sábado, 4 de abril de 2015

emersão

Havia um cristo pendurado que observava em sofrimento, os castigos físicos que a senhora professora nos infligia. Lembro-me dele, terei suplicado por um milagre no momento em que a palmatória esvoaçava no ar em direcção à minha mão, a minha avó fazia-o muitas vezes. Mas ele não me atendeu. Por isso comecei a pensar que deus não existia, só quando algo de mau acontecia, achava que estava a ser castigado devido à minha insolência. Outras questões foram surgindo sem resposta à vista, se cristo era filho de deus, e deus criara o homem e todo o universo, porquê que não tinha deus intercedido, lançando um raio fulminante sobre pilatos? Como é que um pai permitia que o seu filho fosse pregado e morresse em sofrimento? Mas afinal, se deus era o criador, ele era pai de tudo, e sendo pai de tudo, como podia permitir que crianças morressem à fome?  Estaria deus tão ocupado a castigar-me, que não lhe sobrava tempo para fazer chover em África? Onde é que deus estava quando Hiroxima e Nagasáqui foram bombardeadas? E os dinossauros? Que mal teriam feito os dinossauros para serem exterminados da face da terra? E se eles foram, nós também podíamos ser, foi então que decidi retirar deus da equação e tudo fazia mais sentido. Tornei-me no que se denomina um ateísta, e permaneci ateísta durante algum tempo.

No auge da minha adolescência, Kurt Cobain matou-se com um tiro de caçadeira no dia 5 de abril de 1994. No dia seguinte, Juvénal Habyarimana e Cyprien Ntaryamira foram assassinados. Um era o presidente do Ruanda, o outro do Burundi, mas isso fica algures nos confins de África e deus não quer saber. Dá-se início ao genocídio no Ruanda, em 100 dias calcula-se que morreram 800 mil pessoas. O mundo e deus assistiram em silêncio. No final de agosto de 1994 estima-se que cerca de dois milhões de pessoas refugiaram-se nos países vizinhos, como a Tanzânia, Burundi, Uganda e Zaire (actual República Democrática do Congo). Vinte anos depois, alguns ruandeses continuam sem regressar.
Nesse mesmo ano ainda decorria uma outra limpeza étnica que começara quando um clima de paz finalmente pairava sobre a Europa. O cerco a Sarajevo foi o mais longo da história moderna. Entre 1992 e 1996, morreram cerca de 100 mil pessoas. Atiradores furtivos alvejavam crianças, animais domésticos, homens e mulheres que passavam nas ruas para procurar comida e água. Jornalistas instalavam-se em zonas estratégicas e fotografavam ou filmavam a população a ser alvejada. Em Srebrenica, oito mil muçulmanos bósnios, entre os 10 e os 77 anos, foram executados, alguns foram empurrados vivos por retro-escavadoras para uma vala comum. A comunidade internacional assistia impávida e serena no conforto das suas casas, e deus ou alá, de férias numa estância balnear em Èze.


Também gostava de um dia ir até Èze, aquilo parece bonito. E quem sabe até encontrava deus esparramado numa espreguiçadeira a fumar charros. Eu sou mais de amêndoas e não tenho nada contra os feriados, nem que os coelhos ponham ovos, mas por estas e por outras, não comemoro a ressurreição de ninguém, apenas vou relembrando os que já partiram.
Quando a minha sobrinha nasceu em 2010, tornei-me agnóstico.


emersão: trata-se de «acto de emergir, de vir ou trazer à tona» e, em astronomia, «fenómeno da reaparição de um astro depois de ter sido eclipsado pela sombra ou interposição de um outro» (in Dicionário Eletrônico Houaiss).

3 comentários:

  1. Manelito, deixas-me fazer uso das tuas palavras, para dar voz viva às minhas?
    Só nos resta chorar e lamentar as vidas perdidas, assim como cuidar das vidas dos que cá estão e que nos fazem sorrir:)
    Deixo um beijo Manelito, e eu também com o tempo me tornei agnóstica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o tempo e aqueles que partem, fazem coisas destas... beijo Sandra

      Eliminar
  2. Olha afilhado, pelas mesmas razões que apontas e outras tantas que mesmo não tendo conhecimento, sabemos existir, tornei-me... ai... como dizer isto... "ATUA"
    Pois, dava uma trabalheira explicar, então decidi ficar-me pelo agnóstica teísta uns dias, e noutros, mais amargos, agnóstica ateísta..
    Como diz a Sandra, choremos as vidas ceifadas de morte matada, e cuidemos dos que cá estão e nos fazem sorrir.
    Abreijo afilhado mailindo quinté

    ResponderEliminar