sábado, 26 de abril de 2014

beijo

Quando Adão acordou e viu Eva, não se fiou nos seus olhos e estendeu a mão ainda deitado, tocando ao de leve na pele rosada e arrepiada com a ponta dos dedos. Tal como ele, ela era carne fraca em osso rijo, mas recriada de uma costela flutuante, envolvida numa suavidade perfumada que parecia ter origem nos seus lábios, pequeno botão delicado, entreaberto exalando o morno orvalho. Aproximou o seu rosto muito lentamente, impelido por uma força divina rodou a cabeça cinco centímetros para a direita, desviando a protuberância nasal de chocar de frente e por fim, encostou os seus lábios aos dela.
E fez-se o beijo.


Sem comentários:

Enviar um comentário