głowa

Quando no início de agosto Cora me convidou para passar uns dias no campo em casa da mãe, aceitei de imediato sem perguntar quem mais estaria para além dela e Deméter, a lindíssima mãe de Cora. Sabia que o marido de Cora não suporta o campo nem a sogra e esse conhecimento prévio contribuíra significativamente para a minha decisão apressada e irreflectida. Mas esse não foi o único motivo. A beleza das duas e a tranquilidade do campo atraíram-me como a luz atrai os mosquitos. Não pensei é que essa luz pudesse vir dos faróis de um camião. Nem pestanejei. Cora até me arranjou boleia com Brama e Sarasvati que fizeram um desvio de trezentos quilómetros para me apanharem e quando chegaram no seu coupé minúsculo, Despina também lá vinha. Foi arrependimento instantâneo.
-Huracan! Meu leopardo fofo. Nem te reconhecia, estás diferente, será dos óculos ou aparaste as garras? Despina é a meia-irmã mais nova de Cora, mal amada e abandonada pela mãe que só se preocupa com a filha mais velha, desde que esta foi viver com o marido para o submundo sem lhe dar notícias do seu paradeiro. Isso fez com que Despina se tornasse uma divindade mordaz e azeda, que raramente consegue conter no seu interior o veneno que destila. A viagem era longa, por isso deitei freio na língua e respondi que era dos óculos, pois as garras ainda as tinha e bem afiadas para a agarrar. Mas a deusa da geada, a que caminha sozinha, tem sempre uma resposta iminente e cortante nos lábios. No entanto, e em contraste com a sua natureza gélida, usa sempre nomes meigos para me nomear.
-Coração dos Céus! Não venhas com falinhas mansas, sei muito bem a quem pretendes meter as garras e algo mais se assim o conseguires… olha, ficou vermelho! Vá, meu querido Néctar da Terra, não fiques acanhado. E dizendo isto, acariciou-me a cara com as mãos frias, retomando o tom esverdeado e terroso normal. Por sorte, ou azar, uma discussão havia germinado nos lugares da frente, fruto de uma discórdia entre seguir as indicações do GPS, ou seguir o saber divino do grande Brama. Nem eu nem Despina tomamos partidos, pois como dizem os mexicanos: O casamento é a única guerra em que dormimos com o inimigo. 
Brama e Sarasvati sempre discutiram, mas pareciam mais arredios, calados. A história de como se conheceram e de como Brama se apaixonou à primeira vista, sempre deixou mulheres a suspirar e homens a invejar a sua sorte. Ele conta, e como o entendo, que era impossível tirar os olhos dela, tal é a sua beleza e delicadeza. Ela, envergonhada com a perseguição do amante e porque não é fácil obrar em condições, tentava esquivar-se constantemente. Então Brama criou mais três cabeças, cada uma orientada para os quatro pontos cardeais e que podiam seguir Sarasvati em todas as direcções.  Depois, e porque Sarasvati era malandreca, criou uma quinta cabeça, mas essa foi estorricada pelo terceiro olho de Shiva que parece um lança chamas, tornando-se este assunto um tabu oficial, evitado em todas conversa a qualquer custo. E foi assim que fiquei a saber que cada mulher tem em média, durante a sua vida, quatrocentos e cinquenta períodos. E também que as abelhas obreiras são todas fêmeas.


 głowa- cabeça

Comentários

  1. Olá:- As coisas que aqui se leem e aprendem, lol
    .
    saudações poéticas

    ResponderEliminar
  2. Não sabia que eram os mexicanos que diziam isso...Pensei que só a Nancy Price - autora do livro - e a pobre Julia Roberts, que se fartou de apanhar pancada, é que sabiam disso de "Dormindo com o Inimigo"...Realmente, este blog é uma fonte inesgotável de conhecimento...

    Beijos, Cigano, e sonha com fadas e duendes , deixa lá essas minudências das mulheres e das abelhas... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. se eu soubesse mais das minudências das abelhas e das mulheres, era mais sábio :)

      Eliminar
  3. As coisas que uma p'ssoa aprende aqui. Gostava de ter mais cabeças também, quem sabe vários cérebros e muitos olhos ajudassem a ver e perceber certas coisas :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. um terceiro olho na testa que lança chamas dava muito jeito, agora múltiplas cabeças... já é difícil controlar o cabelo de uma, nem quero imaginar mais três...

      Eliminar
  4. Percebo pouco de deuses e deusas embora ache muito interessante a matéria, quem sabe um dia dedico-me. Mas o meu pai, um entendido em todas as coisas da cultura pouco comum, sempre me disse que eu era Deméter, deusa da terra. Nunca liguei muito, mas o que me diz de tal deusa, não deve ser flor que se cheire, aposto:)
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é uma deusa muito importante, se calhar uma das mais veneradas noutros tempos, pois diz-se que ela ensinou a agricultura aos mortais, sendo a deusa da colheita e por assim dizer, da fertilidade

      Eliminar
  5. Ora bolas...
    e eu apensar que já aqui tinha comentado....
    Até tinha sido um comentário giro, sobre as mãos geladas... e a história do que nem só de beleza vive o homem e blá, blá,blá....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. isto está gripado... também estou com dificuldades em comentar... e agora perde-se um comentário giro, ou quem sabe, duzentos comentários giros... nã havia necessidade

      Eliminar
  6. Respostas
    1. tenho um péssimo hábito de nã levar nada até ao fim

      Eliminar
  7. Tá tudo bem contigo, Manel?
    Nã te deixes apanhar pelo bicho mau. Cuida-te bem.

    Beijo. :)

    ResponderEliminar
  8. Um encantador piscar de olho às mulheres, sem dúvida. :)

    Abraço

    ResponderEliminar

Enviar um comentário