Gołąbki

Não tinha nenhuma vontade de ir, mas fui e na primeira oportunidade, deixei-me ficar esquecido na cozinha a preparar bebidas. A rapariga que tinha o nariz furado arrastou-me de volta para o pátio e tentava decorar o meu nome, repetindo-o demasiadas vezes. De onde venho é falta de educação repetir o nome dos convidados em voz alta. Disse-lhe. Ao que ela respondeu com um sorriso imbecil. Buenos dias. Os copos com bebidas inacabadas perfilavam na beira do lava-loiça à espera que os completasse, mas ninguém estava interessado no rum de alta qualidade. Com ar de adultos, os jovens bebiam vinho tinto e falavam de economia e política. Servi-me de uma boa dose de Gołąbki com molho de tomate e isolei-me na parte mais recôndita do terraço, com vários copos recusados e uma palhinha. Foi quando ela chegou. A Colombiana. Claramente areia a mais para a minha camionete, a Colombiana fazia virar cabeças e tinha sempre alguém que lhe chegava a comida, enchia o copo ou soprava o seu ego. De repente as conversas animaram-se, as ditaduras deram lugar às músicas latinas procuradas e descarregadas para impressionar as jovens e os copos oscilavam em brindes perfeitamente sincronizados e falados em várias línguas. Foi nessa altura que a Colombiana se aproximou e de todos os lugares que podia ter escolhido, e que de imediato lhe seriam cedidos com um estalar de dedos, escolheu sentar-se diante de mim. Enrubesci. Ela olhava-me nos olhos e perguntava o meu nome, para o não repetir mais vez nenhuma. Ela perguntava, só a mim, e eu respondia, só a ela. Nuestras almas se acercaron tanto así. Sacudi as migalhas e preenchi dois copos com bom rum. Quando regressei, ela já tinha um copo de vinho na mão e vários pretendentes de volta. Procurei outro canto cheio de vergonha e no momento em que me afogava no destilado, ela apareceu e sentou-se ao meu lado. A nossa conversa não foi muito além do de onde és, ou o que fazes, como se diz isto em espanhol ou assado e cozido em português, porque fomos constantemente interrompidos por narizes furados, música rasca e miúdos bêbados. Ela acabou por se fartar e saiu com outro grupo, eu arrumei os copos e voltei para casa pelo percurso mais longo e triste, mas um pouco feliz pelo interesse dela, mesmo que não tivesse durado muito, sempre foi alguma coisa. No soy nada yo no tengo vanidad. Como um brilho de uma estrela que já não existe, mas que por estar distante, continua a cintilar. 




Comentários

  1. Se as almas se aproximaram assim, já valeu a pena a festa e até aturar narizes furados. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. valeu sim... o que é preciso é procurar o que há de positivo :)

      Eliminar
  2. ala-te, luísa, que o Stormy precisa de saber avançar, carambas!
    estrelinhas? fónix, dão uns beijos do caraças, nã?
    asno. querido damalta da bloga, mas asno, ainda assim!!!

    raios, vive!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora, ora, Alexandra, passito a passito, primeiro as almas, de seguida os corpos. :))

      Eliminar
    2. que mau humor Oh Grande... querias assim tanto noticias de um romance?

      Eliminar
    3. ná, não chego exactamente ao 1,70, só estou quase lá :P
      sim, queria 'ver-te' feliz, extravazando paixão, uma daquelas que te deixariam em meio louco, acho que te faria bem e dizem que as polacas, bom, as polacas (tenho um primo casado com uma polaca, vivendo lá/aí... :D

      Eliminar
  3. Ah, Manel, não deixes fugir esta chiquitita.
    Agarra-te a ela, e terás a minha bênção.
    Um dia até me poderá oferecer um poncho igual a esse!!

    Besitos, besitos... adelante muchacho! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ehehehehehe, passarão mais de mil anos até que a volte a ver... há pessoas que nã estão destinadas, pelo menos nesta vida.
      beijos Janita

      Eliminar
  4. O destino por vezes é lixado. Quem sabe não a voltarás a encontrar...
    Se isso acontecer não arredas pé por coisa nenhuma. Almas así poderão ser gémeas :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. há 7,5 mil milhões de pessoas no mundo... mais fácil achar agulha em palheiro :)

      Eliminar
  5. Respostas
    1. mais fácil criar céus cheios de nuvens :)

      Eliminar
    2. Já reparei! Quando é que para de chover? Tenho um casamento no sábado e os sapatos são abertos...não me vais obrigar a comprar outros?!

      Eliminar

Enviar um comentário