hepáticas

 

As coisas não estavam a correr muito bem na pacifica cidade de Cephalopoda. Grandes manifestações com mais de cem mil espécies de seres marinhos, exigiam que as novas restrições à lei do aborto implementadas pelo governo ultraconservador, não fossem avante. E pareciam ter resultado. Em simultâneo, a cidade era atingida pela segunda vaga do terrível camarona krill, com números muito elevados de infectados e a possibilidade eminente de um novo lockdown. Quase todas as escolas estavam fechadas, cafés e restaurantes só funcionavam em take-way. 

O Sr. Polvo lembrava-se muito bem da primeira vaga, dos quase dois meses aprisionado na pequena ânfora e não desejava que tal voltasse a acontecer. Por isso o Sr. Polvo era extremamente cuidadoso e usava sempre a sua máscara de algas, lavava constantemente os seus oito tentáculos e mantinha o distanciamento de dois metros sempre que lhe era possível. Nunca mais se cruzara com a menina Lulinha no autocarro, porque evitava os horários em que estes andavam mais cheios. Ainda se encontrou uma ou duas vezes com uma amiga a quem regava frequentemente as hepáticas talosas, Donax trunculus, mais conhecida por menina Conquilha, uma bivalve de concha triangular muito lisa e acetinada. Mas terminavam sempre a noite a discutir, principalmente sobre política e o Sr. Polvo deixou de a procurar por achar que a menina Conquilha não passava de uma concha vazia e fútil, que enchia consoante as diferentes marés. A partir dai só abandonava a sua ânfora para ir trabalhar, regar a horta ou abastecer-se no supermercado, passando o fim-de-semana fechado, entretido com séries de ficção científica e longas sestas no sofá. A última que andava a ver era sobre um caçador de prémios, o Muraenidae, ou moreia para os amigos, cujo corpo serpentiforme era protegido por uma brilhante armadura de beskar. Este era mesmo o tipo preferido de herói do Sr. Polvo: um fora-da-lei, um lobo solitário, com uma forte consciência social.




Comentários

  1. O Sr. Dom Polvo saberá dizer-me se essa tal camarona krill ainda demora muito a abalar?

    É que também eu me estou a transformar numa loba solitária.... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eheheheheheheh, vamos dar-lhe só tempo de fazer as malas e por-se a mexer daqui pra fora :)

      Eliminar
  2. Ora viva Sr Polvo! Seja bem vindo!

    Acho bem que tenha desistido da menina Conquilha. O que não falta é peixe no mar.

    Tem é que arriscar sair da ânfora...

    Cuidado sim, pânico não. Que seja o que tiver que ser.

    Anda a ver o "Jack Taylor"?

    Boa semaninha, "Mau-Tempo"! Por aqui, com sol. Yeah!

    Sandra Martins

    PS - Venha daí uma receita daquelas com produtos da horta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nã, ando a ver o Mandalorian... e às vezes o Admirável mundo novo!
      De momento a horta é mais couves... nã dá muito para receitas, mas tenho mais sonhos estranhos...
      boa semana Sandra

      Eliminar
  3. Respostas
    1. a amêijoa era a que cantava no coro? perdi-me um pouco na secção dos bivalves... mas se era essa, também nunca mais lhe pus a vista em cima...
      conheço muita gente com, mas acho que continuo sem...
      e a vizinha? ta boazinha?

      Eliminar
  4. Camarona krill? Céus ( ou devo dizer Oceanos?)! Nem nas histórias bem contadas (ou devo dizer sonhadas?) se escapa à pandemia... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eheheheheheh, Oceanos! nã me lembrei dessa...
      já lhe dei ordem de partida, só está a empacotar a mala e diz que já vai :)

      Eliminar

Enviar um comentário