vadear

Aquele que em mim ama tem estado ausente. Não lhe sinto a falta. Não a senti no dia em que a rapariga devolveu as chaves, nem nos dias restantes em que ela deixou de me escrever. Estranhei um pouco o vazio no início, mas foi como desocupar uma sala de móveis que não usava. Aquele que escreve também não voltou e agora sem aquele que ama, dificilmente voltará. 

Paul Gauguin, le cheval blanc, 1898

Comentários

  1. Não devias deixar partir o que escreve, o que amou há-de voltar porque assim é a vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. preferia que o amante não voltasse, é um desperdício de espaço e tempo

      Eliminar
  2. Estão só adormecidos. É uma questão de encantrar o despertador certo.

    ResponderEliminar
  3. O que escreve e o que ama são porventura o mesmo. Há que procurá-los, não se pode acomodar a essa partida.
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã são... o que escreve partiu primeiro. esse ainda faz alguma falta.

      Eliminar
  4. Tu não perdeste a capacidade de amar. Aquele que em ti ama foi dar uma volta. Depois, quando se cansar de viver, sem amar, volta. :)

    Estarás desiludido, talvez, mas se escreveres, seja o que for, sentirás que aos poucos tudo virá ter de novo contigo. Experimenta, Manel.

    Nós aqui consumidos, cheios de amor para te dar, e tu a fazer-te rogado?
    Mau...Manel!! :)

    Beijinhos, Cigano.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nada disso. nã me estou a fazer caro... a verdade é que nã consigo fazer com que as palavras tenham sentido. talvez seja desilusão, e sendo, é desiludido comigo.

      Eliminar
  5. Há tempos, foi-se embora uma blogger com a desculpa de que tinha encontrado o amor e nesse estado afugentava a inspiração. Agora vens tu com a desculpa de não amar e por isso não poder escrever . Mau mau ̶M̶a̶r̶i̶a̶ Manel!

    ResponderEliminar
  6. Olha afilhado, deixa-te de m.....
    mexe-me esse rabo
    procura o outro e todos mais que foram de férias
    porque a vida é mais que isso
    vê se pegas na pena e começas a trabalhar
    ai o menino!

    ResponderEliminar
  7. concordo com todollos escribas - incluindo o ciganão :) - mas não concordo com ninguém, sequer comigo.

    há um tempo para tudo e, se o sistema (um palavrão para designar o/alguémde corpo inteiro) não permite,por um determinado tempo, continuar a escrever, então deve parar.

    já aconteceu, seguramente a todos nós, pelas mais variadas razões e emoções (eu própria também não me sinto muito bem, mas vou mexendo o traseiro, pois que preciso disto como de pão de alfarroba/medronho para a boca).

    fases, só isso.

    ciganão, ó António Nobre II, mexe esse traseiro, que o mundo é demasiado cheio de estímulos para que não encontres um que te ponha a mexê-lo, a espaços escassos, que seja :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. outra a mandar mexer o traseiro... daqui a nada parece uma aula de zumba!
      também preciso da escrita, é como um exorcismo...

      Eliminar
  8. É pá... de novo. Consigo ver esses olhitos de cãozito abandonado. Tão nitida e enternecedoramente.
    Assim não dá, ó Manel, meu crush blogosférico. Não se aguenta. :D
    Mais a sério, agora. Podem-se ausentar todos os seres que há em ti, por uns tempos. Podes descansar deles, tranquilamente, sem te martirizares. Eles hão de voltar. A seu tempo. Renovados.
    Até lá, vais criando outros que te ajudarão a acolher, com mais força e vontade, aqueles que perdeste, um dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Escrevi tanto e só te detiveste nessa palavra, Manel? Ora, ora. ;p
      Sim, crush? Parece-me que é assim que se diz.
      Olha, agora, fiquei na dúvida. É que eu cá sou mais dada à maravilhosa língua francesa, que é a minha. ;)

      Eliminar
    2. fiquei boquiaberto, literalmente sem palavras por ser o crush de alguém, mesmo que seja blogosférico... estou assim como que cristalizado e maravilhado, foi isso...

      Eliminar

Enviar um comentário