efémero

  "A luz do dia escoa-se lentamente por detrás das casas de tijolos iguais. Em breve fecharei os olhos com as palavras ainda a dançarem fora de ordem, incapaz de as arrumar, de lhes dar sentido..." escrevi no mês passado e assim ficou e assim ficará, porque realmente não tinha como levar isto daqui para outro lado. Nada acontece. Nem fora nem dentro da minha cabeça. Nem sonhos, nem pesadelos. 

É possível que o senhor que dá aqueles conselhos simpáticos sobre escrita esteja coberto de razão. Sou insignificante para o universo. O que escrevo é insignificante. Por isso não devo preocupar-me tanto, nem sobre o assunto, nem sobre as palavras que uso. Dois ou três dias depois de serem lidas serão esquecidas, amontoadas num aterro de palavras, pertença do passado enquanto o diabo esfrega um olho. E é engraçado, nunca o passado foi tão efémero, parece-me. 



*porquê que o diabo esfrega um olho? ele é rápido, isso já sabemos, mas nã se deve esfregar os olhos, eu sei, hoje esfreguei e correu mesmo mal...



Comentários

  1. Só o presente é efemero. Alimenta-se do passado, condiciona o futuro e raramente nos apercebemos.
    Não sei quem é esse senhor simpático dos conselhos mas o Mário de Carvalho tem um livro, um 'guia prático para a escrita de ficção' com o título 'Quem disser o contrário é porque tem razão' e está certo, é uma boa leitura.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. hum... talvez o presente seja efémero, mas nã era isso que queria dizer, nã o mesmo grau de efémero :) será que há presente?

      Eliminar
  2. Passado é passado. O efémero é o presente, o dia a dia, no que concerne aos fatos bons. Os maus não são tão efémeros. Os dias passam como a água se esconde na areia. A vida é apenas uma passagem... tão rápida.
    .
    Feliz fim-de-semana
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. lá está o Rycardo a dar-me razão: o presente tem essas duas medidas, em que tudo pode acontecer num ápice, ou então parece que o tempo quase para e o presente dura uma eternidade, e aí nã há nada de efémero. Se houver de facto presente, pois eu já acreditei mais nisso do que acredito agora :)

      Eliminar
  3. Com um olho que já teve dois descolamentos da retina, e transplante de córnea e o outro com outros problemas, esfregar os olhos pode ser a diferença entre ver o suficiente para ler o que escreve ou deixar de o poder fazer.
    Abraço, saúde e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda nã sei se foi da malagueta que usei na mistela de legumes que cozinhei ao almoço, ou se foi de um produto químico que usei para retirar uma cola... e tinha lavado as mãos...
      nã me deixe de ler Elvira
      bom fim de semana, saúde e um abraço daqueles

      Eliminar
  4. A Tetisq tem razão, é um livro hilariante e inteligente.
    Excesso de conteúdos, acesso democratizado, estranhamente ou não, desvaloriza a produção.
    Mário Vargas Llosa tem um livro excelente sobre o tema, A civilização do espetáculo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. só fico com menos vontade de escrever... quando leio quem o sabe fazer

      Eliminar
    2. Estás a pensar ao contrário, Polvo. Não racionalizes tanto. Não tens que provar nada a ninguém, deixa fluir 😋

      Eliminar

Enviar um comentário