sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Żabka

Enquanto esperava pela minha vez na fila do supermercado, reparei que a t-shirt da pessoa que estava à minha frente, tinha marcas das molas nos ombros.

 Nazaré Portugal, 1956  Edouard Boubat

11 comentários:

  1. Se calhar viste mal e isso eram os 'enchumaços' da blusa...:)
    Sabes que adoro as tuas fotos? não sei como descobres estas maravilhas a P&B.
    Gostaria tanto de ter vivido a mocidade nos anos 50, mas nesse tempo ainda era muito pequenina.
    O rapaz é tal e qual a personagem principal do livro que ando a ler.
    Quando terminar a leitura falo dele.

    Onde é que está o sapo, Manel??? :)

    Beijos, ciganito!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eram duas marcas exactamente iguais às que ficam nas costuras de baixo das minhas t-shirts...
      nã há sapo, mas ando com poucas palavras que comecem com Z nos meus títulos...
      beijos, Janita

      Eliminar
  2. a minha roupa não tem nem cheiro a mola.

    ResponderEliminar
  3. Passar a roupa a ferro é um desperdício de energia. O truque é prender as molas nos sovacos, há um certo desdém pelos sovacos alheios pelo que raramente se lhes prende o olhar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mas penduradas pelos sovacos levam o dobro do tempo a secar, nã?

      Eliminar
  4. Manel, quem estende a roupa dessa pessoa não sabe fazê-lo e a pessoa que veste essa roupa ou é muito distraída ou não tem sentido estético.
    Há duas coisas que estragam qualquer styling: nódoas e roupa amarrotada (com esses vincos ainda é pior).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) a minha admiração foi somente por haver quem pendure a roupa pelo oposto de onde penduro a minha...

      Eliminar
  5. A Tétis já disse como se faz. É nas cavas.

    ResponderEliminar
  6. Além das sugestões já dadas, a máquina de secar é outra opção, a roupa sai esticadinha e praticamente passada

    ResponderEliminar