falsificadora

Coando pelos lábios as silabas, o homem berrou três vezes:
-Onde está o meu classificador?
Ao ouvi-lo, os funcionários desataram a correr em todas as direcções, como um bando de insectos tontos em busca de um buraco onde desaparecer.
Lá fora, junto da fila de vidraças da sala de espera, a morte retirava os auscultadores e olhava atenta com as órbitas vazias. Tinha marcado uma hora com o homem, mas agora não estava assim tão certa de o querer ver. 
O homem percorreu com os olhos o espaço onde os seus funcionários se acumulavam por vários andares sem estabilidade, alguns perfeitamente cobertos por dossiers e requisições, e verificou que estava a ficar míope ou então caíra uma neblina sobre todas as coisas. Quando olhou para baixo, uma barata segurava acima da cabeça o classificador.
-Fui eu que falsifiquei o universo… o universo inteiro. Disse a rapariga da recepção, com a voz trémula.
-Como disse? Perguntou a morte, já com um pé na saída. 

-O universo. 


Comentários

  1. Que som ouvia a Morte, quando retirou os auscultadores dos ouvidos?
    Eu acho que era o som dos passos de Jack, o Estripador, na calçada negra e fria. Música aos aos seus ouvidos...
    Beijos, Cigano.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. acho que ela é mais música clássica, mas depende da disposição :)
      beijo, Janita

      Eliminar
  2. Hummm...não devemos de estar a falar da mesma entidade, Manel!!
    Seria sarcasmo demais...
    Bom Domingo e melhor semana, deus Tlaloc... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e porque nã? se damos vida à morte, porque nã dar-lhe bom gosto?

      Eliminar
  3. Como compreendo a rapariga da receção... Num sítio desses, eu também optava por falsificar qualquer coisinha.

    ResponderEliminar
  4. PARABÉNS afilhado, onde tenho estado não tinha net, mas cheguei ainda a tempo, quem sabe, de fazer o bolo de 2018.
    Beijo em TU, tudo de bom para ti.

    ResponderEliminar
  5. Morte? Pfffff! Vida, caraças!
    Beijocas repenicadíssimas de parabéns, miúdo!

    ResponderEliminar
  6. Ai, Manel...que venho escalfada de tanto correr pra te apanhar no dia!

    Um abraço e mil beijos, Cigano!! :))
    que contes muitos com saúde e poucos trovoadas!! :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nã era preciso, qualquer dia é bom
      obrigado Janita, beijos, beijos

      Eliminar
  7. Parabéns rapaz, por mais um. Vida é que é preciso e durante muitos anos :)

    ResponderEliminar
  8. Eh lá... Havia festa e eu não sabia (Acho que não sabia... Já não confio nesta cabeça). Enfim: Parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigado... as festas depois de algum tempo já nã são o que eram :)

      Eliminar

Enviar um comentário