à sua natureza irrequieta e em silêncio procuraram um ramo próximo, quase estáticos agora que o vento acalmara na alameda de plátanos, sempre deserta aquela hora do dia. 
Sentei-me no banco mais a norte, usufruindo de meia sombra e da quietude que se instalara, longe de imaginar-me no epicentro, espiado por pardais, pombos, melros e até uma coruja com insónias. Se tivesse erguido o olhar para o céu, estranharia as poucas nuvens à solta, suspensas sem movimento, coladas em rama a um fundo tão azul e vazio.(...)"    

 gelha, 25 de outubro de 2012

Chûte de feuillus de Vicent van Gogh, 1888.

7 comentários:

  1. Não há bela sem senão, não é afilhado?
    A perfeição não existe.
    Mesmo numa criação que se diz perfeita, habitam seres de imperfeição total.

    abreijo daqui até aí

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. a perfeição existe para quem a consegue ver...

      Eliminar
  2. Até esses, um dia, se perguntarão se estariam a ver bem :=)

    ResponderEliminar