gémeos

 

O homem ligou a chaleira e colocou na mesa os frascos de doces sem rótulos e as bolachas de água e sal. Lá fora o céu fechava-se em silêncio, imperturbável, caindo das alturas sem ferir a terra. Na pouca luz que sobejava, pegou no livro marcado pelo meio, recomeçando a leitura nas primeiras linhas onde tinha ficado. A chegada quase coordenada dos jovens e o rarear da luz, levaram o homem a abandonar o livro para se dedicar a observá-los. O espírito não era uniforme, uns vinham animados pelo sucesso das suas experiências, outros cabisbaixos, alguns revoltados ou cansados, mas aos poucos o ambiente harmonizava-se, animando-se uns aos outros, enquanto bebericavam chá quente e comiam bolachas barradas de doce. O que estás a ler? Perguntou a rapariga dos olhos azuis como mares, esticando o pescoço para tentar ler o título do lado oposto da mesa. Não é muito do meu agrado, disse o homem, algumas partes impressionam-me. É sobre o quê? Insistiu a jovem. É um livro de ficção científica, sobre uma experiência com gémeos… há aquela teoria dos gémeos sentirem quando algo de mau acontece ao seu gémeo, ou morrerem logo após a morte do irmão. Mas gémeos de signo? Troçou o rapaz com dentes de coelho. Neste caso são gémeos verdadeiros com cerca de cinco anos de idade. Duas meninas. Disse o homem, intercalando uma dentada na bolacha dura com um gole de chá morno. Que tipo de experiência? Quis saber uma outra jovem. A ação do livro acontece num futuro em que se encontrou um planeta habitável para além da Terra, só que esse planeta distante é habitado por outros seres, supostamente mais primitivos e vivem por enquanto em harmonia com a colónia de humanos. Nesta altura o homem tinha a plateia toda atenta e quando fazia uma pausa, só se ouvia algumas bolachas a fragmentarem com dificuldade. Mas como são seres primitivos, há o receio que se possam insurgir contra a colónia e como estão tão distantes, não têm forma de serem acudidos por uma frota terrestre. A ideia deles é colocarem uma das gémeas nesse planeta e manter a outra na Terra. Só que como não têm a certeza se iria ou não funcionar, estão a testar numa ilha, tentando medir o alcance da comunicação. Testar coisas em crianças, isso é horrível! Observou o jovem dos dentes de coelho. Não é a única parte horrível, também me impressionou a cena da morte da raposa. Disse o homem, enchendo mais uma vez a chaleira. Conta! Pediu a rapariga cujos olhos eram agora dois faróis acessos. Então tenho de vos falar do personagem principal, um homem que está apaixonado por uma mulher.




Comentários

  1. Com a leitura deste teu texto, magnífico, Manel, cheguei à conclusão que o motivo principal do meu desinteresse por livros e filme de ficção científica, é não haver um guião ou narrativa à altura.
    Qual adolescente, igual a esses que ficaram presos às palavras do homem, também eu fiquei presa ao encanto das tuas. Não irei ( a propósito de ir, coloca, pf um 'i' ali na 'ira' pois era 'iria' que tu querias escrever) , como ia dizendo, não irei tecer mais elogios à forma tão cativante que tens de expressar os teus pensamentos. Tu sabes!
    Pois...o mal todo é essa coisa de homens e mulheres estarem sujeitos à paixão...:)

    Beijos, Manel.
    Bom fim-de-semana, meu Amigo. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. já corrigi, muito obrigado :)
      há livros e filmes muito bem estruturados, de tal forma que nem te apercebes que se trata de ficção científica. mas eu sou suspeito, porque fico fascinado com o imaginário, o impossível e ao contrário do que muita gente julga, nã é nada fácil criar mundos :)
      bom fim de semana caríssima

      Eliminar
  2. Ah, não vi o vídeo agora, virei vê-lo mais logo. Prometo!

    ResponderEliminar
  3. 'Um homem que está apaixonado por uma mulher' e a culpa é da serpente...sei! Não era preciso recuar tanto, ao Genesis...

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso, tudo! Obrigada, Manel. Obrigada.

    ResponderEliminar
  5. Eu, ainda não perdi a esperança de um dia comprar um livro teu.

    Beijocas, afilhado mailindo

    ResponderEliminar
  6. Mas esta vai continuar...ou não?
    O filme é muito bonito...mas aquele momento em que a raposa se solta e parece ir estatelar-se contra as rochas é doloroso...que ideia seria a dela?! Morrer? Ou simplesmente ser também um pássaro e voar?
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. vou tentar continuar...
      também fiquei suspenso, mas acho que era um acto de sacrifício

      Eliminar

Enviar um comentário