balacobaco

"Quando Professor estava começando a história, João Grande chegou e sentou-se ao lado deles. A noite era chuvosa. Na história que Professor lia, a noite era chuvosa também e o navio estava em grande perigo. Os marinheiros apanhavam de chicote, o capitão era um malvado. O barco a vela parecia soçobrar a cada momento, o chicote dos oficiais caía sobre as costas nuas dos marinheiros. João Grande tinha uma expressão de dor no rosto. Volta Seca chegou com um jornal, mas não interrompeu a história, ficou ouvindo. Agora o marinheiro John apanhava chibatadas por escorregar e caíra no meio do temporal. Volta Seca interrompeu:
- Se Lampião tivesse aí, já tinha comido esse capitão no fuzil...
Foi o que fez o marinheiro James, um homenzarrão. Se atirou em cima do capitão, a revolta estalou no buque. Lá fora chovia. Chovia na história também, era uma história de um temporal e de uma revolta. Um dos oficiais ficou do lado dos marinheiros.
- É do balacobaco... - Disse João Grande.
Amavam o heroísmo. Volta Seca espiou Dora. Os olhos dela brilhavam, ela amava o heroísmo também. Isso agradou ao sertanejo. Depois o marinheiro James sustentou uma luta feroz. Volta Seca assobiou como um passarinho de tanto contentamento. Dora riu também, satisfeita. Riram os dois juntos, logo foi uma gargalhada dos quatro, como era costume dos Capitães da Areia. "


Capitães da Areia de Jorge Amado

 ilustração de Poty Lazzarotto do livro "Capitães da Areia", 57ª edição, Rio de Janeiro, 1983

Comentários

  1. Do balacobaco é esta maravilhosa obra de Jorge Amado que li há tantos anos e ando a precisar reler. Custa a crer que Amado tenha escrito este romance, intenso de emoções, numa idade ainda tão inexperiente das coisas da vida, ou pelo menos, assim o julgo.
    Gostei da escolha deste excerto, Manel.
    Beijos, bom fim-de-semana e boas leituras. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se me desse para adivinhar, diria que foi Dora que o escreveu :)
      É mesmo do balacobaco! beijos, boa semana

      Eliminar
  2. Obrigada, Manel. Gostei de ler. Faz falta o heroísmo. Ou talvez já ninguém queira ser herói de verdade, só para o flash da selfie. Ou então o mundo permanece igual a si próprio e quem mudou fomos nós.
    Abraço de sol.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não te sei dizer se o mundo está igual, mas gostava que fosse um bocadinho melhor... menos amor concentrado no umbigo e mais humanidade. beijos

      Eliminar
  3. Nunca li este livro. Mas está na lista. Há pouco tempo fui ver um espetáculo de dança baseado no mesmo. A Margem, de Victor Hugo Pontes. Também recomendo! :)
    Bom fim-de-semana Manel!
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um bom livro :) nem sei porque levei tanto tempo para o começar a ler.
      Boa semana, beijos

      Eliminar
  4. Li-o no início da puberdade (creio que pertencia à biblioteca do meu mano mais antigo) e chorei. Inolvidável, e eu não choro com facilidade (mas quando o faço, aprox. 3/4 vezes/ano, é copiosamente, como se viessem em catadupa as pequenas maleitas do ano, sai tudo de jorro :)

    Um must do Jorge Amado e dasmaltratadas crianças, em terras de Vera Cruz: a cruz dos abandonados, dos excluídos que, vivendo praticamente sós, em bando sanam algum do pior destino que lhe foi traçado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e pensar que em alguns sítios do mundo ainda é esta a realidade de muitas crianças... deixou-me a pensar, cruzei os braços e continuo sem fazer nada.

      Eliminar

Enviar um comentário