yağmur

fecha os olhos. imagina-te devorado por outra boca que não essa. nunca a sentiste para além do olhar, mas assim que o cheiro dela te enche os sentidos, é quase como se a pudesses provar. vai e espalha esse cheiro da memória. enche com ele os lençóis, a tua mortalha suja. alimenta os poucos miócitos moribundos que te sobejam. dá-lhes essa ilusão palpitante enquanto a montas. é só prazer menor, sem previsão de chuva para os próximos minutos. 


Comentários

  1. tem juízo e ouve o coração. tenho que te explicar tudo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. os miócitos querem a inatingível...

      Eliminar
    2. Há quem acredite, chuva morrinhenta, que o que nos rodeia é de alguma forma reflexo do que o que nós somos, que aquilo com que embirramos nos outros, trovoada seca, é alguma característica que temos que perceber em nós mesmos. Por exemplo, nevoeiro nocturno, poderás desprezar essa que os teus miócitos montam, por veres nela a forma como te entregarias à inatingível, se ela te quisesse, e, se eventualmente eu me sentir irritada com os teus miócitos, magnitude -1, é porque existe uma parte em mim como tu. E existe. Diriam essas pessoas que acreditam nessas coisas esquisitas, que se tu mudares, poeira de áfrica, tudo mudará à tua volta, até a inatingível.
      Sabes qual é uma das vantagens de se ser mulher?

      Eliminar
    3. era mais simples dizeres apenas conde trovisco :)
      mas acho que estou a conseguir perseguir o teu raciocínio... claro que há tantas vantagens em se ser mulher, que enumera-las seria uma tarefa fastidiosa :D diz lá qual é essa que está na intermitência de vir à tona, fazedora de estrelas!

      Eliminar
    4. uma mulher pode cruzar as pernas sem trilhar a cabeça. sabias?
      :P

      Eliminar
    5. sabes que foi descoberta uma gruta na lua?

      Eliminar
    6. claro que nã... só serviu para desviar a conversa de assuntos sensíveis...

      Eliminar
    7. Por acaso dava-me jeito ir para lá...

      Eliminar

Enviar um comentário