encolher

 O último texto afinal acabou por ser de alguma utilidade, originando comentários bastante interessantes que me deixaram a pensar nesta coisa do tempo não meteorológico. Afinal o que é o tempo? Será que isto só existe na nossa cabeça? Há quem afirme que o tempo é coisa que existe mesmo e que será contínuo, mas que não existe dissociado do espaço. O que leva a outra ideia muito interessante, uma vez que o espaço parece poder aumentar e se isso acontece, será que o tempo também aumenta?

O tempo é unificado com o espaço através do conceito de Minkowski de espaço-tempo, que para mim é chinês mas ficava bem dizer, mas o tempo e o espaço têm um comportamento diferente, já que podemos ficar parados no espaço, mas não no tempo, pois parece que o tempo flui inexoravelmente. Mas será mesmo assim? 

Há teorias que defendem que novo espaço está continuamente a ser criado entre as galáxias. Não são as galáxias que se movem, apenas o espaço entre elas é que aumenta, postulando que o aumento de espaço é acompanhado pelo aumento de tempo. O aumento de tempo é preciso que se entenda que é a criação de novos momentos de tempo, constantemente a acontecer. Por isso segundo Richard Muller e colegas, o futuro ainda não existe. Não estamos a avançar para o futuro, porque ele está a ser constantemente criado. Este momento que experimentamos como "agora" em que esta frase está a ser lida, pode ser identificado como o instante de um novo tempo que acabou de ser criado. 

Mas como se prova isto? Muito fácil, até uma criança de cinco anos conseguia. Ou não. Sinceramente acho que entendi uma parte, mas a outra ainda estou a tentar. Mas mesmo assim vou traduzir para "simpliguês" a parte que acho que entendi. Se não for nada disto, por favor corrijam-me. Então segundo eles, é possível observar um atraso no surgimento da radiação gravitacional quando dois buracos negros se fundem. As ondas gravitacionais são como o próprio nome indica, ondulações na curvatura do espaço-tempo, idênticas aquela ondulação que ocorre quando um objecto cai na água e as ondas propagam-se a partir desse ponto para a periferia até desaparecerem. Só que estas ondas deslocam-se à velocidade da luz e são provocadas não por uma pedra a cair na água, mas pela fusão de objectos massivos. Numa fusão deste tipo, são criados milhões de quilómetros cúbicos de espaço na região em que a onda gravitacional é gerada, num evento curto e repentino. A criação deste novo espaço deve ser acompanhada pela criação de um nível detectável de novo tempo, resultando num atraso de tempo que poderia ser observado como um atraso crescente na emissão da onda à medida que a fusão ocorre. Parece que há um telescópio para medir ondas gravitacionais, mas não me perguntem como o faz exactamente, nem como é possível detectar este atraso de alguns centésimos de segundo de tempo. O meu relógio não o faz.

Agora a pergunta que me fica a bailar na cabeça é: E se o espaço encolher, também o tempo encolhe, ou volta atrás? 

Simulação da fusão de dois buracos negros




Comentários

  1. Confesso não ter tempo para perceber o tempo. Se calhar o tempo é para se viver dentro dele e não para se perceber como dentro dele se vive.
    .
    Um domingo super feliz
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e nã há nada mais valioso que o tempo, principalmente num domingo :)

      Eliminar
  2. Ena que post! Confesso que nunca pensei no tempo, nessa perspetiva. O que me preocupa é viver o tempo que por cá ando o melhor possível, sem pisar ninguém, nem estragar mais o planeta do que já está. Lembro-me de um dia ter lido na Superinteressante um artigo em que alguns cientistas afirmavam que os dias reais já não tinham 24 horas, pois estavam a encolher alguns segundos por ano há vários anos. Se é verdade ou não não sei os relógios continuam a marcar 24 horas. De resto para o comum dos mortais o tempo é muito subjetivo. Para quem está feliz o tempo parece estar a correr, para quem tem hipotecas para pagar, nunca mais passa. Do mesmo modo que quando somos crianças o tempo parece estar parado, tal o desejo que temos de ser adultos. Quando entramos na velhice, os dias passam a correr, de tal modo queremos por em prática tudo o que aprendemos ao longo dos anos e as pernas ou a mente trabalham em câmara lenta.
    Em Lagos foi pedido ao escultor Paulo d'Eça Leal que fizesse uma escultura sobre o tempo que o homem vive na terra. Ele construiu uma estrutura metálica com uma bola gigante de devido a um mecanismo vai balançando. Ou seja para ele o tempo será uma bola gigante que vai rolando ao longo dos dias que vivemos.
    Abraço, saúde e bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. fui pesquisar a tal dita escultura e parece mais um pêndulo... que anda para trás e para a frente, exactamente o que nã acontece com o tempo, supomos... mas até nem está muito mal, confesso que esperava algo pior :)
      Tenho boas notícias Elvira, os dias estão a aumentar e nã a diminuir :) tem a ver com a velocidade de rotação da Terra, que vem diminuindo ao longo dos séculos, sendo que atualmente, o dia sideral aumenta em 2,3 milissegundos a cada século.
      verdade esse passar distinto do tempo, mas curiosamente o dia de hoje foi produtivo, até chegou a ser lento, sei lá como
      boa semana, saúde e um abraço

      Eliminar
  3. Ou não fosse isto tudo uma tela de fios ondulantes, entrelaçados, onde se sustêm corpos que acumulam bravuras, desventuras, vontades, desejos... que quando, atraidos entre si, se amalgamam provocam estremecimento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pois se tudo tende para a desordem e aumento da entropia, então vamos para o estremecimento, vamos sem demora :)

      Eliminar
  4. E se pudéssemos voltar atrás, não seria a nossa desgraça? Íamos tentar "corrigir" tudo, estragando outra vez 😶

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. lá está, se voltar atrás, vai nesse sentido e só nesse sentido... nã há "correção" possível :) seria apenas a desordem em direção à ordem, coisa que nem na ficção parece possível

      Eliminar
  5. Nada melhor para relativizarmos a realidade do que nos situarmos no espaço e no tempo, percebemos quão minúsculos somos...e isso de vez em quando faz bem, leva-nos para lá do nosso umbigo...e para lá do homem como centro do universo. Viaje sempre, mesmo que pelo espaço, e traga-nos estas histórias com q.b de ciência à mistura.
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. concordo com essa perspetiva, nem entendo porque se passa tanto tempo em guerras e conflitos quando somos tão insignificantes e finitos

      Eliminar
  6. ...oxalá encolha o espaço, encolha o tempo e tudo volte atrás para eu voltar a ser criança... 😇

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eheheheheheheh, esse deve ser o desejo da maioria, voltar ao tempo em que se é verdadeiramente feliz

      Eliminar
  7. E... O tempo perguntou ao tempo quanto tempo o tempo tem. O tempo respondeu ao tempo que o tempo tem tanto tempo quanto tempo o tempo tem.

    O tempo de cada um de nós, tem exactamente o tempo que vivemos, com muito ou pouco espaço.

    Olha, vou ali e já venho, fiquei toda abananada, e com ou sem tempo, já nem espaço tenho para cair de taõ baralhada que fiquei. :)

    Beijinho, afilhado mailindo
    Isto é que é regressar em grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã é assunto leve nã senhora, tem muito que se lhe diga e há muito que nem me atrevo a tentar entender :)
      beijos madrinha, vamos ver quantos dias me aguento

      Eliminar

Enviar um comentário