extinção

É inacreditável, mas parece que escolho sempre o lado dos maus. O dilema surge, assim tipo grande cartaz publicitário, bang, eu olho e penso, analiso, dependendo do tema e da sua complexidade até posso informar-me mais sobre esse tópico. Depois avanço e há normalmente três posições pelas quais posso optar. Temos então a opção:" não quero saber" que tem sido bastante utilizada para avaliar "não assuntos" que são discutidos por muita gente como "assuntos de extrema importância". Depois há a outra opção, a que chamarei de: "lado dos maus", e esta é a opção que mais vezes me sai na rifa. E há ainda o "lado dos bons" que quase nunca escolho e atenção que não faço isto de propósito, pois terão de imaginar que o cartaz publicitário, bang, aparece com o dilema em letras bem grandes, maiores que isso, em arial bold, mas eu estou tipo numa sala à parte e só depois de escolher um dos três lados, que são tipo três portas que dão acesso a outras três salas, é que fico a saber se escolhi o lado dos bons ou dos maus ou dos que não querem saber. 
Isto tudo só para dizer que mais uma vez escolhi o lado dos maus, tal como havia acontecido com a lei do aborto. Sim, há pessoas que me perguntam se quero extinguir a humanidade. Sim, eu gostaria de poder decidir sobre o meu fim, é um acto egoísta, eu sei, mas também muito mais humano (humano é igual a egoísta). Sim, desta vez não me podem criticar por escrever pouco, e mesmo que esteja a usar aquelas técnicas que os escritores da moda usam que é repetir a mesma ideia até a pessoa começar a vomitar essa mesma ideia pelos olhos, mas mesmo assim vendem porque na verdade não há nada mais fantabulástico do que vomitar cenas pelos olhos, desde que sejam fofinhas e giras e não nos faça pensar em assuntos sérios e aborrecidos, porque a vida é uma merda e depois o planeta afinal é redondo. E não, a eutanásia não vai extinguir nem metade da população. Os acidentes de viação fazem isso de forma mais eficiente. Mas sim, é verdade, não sei quem o afirmou, mas se todos os animais fossem extintos amanhã, por volta das duas da tarde, a humanidade talvez se aguentasse durante um mês ou dois, os vegetarianos e vegans talvez vivessem só quinze minutos, mas podemos discutir este assunto mais seriamente porque há pessoas que acham que os vegetarianos por não comerem animais podiam durar mais dias, mas eu tenho outra teoria. No entanto, e agora imaginando o oposto da ideia anterior e o ser humano fosse varrido da face da Terra amanhã, lá pelas dezasseis horas, o que seria mesmo muito aborrecido para quem deixa de trabalhar às dezasseis e trinta, o planeta poderia respirar finalmente de alívio, e Ufa, diria a senhora dona Terra, estava a ver que nunca mais me livrava desta gripe. 


Comentários

  1. Concordo com a cena da Eutanásia.
    Não percebi a dos vegetarianos, explica-te!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã é uma teoria séria, apenas baseada em filmes de zombies... mesmo que se produzisse carne e legumes por via sintética, a maioria da população teria de se canibalizar... logo, os vegans e vegetarianos nã comem animais, logo, os omnívoros comeriam os vegans e os vegetarianos... mas na verdade, só os ricos é que teriam acesso a proteínas, porque sem animais, deixaria de haver plantas, tudo teria de ser produzido em fábricas, os egos humanos seriam enormes, a humanidade seria reduzida a uma classe mínima, rapidamente ficariam tolinhos pois os cruzamentos levariam a doenças genéticas... e mesmo que tentassem corrigir isso, produziriam outras espécies, outros humanos melhorados que se explodiriam... que te parece?

      Eliminar
    2. Assim sendo, que venha o suicídio asdistido (sim. Prefiro este à eutanásia).

      Eliminar
    3. eu gosto de todos para ser sincero... só nã me agrada ter de pagar numa clínica na Suiça.

      Eliminar
  2. Olha, Manel, assim, sem usar de toda a tua excelente prosa, que aliás adorei ler, se achas que estar de acordo com a abolição da penalização da eutanásia, é estar do lado dos "maus", então, eu também estou. Porém, com algumas reservas, não vão para aí começar a matar a torto e a direito com a conivência de algum clínico sem escrúpulos. Só casos em que fosse feito o pedido pelo próprio...como foi o caso de Ramon Sampedro.

    Um abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. já se mata a torto e a direito, ou pior, deixa-se morrer ou deixa-se nascer com problemas graves... nã há mundo perfeito, nem pessoas perfeitas, o que tem de haver é maior compaixão, mais amor ao próximo. Deixar partir é também um acto de amor.

      Eliminar
  3. Não pedimos para nascer , mas não precisamos pedir para morrer.
    Se for nossa vontade ninguém o pode impedir, e muitas são as maneiras de o fazer, sem delegar a outrem, a tarefa que só a nós cabe, por sermos nós a decidi-lo.
    Eutanásia , é o estado a demitir-se de cuidar dos seus, é mais barato, que os serviços e cuidados paliativos, sobra-lhes mais para as vigarices e paraísos fiscais.

    E prontus!



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã concordo muito com essa teoria de que o estado vá poupar dinheiro com a eutanásia. Em Portugal existe um dos melhores serviços de saúde a preço reduzido, grátis para quem nã pode pagar. é necessário poupar, mas acho que a estratégia tem de ser mais voltada para a mentalidade da população... por exemplo, conheço algumas pessoas que acham que quando o médico diz que tem de fazer dieta, até fazem nos primeiros dias, assim que se começam a sentir melhor porque estão medicadas, param a dieta, voltam ao que faziam antes e lá se vai voltar ao início... diabetes, colesterol, tensões altas, nem sempre são diretamente causa de morte, mas de morbilidades, que são efetivamente caras para os doentes e para o estado.

      Eliminar

Enviar um comentário